CARNAVAL CORUMBÁ 2018 II
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 08/11/2017 - 16h10

Sesau investiga morte de macaco, animal hospedeiro da febre amarela

Corpo foi encontrado na chácara, na região da estrada da Gameleira; CCZ coordena apuração




Por Anahi Zurutuza do Campo Grande News / Redação Pantanal News

 Macaco-prego na região da Vila Santo Eugênio, no sudeste da Capital; animal que seria desta espécie foi encontrado morto ontem (Foto: Marcos Ermínio)

Macaco-prego na região da Vila Santo Eugênio, no sudeste da Capital; animal que seria desta espécie foi encontrado morto ontem (Foto: Marcos Ermínio)

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) investiga a morte de um macaco, um dos hospedeiros do vírus que causa a febre amarela. O corpo do animal foi encontrado por volta das 7h desta terça-feira (8) na área de reserva de uma chácara localizada na região da estrada da Gameleira, em Campo Grande.

A investigação está a cargo do Centro de Controle de Zoonoses e da Vigilância Epidemiológica municipal. De acordo com a veterinária, Claudia Granja Macedo, o macaco foi entregue ao CCZ por volta das 21h.

Claudia explica que por causa do avançado estado de decomposição não será possível fazer exames para comprovar se a causa da morte foi febre amarela. “Não sabemos quando esse animal morreu, sabemos quando foi encontrado e que ele já estava em avançado estado de putrefação. Seguimos o protocolo do Ministério da Saúde, que não recomenda nestes casos a coleta de material (amostras dos órgãos) para exame”.

A veterinária explica que o CCZ vai vistoriar a região e entrevistar produtores rurais para saber se outros casos já foram registrados. “Vamos seguir com a investigação epidemiológica e fazer os registros necessários para este caso. Mas, este macaco pode ter morrido por qualquer outro motivo”.

Em Campo Grande, outras duas mortes de macacos foram investigadas neste ano, mas a febre amarela foi descartada como causa.

Doses da vacina contra a febre amarela, que estão disponíveis nos postos de saúde (Foto: Alcides Neto/Arquivo)Doses da vacina contra a febre amarela, que estão disponíveis nos postos de saúde (Foto: Alcides Neto/Arquivo)

 

Sem pânico – A coordenadora da Vigilância Epidemiológica do município, Mariah Barros, garante que não há motivo para pânico. “Essa investigação faz parte de um protocolo, é uma investigação. Por isso, é importante ressaltar que não há motivo para pânico”.

Ela explica que não haverá reforço ou campanha de vacinação. “No início do ano, quando casos da doença foram registrados em estados vizinhos, reforçamos a vacinação em área rural. Campo Grande sempre vacinou contra a febre amarela e isso nos deixa numa certa tranquilidade. Não vamos deflagrar campanha, não há necessidade”, ressaltou.

Situação – Neste início de ano Mato Grosso do Sul estava cercado de casos de febre amarela, mas desde que a doença ressurgiu no Brasil, o Estado era o único do Centro-Oeste a não ter notificações. Apesar do dado positivo, a corrida aos postos de saúde foi inevitável.

Nos dois primeiros meses deste ano, 29.010 pessoas foram vacinadas contra a doença, o triplo do número de vacinados em janeiro e fevereiro do ano passado – 9.480 pessoas.

Além do medo da doença ter feito crescer a procura pela vacina, principalmente por quem havia se imunizado há mais de dez anos, a campanha de vacinação iniciada pela Sesau na área rural de Campo Grande contribuiu para o aumento da quantidade de vacinados.

Hoje, em São Paulo, há dez pacientes com suspeita da doença.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
18/01/2018 - 09h13
Após Exército, Marinha também entra na luta contra o Aedes aegypti em Corumbá
16/01/2018 - 15h43
Secretaria disponibiliza 80 mil doses de vacina contra febre amarela em MS
03/01/2018 - 15h03
MS teve no ano passado menor registro de dengue em 8 anos
02/01/2018 - 15h31
Planos de saúde já estão obrigados a cobrir 18 novos procedimentos
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
 
Últimas notícias do site
19/01/2018 - 15h00
Agenda Cultural: fim de semana está repleto de opções com samba, rock, pop e funk
19/01/2018 - 13h00
Inmet alerta para chuvas intensas e ventos de até 100 km por hora em MS
19/01/2018 - 08h32
Fazendeiro é autuado em R$ 159 mil por desmatamento ilegal
19/01/2018 - 07h35
Carnaval de Corumbá terá Axé Blond, Revelação e baterias da Mangueira e Gaviões da Fiel
19/01/2018 - 07h10
Carnaval de Corumbá: atrações tem até hoje para realizar cadastro
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.