especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Agronegócios - 02/12/2016 - 12h17

Assim como este ano, agricultura em 2017 vai depender do clima em MS




Aprosoja/MS

O custo de produção do milho safrinha foi de R$ 33 por hectare, causando prejuízo real aos produtores de Mato Grosso do Sul.

Famasul

Projeções foram apresentadas nesta sexta-feira (2), pelo departamento econômico da Famasul.
Por Renata Volpe Haddad do Campo Grande News / Redação Pantanal News

As condições climáticas para a agricultura em 2017, podem ser um impasse na produtividade da soja em Mato Grosso do Sul. No início deste ano, com as chuvas intensas houve atraso na colheita do grão, afetando na demora do plantio do milho safrinha, semeado fora da época recomendada e acarretando na quebra de safra de 33,48%.

O plantio de soja no Estado já foi concluído e começa a preocupar, já que há regiões com o grão semeado que não chove há 30 dias. A afirmação é do presidente da Aprosoja/MS, Christiano Bortolotto. "Há produtores da região Sul do Estado que plantaram a soja e estão até 30 dias sem chuvas e tem alguns que estão com a produção normal, por isso não há como afirmar uma quebra de safra, porque ela não existe". 

A expectativa de produtividade na safra 2017 é de 7.087 milhões de toneladas em 2,5 milhões de hectares, apenas 2,4% de evolução de área. O VBP (Valor Bruto da Agricultura) deve ser de R$ 17,98 bilhões no próximo ano, crescimento de 5,65%.

Segundo Bortolotto, essa crescimento de área é o avanço em locais de pastagem de pouca produtividade. "Estamos trabalhando com um número menor, em safras anteriores o avanço chegava até 6%, mas porque a rentabilidade da soja este ano é uma incerteza, o preço caiu em relação a safra que colhemos, o número vendido antecipadamente é menor, houve uma quebra no milho safrinha e tudo isso faz com que o produtor diminua o avanço na área plantada. São fatores normais na agricultura e 2017 é um ano de consolidar as áreas e aumentar a rentabilidade".

Sobre a rentabilidade, o produtor do Estado conseguiu uma média boa, mas houve agricultores que tiveram problemas com o escoamento, manejo correto por causa das chuvas intensas. "Esses produtores tiveram dificuldade na rentabilidade, porém, em uma média geral, outros agricultores tiveram uma boa safra e conseguiu avançar".

O custo de produção para esta safra para produtores do Estado é 26% maior que na safra anterior, sendo R$ 3,098 mil por hectare. "São números prévios, colhidos em 938 propriedades que visitamos até o momento".

Milho - Com a quebra de safra no milho safrinha de 33,48% em 2016 em Mato Grosso do Sul, o departamento econômico da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS) projeta crescimento em 2017, de 11,65%.

De acordo com a gestora de economia da Famasul, Adriana Mascarenhas, a projeção positiva é na expectativa da recuperação das áreas de produção. "Tivemos uma quebra muito grande e esperamos recuperar isso em 2017. Os preços do milho devem continuar estáveis, não tem projeção nem de aumento nem de queda".

Bortolotto explica que os produtores tiveram prejuízos com o milho safrinha em 2016. "O custo por saca de milho foi de R$ 33 e o preço da saca de 60kg ficou nessa média. O milho é incerteza, após anos de crescimento significativo, o agricultor aumentou a área plantada, e esse ano na média o produtor pagou para trabalhar e teve prejuízo real nos custos de produção".

Para o presidente da Famasul, Maurício Saito, este ano ainda rendeu bons resultados na agropecuária devido ao trabalho científico e da adoção das tecnologias do produtor rural. "Tivemos uma condição climática que não foi favorável principalmente ao milho safrinha e passamos este ano com o VBP similar ao de 2015. Para 2017, esperamos que se mantenha o valor já que esperamos que as condições climáticas sejam favoráveis".

 

Em relação a cana-de-açúcar, a projeção é de crescimento de 15,62% devido a valorização do açúcar no mercado externo.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/02/2018 - 10h50
Chuva desde madrugada alaga casas e interdita rodovia de acesso ao Pantanal de MS
23/01/2018 - 13h23
Brasil entra na corrida para desenvolver mandioca com amido ceroso
23/01/2018 - 10h20
Unidades de conservação podem ser administradas por parcerias público-privadas
16/01/2018 - 10h30
Ipê-roxo é primeira árvore do Cerrado a ter genoma sequenciado
16/01/2018 - 08h40
Rebanho de MS cresceu para 21.8 milhões de cabeças de gado em 2017, diz Iagro
 
Últimas notícias do site
22/02/2018 - 14h02
Marinha divulga edital do concurso para Fuzileiro Naval
22/02/2018 - 10h15
De cão a periquito: animais salvos da cheia dão cara de lar a abrigo
22/02/2018 - 08h50
Prefeitura de Aquidauana arrecada doações para ajudar atingidos por cheia
22/02/2018 - 08h27
Sem chuva, rio baixa 3 metros e tráfego começa a ser liberado em pontes
22/02/2018 - 06h51
Reinaldo se reúne com prefeitos de cidades afetadas por chuvas e cheias
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.