especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Agronegócios - 25/07/2017 - 09h06

Pesquisa mostra que extrativismo não prejudica regeneração de castanheiras




Fotos: Gabriel Faria










Por Assessoria Embrapa / Redação Pantanal News

A coleta de frutos da castanheira-do-brasil (Bertholletia excelsa, Lecythidaceae) não impede o crescimento de novas árvores na floresta. A conclusão é de uma pesquisa realizada pela Embrapa avaliando áreas de mata em Mato Grosso e Roraima.

O trabalho, ainda não publicado, avaliou quatro parcelas de nove hectares cada uma, onde foram identificadas e monitoradas todas as castanheiras. Duas vezes ao ano, ao longo de cinco anos, a equipe de pesquisa visitava os locais, acompanhava os extrativistas contando a quantidade de frutos coletados e o montante remanescente na floresta, entre eles aqueles esquecidos e os que eram quebrados pela fauna. Ao mesmo tempo, foi feita a avaliação de plantas regenerantes, ou seja, novas árvores em crescimento na mata.

Como forma de comparação, uma área dentro da parcela de pesquisa não teve os frutos coletados e também contou com monitoramento dos indivíduos regenerantes.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril Hélio Tonini, a avaliação estatística dos dados mostrou que não houve efeito da taxa de coleta sobre a regeneração natural da espécie. Dessa forma, ele conclui que são ineficazes e até mesmo desnecessárias medidas de restrição à coleta para garantir a regeneração natural. “Mesmo sob altas taxas de coleta de sementes, a espécie consegue regenerar-se de forma satisfatória em áreas sujeitas a aberturas periódicas do dossel”, explica Tonini.

O pesquisador argumenta que durante o período de coleta, o extrativista passa no máximo duas vezes em cada árvore. Como o intervalo é grande, há tempo suficiente para ação da fauna, principalmente cutias, os maiores responsáveis pela manutenção da regeneração natural da castanheira. O roedor consegue quebrar o ouriço caído no chão, retira as amêndoas e enterra aquelas que não consegue comer no momento. Muitas delas acabam esquecidas e germinam, formando novas árvores.

Outro agente com papel importante na disseminação das sementes é o próprio homem. No transporte das castanhas pelas trilhas feitas na mata, algumas acabam caindo e germinando. De acordo com Hélio, na literatura há um estudo feito no Pará que avaliou as plantas regenerantes ao lado das trilhas usadas pelos coletores.

“As trilhas mais batidas, onde mais gente passava, era onde mais tinha castanheira. Então a ação do homem provavelmente é mais benéfica do que maléfica para a regeneração”, argumenta.

 

 

Diferença nos tamanhos

A avaliação dos indivíduos regenerantes mostrou que há na mata árvores de médio porte e plantas bem pequenas. Porém, poucos indivíduos intermediários são encontrados. Essa característica foi interpretada durante muito tempo como efeito negativo da atividade extrativista.

Porém, explica Hélio, o acompanhamento dos novos regenerantes, mesmo com a continuidade da coleta de castanha-do-brasil mostra que esse não é o motivo para a ausência de indivíduos intermediários.

Para ele, a explicação está na abertura de clareiras no passado ocasionadas pela atividade madeireira, fogo ou alguma outra ação do homem. Com a maior entrada de luz na mata, as árvores menores se desenvolveram mais rapidamente. A redução da luminosidade, devido ao crescimento das espécies pioneiras, fez com que castanheiras mais jovens não tivessem o mesmo desenvolvimento acentuado, ficando uma diferença na população.

“Não tem muito a ver com a quantidade de frutos que você extrai da área e sim com as aberturas. Onde tem castanhal é sinal de distúrbio na mata. É sinal de que houve alguma coisa ali. Ou caiu muita árvore, teve exploração madeireira, ou teve derruba e queima feita por índios há muitos anos. A castanheira precisa de luz”, argumenta Tonini.

Dispersão genética

Por meio da avaliação genética das castanheiras, a pesquisa também mostrou que as cutias chegam a levar as sementes a uma distância de até 650 metros da árvore do local onde pegou a semente. Porém não são os roedores os principais responsáveis pela variabilidade genética das castanheiras em uma mata.

Por meio do estudo do fluxo de pólen na floresta, foi possível identificar que abelhas polinizadoras conseguem carregar o pólen de uma árvore a outra numa distância de até 950 metros.

A pesquisa foi feita por meio da análise de DNA de todas as castanheiras da parcela experimental e de plantas germinadas a partir de sementes coletadas de árvores matrizes.

Comparando o DNA das regenerantes na floresta com o restante da população, foi possível identificar os pais daquela planta e a distância em que ela se encontrava deles. 

Já a análise do DNA das mudas germinadas a partir das sementes coletadas, permitiu, por comparação, identificar a árvore pai, ou seja, a que forneceu o pólen. Como a polinização é feita pelas abelhas de grande porte, os dados permitiram inferir a distância máxima percorrida pelos insetos levando o pólen.

O fluxo gênico, seja por meio da dispersão de sementes ou da polinização, é fundamental para garantir a maior variabilidade genética das castanheiras. A pesquisadora Aisy Baldoni ressalta a importância dessa diversidade para a conservação da espécie. A castanheira-do-brasil é considerada vulnerável na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (UICN), que reúne e classifica espécies com risco de extinção.

“Quanto maior a variabilidade genética de uma população, maior a chance de sobreviver a intempéries, doenças, pragas, problemas climáticos, deficiências morfológicas, etc.”, explica Aisy Baldoni

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/02/2018 - 10h50
Chuva desde madrugada alaga casas e interdita rodovia de acesso ao Pantanal de MS
23/01/2018 - 13h23
Brasil entra na corrida para desenvolver mandioca com amido ceroso
23/01/2018 - 10h20
Unidades de conservação podem ser administradas por parcerias público-privadas
16/01/2018 - 10h30
Ipê-roxo é primeira árvore do Cerrado a ter genoma sequenciado
16/01/2018 - 08h40
Rebanho de MS cresceu para 21.8 milhões de cabeças de gado em 2017, diz Iagro
 
Últimas notícias do site
23/02/2018 - 10h30
Informe Energisa
23/02/2018 - 10h25
Corumbá: Prefeito faz balanço dos 100 dias de gestão e apresenta ações para 2018
23/02/2018 - 07h20
Prefeito Marcelo Iunes e Clube de Desbravadores Formigas de Corumbá ajudam ribeirinhos de Aquidauana e Anastácio com campanha de arrecadação de donativos
22/02/2018 - 14h02
Marinha divulga edital do concurso para Fuzileiro Naval
22/02/2018 - 10h15
De cão a periquito: animais salvos da cheia dão cara de lar a abrigo
 

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.