zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Cultura - 26/11/2016 - 08h00

Na fronteira, parques contam história da guerra do Paraguai, do começo ao fim




Por Paula Maciulevicius do Campo Grande News / Redação Pantanal News

Parque Cerro Corá, em painéis a história da guerra na versão paraguaia. (Foto: Reprodução Facebook)Parque Cerro Corá, em painéis a história da guerra na versão paraguaia. (Foto: Reprodução Facebook)

Não chegam a ser duas versões, mas cá e lá a história da Guerra do Paraguai é contada sob a ótica dos respectivos heróis. Considerado o mais longo e violento confronto da América Latina, a guerra durou seis anos e devastou o país vizinho. Na fronteira, parques contam, usando como cenário o início e o fim da guerra, de Antônio João a Pedro Juan Caballero.

 

Esta é a última reportagem da viagem que o Lado B fez à fronteira, a convite da Fecomércio, que discutiu em um seminário estratégias para fomentar o turismo além das compras. Trabalhar o segmento pela ótica da guerra pode ser sim uma saída perante à alta do dólar. Ainda que falte estrutura, sobra história.

O início do tour é em Antônio João, na visita ao Parque Histórico Colônia Militar dos Dourados, a 60 quilômetros da fronteira. A área conta com museu e um acervo de materiais com objetos da guerra, armamentos, réplicas de uniformes, cartas e documentos que informavam os detalhes do confronto e ainda a ossada de Antônio João.

 
Caminhada de 1km no Cerro Corá conta a rendição e a morte de Solano. Caminhada de 1km no Cerro Corá conta a rendição e a morte de Solano.
 
Monumento representa túmulo de Solano López. Monumento representa túmulo de Solano López.
 
Monumento marca local onde ditador paraguaio foi morto.Monumento marca local onde ditador paraguaio foi morto.

O nome “Dourados” vem da nascente do rio, que passa ao fundo do parque. “Aqui foi o começo da guerra, onde aconteceu a primeira batalha que deu início à Tríplice Aliança”, explica o guia, soldado Casanova.

Quando Francisco Solano López, ditador paraguaio invadiu o Estado, ainda considerado sul de Mato Grosso, em 1864, as tropas entraram por Bela Vista e chegaram até a colônia que vivia sob comando de Antônio João, com cerca de 200 homens.

“Ele soube disso dois dias antes e avisou aos moradores para que abandonassem a colônia e mandou uma carta dizendo que ele ficaria aqui não com o objetivo de ganhar, mas para retardar o avanço dos paraguaios e assim pudessem dar uma chance dos colonos chegarem até Miranda”, conta Casanova.

Às tropas paraguaias, Antônio João disse que não se renderia e na primeira rajada, morreu. No local, área externa de onde hoje é a casa que abriga o museu, uma estátua dá rosto ao herói, ainda grifada com sua célebre frase: “Sei que morro, mas o meu sangue e de meus companheiros servirá de protesto solene contra a invasão do solo de minha pátria”.

 
Memorial abriga bustos, nomes e homenagens aos militares paraguaios. Memorial abriga bustos, nomes e homenagens aos militares paraguaios.
 
Árvore histórica onde foram enterrados os corpos de Solano e o filho Pancito. Árvore histórica onde foram enterrados os corpos de Solano e o filho Pancito.
 
No lado brasileiro, busto de Antônio João. (Foto: Reprodução Facebook)No lado brasileiro, busto de Antônio João. (Foto: Reprodução Facebook)

A colônia foi destruída e os militares paraguaios avançaram dando início à Tríplice Aliança, entre Brasil, Argentina e Uruguai. O Parque fica na BR-101 e abre de terça a domingo, das 8h às 17h, de graça.

Do outro lado da fronteira, a história é reunida onde terminou a guerra, no Parque Ecológico Cerro Corá, reserva natural de 5,5 mil hectares, a 35 quilômetros do Centro de Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

“Aqui é muito rico historicamente, por ser onde terminou a Guerra da Tríplice Aliança e onde morreu mariscal heroicamente”, explica a guia paraguaia, Sara Ricardi. Rico em fauna e flora, o parque tem museu, onde painéis contam toda trajetória dos longos anos de guerra – 1864 a 1870 - que terminaram deixando o Paraguai devastado.

“Solano López era o nosso general que comandava o Exército. Eles chegaram aqui nas últimas instâncias, em março de 1870, com poucos soldados, porque Brasil, Argentina e Uruguai se aliaram contra o Paraguai. Quando foram atacados pelas tropas inimigas, o mariscal falou: “morro por minha pátria”, contextualiza a guia.

Considerado herói importante no País, a história do lado paraguaio é passada com muito mais emoção. O tour inclui uma caminhada de 1 km por uma estrada de guaviras, até chegar ao ponto onde foi pedida e negada a rendição de Solano López, sua morte e onde a esposa Elisa Alice Lynch enterrou os corpos do marido e do filho, também general na guerra.

“Ele foi morto neste pequeno riacho. Dizem, mas é mentira, que o fizeram engolir a bandeira. Mas não, colocaram no estômago para estancar o sangue. Pancito, o filho de mariscal foi morto na frente da mãe. Às tropas ele disse: “o general paraguaio não se rende”, conta Sara.

Os corpos foram levados em uma carroça e enterrados, pelas próprias mãos de “madame Lynch”, como era chamada a esposa de Solano López. Hoje o local é marcado pela “árvore histórica”.

Além dos monumentos que marcam onde cada cena ocorreu, um memorial dá nome e rosto aos principais guerrilheiros paraguaios. No local, todo primeiro dia de março tem festa. O parque Cerro Corá funciona todos os dias das 8h às 17h, de graça.

 
Colônia de Dourados funciona como museu e lazer com a história da guerra pelos brasileiros. (Foto: Reprodução Facebook)Colônia de Dourados funciona como museu e lazer com a história da guerra pelos brasileiros. (Foto: Reprodução Facebook)
 
Frase célebre de Antônio João antes da morte. (Foto: Reprodução Facebook)Frase célebre de Antônio João antes da morte. (Foto: Reprodução Facebook)
 
 Museu conta com acervo de documentos e armamentos. (Foto: Reprodução Facebook)Museu conta com acervo de documentos e armamentos. (Foto: Reprodução Facebook)

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
17/11/2017 - 10h18
Fim de semana tem Chitãozinho & Xororó, Bruno & Marrone, MC Kevinho e Nando Viana em MS
10/11/2017 - 13h08
AGENDONA: Fim de semana tem atração internacional, rap, reggae e até grito de carnaval
09/11/2017 - 12h45
Com relíquias no acervo, Arquivo Público guarda detalhes valiosos de MS
03/11/2017 - 09h27
AGENDONA: Fim de semana tem youtubers famosos, Guilherme Rondon e muito mais
03/11/2017 - 07h37
Em clima de quintal, encontros têm samba de gafieira com energia super carioca
 
Últimas notícias do site
17/11/2017 - 10h18
Fim de semana tem Chitãozinho & Xororó, Bruno & Marrone, MC Kevinho e Nando Viana em MS
17/11/2017 - 07h53
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
17/11/2017 - 07h44
Proprietários rurais são autuados por manterem carvoarias ilegais
17/11/2017 - 06h14
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
16/11/2017 - 16h40
6º Distrito Naval terá cerimônia alusiva ao Dia da Bandeira
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.