zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Cultura - 14/11/2016 - 08h05

A identidade sul-americana é celebrada no quebra- torto com letras do Fasp




Fotos: Daniel Reino










Por Assessoria / Redação Pantanal News

Corumbá (MS) – A Camerata do Moinho Cultural, sob a regência de Emanuel Teixeira, recepcionou os escritores no Quebra Torto com Letras do 13º Festival América do Sul Pantanal, na manhã de sábado (12). Com o ambiente aconchegante, que o clima ameno proporcionou,os participantes do evento puderam mergulhar na identidade sul-americana essencialmente influenciada pela cultura dos povos originários indígenas.

 

A resistência cultural deu o tom das experiências literárias narradas pelo jornalista Rodrigo Teixeira que apresentou o livro “Prata da Casa: um Marco da Música Sul-Mato–Grossensse, pela da jornalista e compositora argentina Charo Bogarín que discorreu sobre a obra “Cancionero Tonolec – La Celebración” (2005-2015), que realizou em parceria com o produtor musical Diego Pérez, e pelo poeta brasileiro Douglas Diegues que falou sobre os sonetos escritos em portunhol selvagem.

Segundo Bogarín, seu trabalho serve como um manifesto da sua cultura que conscientiza que todos representam as diversas raças, etnias e costumes. “É importante deixar plasmado nossos papéis enquanto artistas e contribuir para a construção de um novo homem latino americano uma vez que as fronteiras não nos separam. Compartilhamos com o Brasil, Paraguai e os outros países o que estamos refletindo sobre isso. É preciso que as crianças escutem as línguas originárias, as canções porque elas estão muito acostumadas a cantar em espanhol e inglês, línguas muito distantes do que somos. Nós artistas temos que mudar essa situação, defendeu. Estamos renascendo como latinos americanos”, defendeu.

Para o Rodrigo Teixeira, o projeto “Prata da Casa” estava à frente do seu tempo uma vez que, por meio dele, originaram os primeiros vídeos clips com os artistas revelados em 1970, como Almir Sater, Tetê Espíndola, Geraldo Espíndola, Guilherme Rondon, entre outros. A iniciativa, pensada pelo cineasta Cândido Alberto da Fonseca, o músico Moacir Lacerda e a professora Maria da Glória de Sá Rosa produziu os primeiros shows coletivos em 1979 com diversas gerações dos artistas do Estado. “Por meio destes shows é que foi possível gravar o 1º LP ao vivo dos artistas daqui e naquela época era muito difícil gravar discos. Além disso, as músicas gravadas traziam a fusão da língua portuguesa e do guarani. Este projeto foi fundamental para as próximas gerações de músicos ”, explicou.

O poeta Douglas Diegues falou sobre a necessidade de encontrar a própria voz na literatura buscando as referências sul-americanas, especialmente aquelas advindas dos povos indígenas. “Manoel de Barros me disse que eu havia encontrado minha própria linguagem com meu portunhol selvagem. Aí eu descobri que não existem línguas superiores e inferiores. Todas têm seu poder vital. E as mesclas já estão presentes nas pessoas simples do Pantanal, de Campo Grande e do Brasil. Temos expressões estéticas da mais alta voltagem nas línguas indígenas. Na Europa os indígenas são considerados como artistas da vanguarda primitiva”, finalizou.

 

 

Diegues apresentou ainda seus livros cartoneiros, produzidos com capa de papelão reciclado, admirados e reconhecidos no exterior. “Hoje a gente não precisa de editoras para editar livros. Podemos aproveitar papelões e personalizar a nossa obra”, finalizou.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
17/11/2017 - 10h18
Fim de semana tem sertanejo, funk, comédia e teatro
10/11/2017 - 13h08
AGENDONA: Fim de semana tem atração internacional, rap, reggae e até grito de carnaval
09/11/2017 - 12h45
Com relíquias no acervo, Arquivo Público guarda detalhes valiosos de MS
03/11/2017 - 09h27
AGENDONA: Fim de semana tem youtubers famosos, Guilherme Rondon e muito mais
03/11/2017 - 07h37
Em clima de quintal, encontros têm samba de gafieira com energia super carioca
 
Últimas notícias do site
21/11/2017 - 06h32
Dia amanhece com céu aberto, mas previsão alerta para chuva forte em MS
21/11/2017 - 05h50
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
20/11/2017 - 15h50
Conab divulga preços de frutas e hortaliças no mês de outubro nos Ceasas
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
20/11/2017 - 11h53
Ocupantes de submarino argentino estão vivos, acredita Marinha
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.