zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 10/08/2017 - 11h16

MS registra o maior número de queimadas dos últimos 7 anos




Divulgação

Por Wendy Tonhati do Midiamax / Redação Pantanal News

Depois de uma longa estiagem, a meteorologia prevê pancadas de chuva no próximo fim semana, em Mato Grosso do Sul. Mas, até lá, a população segue sofrendo com os efeitos da baixa umidade relativa do ar, que causa diversos transtornos à saúde e propaga as queimadas pelas cidades.

Na última quarta-feira (9), câmeras de segurança flagram dupla ateando fogo em terrenos baldios de bairro Parque Residencial dos Girassóis. Os moradores disseram que o incêndio se alastrou rapidamente, próximo às residências. 
Nesta quinta-feira (10), por volta das 10 horas, em Campo Grande, o índice era de 30%, abaixo do que a OMS (Organização Mundial de Saúde) considera o nível ideal para o organismo humano -entre 40% e 70%. O Corpo de Bombeiros, mais uma vez foi acionado para conter às chamas de queimadas em bairros de Campo Grande.

Para esta quinta, o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) manteve o alerta para a baixa umidade relativa do ar em todo o no Estado. Nas regiões leste, sul, sudoeste, sul, Pantanal e norte, o alerta é para umidade relativa do ar variando entre 30% e 20%, com perigo potencial. Já para as outras regiões, o alerta é para perigo: umidade relativa do ar variando entre 20% e 12%.

De acordo com o monitoramento de focos de calor, feitos pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o número de focos de incêndio acumulados, em Mato Grosso do Sul, entre 1° de janeiro a 9 de agosto, foi de 2.501. O número é 20% maior do que 2016 (2.080) e o maior dos últimos sete cinco anos, neste período. 2011 (743); 2012 (2192); 2013 (966); 2014(990); 2015 (1.760); 2016 (2.080); 2017 (2.501).

Corumbá segue no terceiro lugar no ranking das cidades com maior número de queimadas. Neste ano, já foram 1.369 focos, perdendo só para São Félix do Xingu (PA) e Altamira (PA).

Os números são dos satélites de monitoramento do Inpe e consideram como focos de calor, frentes de fogo com mais de 30 metros de extensão por 1 metro de largura. Ou seja, o número de queimadas é bem maior se contarmos aqueles vizinhos que colocam fogo em terrenos baldios ou áreas que acabam se incendiando por outros fatores, como bitucas de cigarro jogadas na rua.

Problemas de saúde

​De acordo com os médicos, o tempo seco demais e baixa umidade do ar causam danos como o ressecamento das mucosas das vias aéreas, possibilitando crises de asma e a infecções virais e bacterianas. Além do aparecimento de problemas oculares e alergias.

O horário crítico, em geral, ocorre entre 15h e 16h. Os prejuízos para a saúde se tornam mais evidentes: dor de cabeça, complicações alérgicas, sangramento nasal, garganta seca e irritada, sensação de areia nos olhos que ficam vermelhos e congestionados, ressecamento da pele, cansaço.

 

Previsão de chuva

​Pancadas de chuva significativas estão previstas a partir do sábado (12) e devem permanecer até a terça-feira (15). A próxima semana começa com tempo nublado com pancadas de chuva, que podem ser fortes em alguns momentos, ventos de 35km/h, trovoadas em todo o Estado, exceto região norte, nordeste e leste que terão muitas nuvens, na segunda-feira (14).

A chuva deve chegar primeiro às regiões oeste, noroeste, sudoeste e central do Estado. De acordo com o meteorologista Natalio Abrahao Filho, da estação meteorológica Anhanguera-Uniderp, não há previsão de frio e as temperaturas devem seguir elevadas até as mudanças.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
19/10/2017 - 14h22
Tamanduá-mirim é capturado dentro de residência
19/10/2017 - 13h30
Projeto Florestinha planta mudas nativas para recuperação de área
19/10/2017 - 08h00
PMA captura lagarto em quintal de residência
18/10/2017 - 08h13
Calor e vento propagam incêndio que já destruiu 30 mil hectares de parque
16/10/2017 - 18h59
Incêndio consome parque estadual há 4 dias em MS
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.