zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 02/08/2017 - 08h44

Quantidade de focos de calor em julho foi a maior dos últimos 18 anos em MS




Por Ricardo Campos Jr. do Campo Grande News / Redação Pantanal News

 Imagem aérea mostra área de queimada em Corumbá (Foto: divulgação)

Imagem aérea mostra área de queimada em Corumbá (Foto: divulgação)

Mato Grosso do Sul teve 1.050 focos de calor monitorados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) durante o mês de julho, maior número registrado nos últimos 18 anos no estado. A quantia também está acima da soma de todos os pontos críticos tabelados de janeiro a junho deste ano.

São considerados focos de calor os locais onde a temperatura passa dos 47°C, aumentando o risco de incêndios na vegetação. Os números são alarmantes porque o período crítico de queimadas começa normalmente em agosto e termina em setembro.

Na série histórica, a última vez que a quantidade de zonas críticas atingiu número maior do que três dígitos no sétimo mês do ano foi em 1998, com 1.297 pontos monitorados. A média de julho deste então foi de 434 pontos de calor.

Em 2017, a quantidade de áreas críticas registrada pelo Inpe em julho foi 500% maior do que o mês imediatamente anterior.

Acumulados – Somente no dia 1º de agosto foram registrados 35 focos de calor em Mato Grosso do Sul. Somando os dados contabilizados até ontem pelo instituto, o estado teve 2.090 zonas críticas, maior quantidade dos últimos cinco anos no período.

Corumbá é o município brasileiro com maior quantidade de focos de incêndio acumulados entre janeiro a 1º de agosto, com 1.084 focos. Ou seja, 51,8% dos pontos de calor registrados no estado ocorreram na Cidade Branca.

As informações do Inpe auxiliam o Corpo de Bombeiros em ações preventivas caso os focos de calor se transformam em incêndios florestais. A região de Pantanal conta com uma brigada do Prevfogo do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) com 21 pessoas e equipamentos, como bombas costais e abafadores.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
16/10/2017 - 18h59
Incêndio consome parque estadual há 4 dias em MS
13/10/2017 - 10h45
MS 40 Anos: O desafio de harmonizar população e natureza nas lagoas
11/10/2017 - 07h05
PMA recolhe tatu de 36 kg atropelado na rodovia
04/10/2017 - 07h02
PMA captura veado atropelado
28/09/2017 - 13h48
Incêndio assusta moradores em Porto Quijarro, na fronteira do Brasil com a Bolívia
 
Últimas notícias do site
17/10/2017 - 16h42
PMA autua fazendeira por degradação em margem de rio
17/10/2017 - 16h02
Aprovado projeto que incentiva entidades filantrópicas
17/10/2017 - 15h58
Membro atuante da CPI, Dr. Paulo Siufi apoia reivindicação de trabalhadores da JBS
17/10/2017 - 14h39
Bombeiros fazem sobrevoo para avaliar combate a fogo que já destruiu 20 mil ha
17/10/2017 - 14h00
Fazendeiro é autuado em R$ 18 mil por desmatamento e exploração ilegal de madeira
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.