zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Jurídico - 18/01/2017 - 16h20

'Pai é quem ama': TJ autoriza reconhecimento de paternidade sem DNA

Provimento permite registro direto no cartório




Divulgação

Por Izabela Sanchez do Midiamax / Redação Pantanal News

A família tem sido ponto da discussão política nos últimos anos. Seja o lado conservador, ou de quem é a favor da ampliação do conceito, fato é que a configuração do núcleo familiar mudou. Agora, quem reconhece a mudança é o Judiciário de Mato Grosso do Sul. O provimento 149/2017, da corregedoria do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) - publicado no Diário do TJ desta quarta-feira (18) -, reconhece e regulamenta a chamada paternidade socioafetiva, quando o vínculo não é biológico, mas a pessoa estabelece laços afetivos de paternidade com a criança.

Antes do provimento, a criança que não possuísse registro paterno, mas cujo pai afetivo quisesse reconhecê-la, era necessário ingressar com pedido na Justiça. Agora, basta apresentar  documento  de  identificação  com  foto,  certidão  de  nascimento  do  filho,  em  original ou cópia, no cartório de registro civil.

O provimento segue uma jurisprudência já consolidada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) nos últimos anos. A mudança, além de reconhecer a igualdade da 'verdade afetiva' perante a 'verdade sanguínea' deixa o reconhecimento mais rápido e mais 'econômico', para a família e para o Judiciário. É o que explica a juíza auxiliar da corregedoria do TJ, Elizabete Anache.

"É um processo que tem seus custos, no seu tempo. Agora, o provimento permite que essa pessoa que quer fazer o reconhecimento vá direto ao cartório de registro civil, e declare a verdade afetiva, ou seja, está reconhecendo como filho aquela pessoa em razão dos laços afetivos. O que acontecia antigamente, acontecia a chamada adoção à brasileira, alguém que não queria ter o trabalho de entrar com um processo, ia lá e reconhecia como filho, como se fosse filho biológico e ficava naquilo: ah, reconheceu a paternidade, mas é uma paternidade biológica que não corresponde a realidade e aí ficava sempre aquela discussão. Agora não, agora é possível que alguém possa verdadeiramente reconhecer a paternidade socioafetiva sem que isso precise ser mascarado", explica Elizabete.

E o pai biológico?

A paternidade socioafetiva, no entanto, não retira as obrigações do pai biológico. Esse é o entendimento do STF, que discutiu a questão dia 21 de setembro de 2016. Por maioria de votos, os ministros negaram provimento ao Recurso Extraordinário (RE) 898060, com repercussão geral reconhecida, em que um pai biológico recorria contra acórdão que estabeleceu sua paternidade, com efeitos patrimoniais, independentemente do vínculo com o pai socioafetivo.

 

 

A juíza Elizabete Anache (divulgação)A juíza Elizabete Anache (divulgação)

"O STF já entendeu que a paternidade socioafetiva e a biológica podem até ser concomitantes. O provimento é até uma questão de repercusão geral, a gente cita isso nos considerandos do provimento. A única coisa que foi regulamentada, até pra fins de uniformização, de tratamento e de facilidade para a população, é que quando o filho é criado por alguém que não é o pai biológico, mas com quem mantém vínculos afetivos fortes, o pai, ao pretender fazer esse reconhecimento, ao pretender dar seu nome a esse filho, precisaria, via de regra, de uma declaração judicial, precisaria de um processo", explica a juíza.

 

Ao registrar a paternidade socioafetiva, o pai tem as mesmas obrigações de um pai biológico. "Não existe distinção entre os tipos de paternidade, o pai socioafetivo é pai tal qual o pai biológico, tem que cumprir com todas as obrigações", complementa a magistrada.

Essa obrigatoriedade de cumprir com os direitos já foi alvo de decisão em Mato Grosso do Sul. Isso porque um pai adotivo, ao separar-se da esposa, decidiu retirar o registro de paternidade da filha. A 5ª Câmara Cível do TJ-MS, no entanto,  deu provimento ao recurso de filha, e o pai teve que cumprir com as obrigatoriedades da paternidade socioafetiva.

Em Mato Grosso do Sul, os cartórios ainda não sabem da mudança, ao menos é que demonstra um deles, cujo tabelião conversou com o jornal Midiamax. A mudança, no entanto, é simples e nesta quarta-feira (18), qualquer família já pode providenciar o registro.

Conforme declara a juíza, a afetividade não pode ser "ignorada pelo Direito".

"E a Constituição e a evolução cultural já demonstram que é tão importante quanto o vínculo biológico ou, às vezes, até se sobrepõe a ele. As famílias estão se multiplicando, não existe mais aquele modelo tradicional do casamento durar para sempre, então é muito comum que as relações conjugais se alternem, então, às vezes, as relações filiais também sofre mutações, e tem uma afetividade que não pode ser ignorada pelo Direito", conclui a magistrada.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/09/2017 - 08h30
Lei proíbe uso do capacete em estabelecimento comercial público
05/09/2017 - 08h00
Juízes de MS lideram ranking de produtividade entre tribunais do país
10/07/2017 - 14h50
Aquidauana lidera entre as cidades com maior número de videoconferências
17/04/2017 - 08h00
Carreta da Justiça abre atendimentos nesta 2ª feira em Bodoquena
03/04/2017 - 14h58
Inscrições para processo seletivo de estágio no TJMS seguem até dia 20
 
Últimas notícias do site
19/10/2017 - 15h13
Em 2016, caiu o percentual de pessoas que trabalhavam em empreendimentos de grande porte
19/10/2017 - 14h22
Tamanduá-mirim é capturado dentro de residência
19/10/2017 - 13h30
Projeto Florestinha planta mudas nativas para recuperação de área
19/10/2017 - 11h21
PM e população de Aquidauana se aproximam por uma cidade tranquila
19/10/2017 - 10h58
PMA captura anta que transitava por ruas em bairro
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.