TRANSPARENCIA GOV DEZ
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 03/01/2017 - 11h31

Com clima propício a mosquito, Saúde alerta que zika e chikungunya matam




Genilton Vieira

Mosquito Aedes aegypti segue em ascensão e é vetor de várias doenças graves.
Por Aline dos Santos do Campo Grande News / Redação Pantanal News

Transmitidas pelo mesmo mosquito, a dengue, zika e febre chikungunya continuam a trazer más notícias. Agora, o alerta é de que todas podem resultar na morte do paciente.

“Conforme orientação do Ministério da Saúde, o que causava óbito era dengue. Mas, no fim de 2016, o ministério fez alerta para todas as vigilâncias de que as três podem causar óbito”, afirma a gerente de doenças endêmicas da SES (Secretaria Estadual de Saúde), Lívia de Mello Almeida Maziero.

Desta forma, em caso da morte do paciente, as três doenças devem ser investigadas. A orientação para que as doenças sejam avaliadas por igual também foi repassada aos médicos durante treinamento realizado no mês de novembro pela secretaria.

“As três doenças nos preocupam do mesmo tanto. A orientação é para que tratassem todos os pacientes como suspeito dos três agravos. Existe sim as diferenças sintomáticas entre as três. Para não ir de olho fechado apontado que é uma dessas, notificando para dengue doença que é zika ou chikungunya” salienta a gerente.

Lívia explica que a dengue continua sendo a doença que tem mais potencial de evoluir para óbito, devido à acelerado processo de desidratação. A chikungunya é marcada pelas dor intensa, crônica e até incapacitante. Na zika, o problema mais conhecido é a microcefalia nos bebês.

“Hoje é o que temos de mais preocupante. Mas são pouquíssimas informações, doença muito nova. A chikungunya tem mais estudos, os médicos foram para as ilhas caribenhas onde iniciou, tem muito mais informações”, afirma a gerente.

Sobre epidemia, ela diz que não há como prever, mas o cenário é favorável ao mosquito Aedes aegypti. “Depende muito da população para que ocorra ou não. Mas temos o fato de ter depósito [de água parada] e chuva”, diz Lívia.

Apesar de as informações sobre como eliminar os focos do mosquito serem repetidas, exaustivamente, há anos, as pessoas relutam em mudar hábitos. Para tentar sensibilizar, a propaganda do Ministério da Saúde apostou na emoção. “O enfoque da campanha mudou. Não se foca mais no mosquito, mas as consequências para a família”, afirma a gerente.

Em 2017, o governo do Estado vai manter uma sala de situação para acompanhamento dos casos.

Crescimento - Os casos de dengue tiveram aumento de 28,7% em Mato Grosso do Sul. De acordo com boletim da SES, foram 59.333 notificações até 28 de dezembro de 2016. Em 2015, houve registro de 46.070 casos notificados da doença.

Considerando as estatísticas do zika vírus e da febre chikungunya, o mosquito contaminou 59.697 pessoas. Conforme o boletim, Campo Grande lidera os casos de dengue, com 28.279 notificações e não há nenhuma cidade com baixa incidência da doença. São oito municípios com média incidência e 71 com alta incidência.

A dengue matou 19 pessoas em 2016. Os óbitos foram registrados em Campo Grande (3 mortes), Coxim (1), Dourados (3), Maracaju (1), Ponta Porã (8), Porto Murtinho (1), Tacuru (1) e Vicentina (1). Em 2016, foram confirmados 342 casos de zika e 22 de febre chikungunya.

As medidas de prevenções contra o mosquito são: descartar objetos não utilizados que estiverem expostos às chuvas e podem acumular (água, pneus, latas, garrafas, baldes); tampar os tonéis e depósitos de água; colocar terra/areia nos vasinhos de plantas ou lugares que acumulem água; e colocar o lixo em sacos plástico.

Dengue cresceu 28,07% em Mato Grosso do Sul. (Foto: Rodrigo Pazinato;Arquivo)Dengue cresceu 28,07% em Mato Grosso do Sul. (Foto: Rodrigo Pazinato;Arquivo)

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
13/11/2017 - 11h30
Lei: deputado Dr. Paulo Siufi cria “Agosto Verde” para prevenir depressão e outros males
08/11/2017 - 16h10
Sesau investiga morte de macaco, animal hospedeiro da febre amarela
31/10/2017 - 14h46
Cirurgia de Ruiter teve início na tarde desta terça-feira
31/10/2017 - 09h07
Com quadro clínico estável, prefeito de Corumbá já está sendo operado
 
Últimas notícias do site
15/12/2017 - 16h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 39 milhões neste sábado
15/12/2017 - 16h02
Veado e tatu são resgatados e devolvidos a natureza
15/12/2017 - 12h35
Comandante e Subcomandante da PMA de Corumbá são homenageados
15/12/2017 - 12h01
PMA autua proprietário rural por armazenamento ilegal de embalagens de agrotóxicos
15/12/2017 - 10h56
Fazendeiro é autuado por armazenamento ilegal de madeira
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.