zap
GOV EMPREGO 22-06
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
O Estado do Pantanal - 19/04/2017 - 15h06

Pantaneiros querem ser ouvidos na discussão da polêmica Lei do Pantanal




Por Assessoria / Redação Pantanal News

O Sindicato Rural de Corumbá manifestou-se a respeito do polêmico projeto de lei nº 750, que tramita desde 2011 no Congresso Nacional e pretende regularizar as atividades econômicas e normatizar a preservação do Pantanal, alertando que a proposta não deve ter aprovada de afogadilho e sem discutir com o homem pantaneiro, que é um dos principais responsáveis pelo nível de 85% de conservação da vegetação nativa do bioma.
 
A preocupação dos produtores rurais do maior município pantaneiro com a chamada Lei do Pantanal – o projeto é de autoria do ex-senador mato-grossense Blairo Maggi, hoje ministro da Agricultura e Pecuária – obteve ressonância no Governo do Estado, com o governador Reinaldo Azambuja exigindo que o projeto fosse discutido em Mato Grosso do Sul, que detém 70% do bioma, antes de entrar na pauta do Senado.
 
Da forma como está sendo encaminhado, o PL-750 é um retrocesso e com efeitos danosos à econômica da região, segundo o presidente do sindicato rural, Luciano Aguilar Leite. Ele disse que com a aprovação da nova lei, torna-se sem efeito toda a regulamentação feita pelo governo de Mato Grosso do Sul em relação ao Cadastro Rural Ambiental (CAR), com base em estudos da Embrapa Pantanal, e ao qual mais de 70% dos produtores já aderiram.
 
Lei acaba com o CAR
 
“Não somos contra a proposta de se criar uma política de gestão e proteção do Pantanal, porém todos os segmentos devem ser ouvidos. Temos 70% do Pantanal e não aceitamos uma lei goela abaixo, que acaba com o nosso CAR e desorganiza todo um sistema já normatizado e funcionamento bem”, ponderou o dirigente ruralista. “Mato Grosso não tem ainda a lei do CAR e a 750 deve considerar a realidade do Pantanal como um todo.”
 
Luciano Leite cobrou a formação de um grupo de trabalho reunindo segmentos governamentais e não governamentais dos dois estados para discutir a proposta, iniciativa esta já tomada pelo Governo de Mato Grosso do Sul, e lembrou que a econômica do Pantanal deve ser considerada na alteração de qualquer lei que diz respeito ao bioma. Citou que Corumbá tem o segundo maior rebanho bovino do País, com 2 milhões de cabeças, e a pecuária é o maior empregador no município.
 
“A posição assumida pelo governador (Reinaldo Azambuja) em defesa dos interesses ambientais, sociais e econômicos do Pantanal nos tranquiliza”, afirmou o presidente do sindicato rural, que conta ainda com o apoio da prefeitura de Corumbá. “Não há razão que justifique a necessidade de se aprovar uma lei dessa, agora, quando a regulamentação dos biomas tem prazo até 2020, bagunçando com toda uma cadeia produtiva”, protestou.
 
Inconstitucionalidade
 
Luciano parabenizou o Governo do Estado pelo evento Diálogo pelo Pantanal, realizado nesta terça-feira, em Campo Grande, com a presença de técnicos e especialistas em meio ambiente. Nesse encontro, ficou patente a necessidade de modificações significativas no teor do PL 750, sendo levantada, inclusive, sua inconstitucionalidade, ao impor obrigações aos estados e estabelece a criação de estruturas administrativas, o que seria exclusividade do Poder Executivo.
 
Durante o Diálogo pelo Pantanal, falando em nome da Federação de Agricultura de Mato Grosso do Sul (Famasul), o proprietário rural e ambientalista Nilson de Barros lembrou que o Pantanal é ocupado há 270 anos e que até a década de 70 os governos “desconheciam a região”. A iniciativa de preservação do bioma, portanto, sempre foi do homem pantaneiro, que deve ser ouvido e contemplado por qualquer legislação a respeito.
 
“O projeto começou ruim porque não ouviu Mato Grosso do Sul”, disse Nilson de Barros, que elogiou a iniciativa do governador Reinaldo Azambuja e do secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, de chamarem a discussão para o Estado. “Queremos continuar sobrevivendo no Pantanal, o homem pantaneiro tem muito a ensinar e precisa ser ouvido. A soma do conhecimento empírico e científico é importante para resolver os eventuais problemas do Pantanal”, disse.
 
Bioma mais preservado
 
Ex-chefe da Embrapa Pantanal, cuja sede fica em Corumbá, Nilson de Barros também questionou o fato de se propor mais uma lei para o Pantanal com o intuito apenas de restringir uma atividade secular, que é a pecuária tradicional. “Se é unanimidade que o homem preserva o Pantanal, o bioma mais protegido, e exerce uma atividade compatível com o ambiente, por que fazer regras para ele, ao invés de garantir benefícios, incentivos?”, indaga.
 
O Diálogo pelo Pantanal foi promovido pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), por meio do Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), com apoio do WCS (Wildlife Conservation Society) e do WWF (World Wildlife Fund) Brasil.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/06/2017 - 08h03
Queimadas no Pantanal são naturais mas consumiram 63 km² em 2016
05/06/2017 - 08h00
Onça-pintada é tema de exposição interativa no Pantanal
29/05/2017 - 13h12
Cheia no Pantanal deverá atingir cerca de quatro metros e meio na metade do ano
17/05/2017 - 09h41
Cientistas desenvolvem alimentos processados de pescado pantaneiro
16/05/2017 - 14h17
Sete famílias deixam suas casas com início da cheia no Pantanal de MS
 
Últimas notícias do site
23/06/2017 - 16h02
TVE em Maracaju: governador Reinaldo e prefeito Maurílio Azambuja reativam sinal neste sábado
23/06/2017 - 14h16
Projeto de Moka quer acabar com distorção na disputa por vaga a pessoa com deficiência
23/06/2017 - 14h06
Fim de semana será de clima seco, com noites frias e tardes ensolaradas
23/06/2017 - 12h41
PMA autua pecuarista em degradar nascentes e dois córregos e áreas protegidas de matas ciliares
23/06/2017 - 10h35
Deputado Dr. Paulo Siufi solicita recolhimento de livro infantil que aborda incesto
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.