zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Agronegócios - 03/01/2017 - 09h01

Tecnologia inovadora captura aromas no campo




Foto: Veronica Freire

Por Assessoria Embrapa / Redação Pantanal News

Pesquisadores da Embrapa conseguiram capturar o aroma das inflorescências do dendezeiro sem precisar levar amostras da planta para o laboratório. Eles desenvolveram um sistema que aspira os compostos voláteis liberados pela planta no meio ambiente e os mantêm estáveis em uma matriz adsorvente capaz de fixar as moléculas. Com o uso do método, é possível preservar os compostos como se apresentam na natureza por até uma semana, o que permite o transporte para o laboratório onde são realizadas as análises. O método convencional exige a retirada da inflorescência ou parte da planta que contém o composto e seu transporte para o laboratório em baixa temperatura.

Os pesquisadores coletaram compostos voláteis de dendezeiros no Município de Rio Preto da Eva (AM), utilizando a nova tecnologia, e os levaram para o Laboratório Multiusuário de Química de Produtos Naturais, na Embrapa Agroindústria Tropical em Fortaleza (CE) a 2,4 mil km de distância. "Jamais seria possível cortar as inflorescências e levá-las no gelo para o laboratório. Não teríamos o mesmo resultado depois de tanto tempo. As substâncias não seriam as mesmas liberadas pela planta viva, nas condições em que atraem polinizadores na natureza", explica o pesquisador da Embrapa Guilherme Zocolo que desenvolveu a metodologia de coleta.

O método não destrutivo adapta tecnologias para uso em condições não controladas, como fazendas e florestas. Abre também uma série de possibilidades de aplicações em pesquisa não só no monitoramento da produção de substâncias que atraem polinizadores para as plantas com fins agrícolas ou ecológicos, como também na análise de compostos que atraem ou repelem insetos-praga; no diagnóstico de doenças de plantas e animais bem como no controle de qualidade de matérias-primas/insumos vegetais e animais com base no perfil de voláteis. Outra vantagem é que o método não danifica a fonte dos compostos voláteis. No caso do dendezeiro, o corte das inflorescências favoreceria a contaminação por doenças e o ataque de pragas existentes na região.

O sistema funciona com o uso de uma pequena bomba de sucção acoplada a uma matriz adsorvente que preserva os compostos. A atmosfera a ser analisada é coberta com um saco plástico, no qual é introduzido o coletor acoplado à bomba de sucção. O conjunto de equipamentos é alimentado por uma pequena bateria, leve e fácil de transportar, que dá autonomia de trabalho por alguns dias. O sistema é de fácil manuseio. Nos testes, operários rurais foram treinados com facilidade para coletar amostras. Outra vantagem é o baixo custo do equipamento. "Aproveitamos utensílios já existentes no mercado e desenvolvemos um novo uso para eles", revela o pesquisador Guilherme Zocolo.

Os métodos tradicionais de captura de compostos voláteis envolvem equipamentos sofisticados e caros, o que inviabiliza o manuseio em ambientes adversos como fazendas e florestas. "Não seria possível levar um aparelho tradicional até a fazenda, posicioná-lo próximo a uma inflorescência no alto de uma palmeira de dez a 15 metros e esperar entre 15 minutos a meia hora até que o equipamento capturasse os compostos emitidos", revela Guilherme Zocolo, frisando que, durante o período de coleta, haveria um grande risco de contaminação da amostra.

O pesquisador da Embrapa Kirley Canuto, que também participa do projeto, lembra que os sistemas convencionais são utilizados com sucesso na grande maioria das situações como, por exemplo, para análise de compostos voláteis liberados por uma amostra de vinho, ou de uma flor que acabou de ser coletada no campo. Em alguns desses sistemas, é necessário que uma pequena amostra seja isolada em um recipiente para que se realize a captura dos compostos. Alternativamente, a planta inteira pode ser analisada, cultivando-a no laboratório, contudo isso exige uma estrutura física mais complexa. Normalmente, o processo de captura demora alguns minutos. O sistema desenvolvido na Embrapa conta com uma bomba de vácuo, que torna a coleta dos compostos eficiente, apesar da dificuldade de isolamento total da amostra e do grande volume do chamado headspace, espaço compreendido entre a planta e matriz adsorvente (material que capta e armazena as substâncias voláteis).

Estudos sobre polinização

Os pesquisadores estudarão os compostos orgânicos voláteis emitidos pelo dendezeiro, pelo caiaué (planta da Amazônia sem exploração comercial) e pelo BRS Manicoré, que é um híbrido das duas plantas desenvolvido pela Embrapa Amazônia Ocidental (AM). O experimento faz parte de uma pesquisa realizada pela Unidade da Embrapa no Amazonas para desvendar aspectos relacionados ao deficit de polinização do BRS Manicoré, em relação aos seus genitores – dendezeiro e caiaué.

O BRS Manicoré é resistente a uma anomalia conhecida como amarelecimento-fatal que vem dizimando plantações de dendê na região Norte do País. O cultivo desse híbrido possibilitou a continuidade da dendeicultura em áreas afetadas pela anomalia no Estado do Pará, maior produtor de óleo de dendê do Brasil; além de oferecer outras vantagens para o produtor, como o crescimento mais lento e uma melhor qualidade de óleo.

O problema é que o híbrido necessita de polinização assistida para expressar todo o seu potencial produtivo, o que eleva os custos e torna o sistema de produção mais complexo. Com o projeto, os pesquisadores querem descobrir alternativas para melhorar a polinização e aumentar a produtividade do BRS Manicoré.

O estudo, que tem à frente a pesquisadora da Embrapa Cristiane Krug,  envolve uma equipe de cientistas da Embrapa Amazônia Ocidental, Embrapa Amazônia Oriental (PA), Embrapa Agroindústria Tropical e da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
19/10/2017 - 10h41
Área semeada de soja em MS ultrapassa 814 mil hectares
19/10/2017 - 09h00
Hortaliças seguem mais baratas e frutas têm aumento de preço em setembro
17/10/2017 - 10h25
Conab assina oito novos contratos com agricultores familiares em MS
17/10/2017 - 10h24
Compostos extraídos da gravioleira têm potencial ação inseticida e antitumoral
11/10/2017 - 07h58
Produção de mudas, coleta de sementes e legislação ambiental são tema de curso em Aquidauana
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.