TRANSPARENCIA GOV DEZ
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 04/10/2016 - 09h17

Campo Grande tem índice de câncer de mama 50% maior do que o nacional




Divulgação

Mulheres da Rede Feminina de Combate ao Câncer em caminhada pelo centro no último sábado (01).
Por Chloé Pinheiro do Campo Grande News / Redação Pantanal News

No último sábado (01), quem estava no Centro de Campo Grande pôde ver um grupo cor-de-rosa caminhando pelas ruas da cidade. A ação, organizada pela Rede Feminina de Combate ao câncer, marcou o início dos trabalhos do Outubro Rosa, iniciativa mundial que conscientiza a população sobre a importância de fazer exames e descobrir logo cedo o problema.

Na capital, essa conscientização é mais do que bem-vinda: é urgente. Cerca de 85 mulheres a cada 100 mil terão câncer de mama em Campo Grande. A taxa, bem superior à média nacional, que é de 56,2, é a terceira maior entre as capitais, perdendo apenas para Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Segundo os especialistas, a diferença é justificada por conta do acesso ao tratamento. “Como Campo Grande é uma referência, muitas pessoas de outros municípios mudam para cá quando descobrem a doença, e isso ajuda a aumentar a estatística”, conta Jefferson Baggio, diretor clínico do Hospital do Câncer Alfredo Abrão, que é referência no estado para o tratamento da doença.

Isso não quer dizer, entretanto, que as campo-grandenses estão livres do perigo. “A incidência aumentou aqui, assim como no mundo todo, especialmente por conta do estilo de vida, que influencia no desenvolvimento”, continua o oncologista.

“Diferente do que se pensa, só 10% dos casos é de origem genética, o resto é comportamental”, alerta Baggio. Entre os fatores de risco, estão o excesso de peso, o uso de contraceptivos orais e terapias de reposição hormonal.

Isso porque esses fatores mudam o nível de hormônios pelo corpo, e a maioria dos tumores de mama são hormônio-dependentes, ou seja, precisam de hormônios para se desenvolver. Logo, qualquer desequilíbrio que aumente as taxas dessas substâncias pode ser um gatilho para que o nódulo surja.

Como se trata de uma doença silenciosa, a dificuldade maior é flagrá-la logo no início. “Se ele é descoberto logo no início, o índice de cura chega a 90%”, completa. “Praticamente não existem sintomas no começo da doença, por isso insistimos que prevenir é a melhor maneira de fazer o diagnóstico precoce”, orienta o médico.

“Nos últimos cinco anos, melhoramos o diagnóstico precoce, mas ainda não é o ideal. Queremos chegar nos índices americanos e europeus”, almeja o médico.

Por isso mesmo, a campanha encabeçada pelo Hospital e pela Rede Feminina de Combate ao Câncer foca na prevenção. “A mulher deve a partir dos 30 fazer exame clínico com o médico todos os anos e mamografias a partir dos 50”, explica Baggio.

Durante o mês de outubro, a Rede fará 40 palestras em empresas para conscientizar funcionários e a Prefeitura, por sua vez, focará esforços nas Unidades Básicas de Saúde da capital, com rodas de conversa, ampliação do horário de realização de exames e atividades físicas direcionadas.

Vivendo para contar - É importante também conscientizar os próprios profissionais desaúde sobre a maneira de lidar com esse tipo de câncer. A professora Grassieli Ramalho Giraldelli, de 34 anos, demorou seis meses para descobrir que carregava em seu seio um tumor maligno.

“Por culpa de erros médicos, achei primeiro que fosse leite empedrado, já que amamentava meu primeiro filho quando notei os nódulos, então demorei para descobrir, já estava no grau 2”, conta Grassieli, que na época, morava em Três Lagoas e veio à Capital para fazer o tratamento.

Depois do diagnóstico, ela teve que ser operada para retirada do seio e fez sessões de quimioterapia, tudo isso grávida de seu segundo filho, João Vicente, de dois anos. Quando o bebê nasceu, chegou a hora da radioterapia, que durou por 25 sessões. Hoje, ela comemora com sabedoria a luta que venceu.

“Procuro levar uma vida equilibrada, meu próprio médico diz: vai viver, porque se me policio muito ficarei estressada e o próprio stress leva ao câncer”, conta. E o pequeno companheiro também vai muito bem, obrigada.

“Ele é uma criança muito saudável, inteligente, fala tudo”, se orgulha a mãe do pequeno, que fez companhia a ela ainda na barriga durante o tratamento. No segundo ano sem a doença, Grassieli agora faz consultas periódicas de seis em seis meses. “Não fico triste pelo que passou, olho pro meu filho e me sinto grata por ter tido uma segunda chance de viver”, completa.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
13/11/2017 - 11h30
Lei: deputado Dr. Paulo Siufi cria “Agosto Verde” para prevenir depressão e outros males
08/11/2017 - 16h10
Sesau investiga morte de macaco, animal hospedeiro da febre amarela
31/10/2017 - 14h46
Cirurgia de Ruiter teve início na tarde desta terça-feira
31/10/2017 - 09h07
Com quadro clínico estável, prefeito de Corumbá já está sendo operado
 
Últimas notícias do site
14/12/2017 - 06h35
Após trégua, 5ª-feira terá pancadas de chuva em várias cidades de MS
13/12/2017 - 08h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
13/12/2017 - 07h58
Azambuja se reúne com empresa e dá posse ao novo secretário de Saúde
13/12/2017 - 06h54
'Dog itinerante': Este cachorrinho já visitou mais cidades que muita gente
13/12/2017 - 06h38
Dia amanhece com sol entre nuvens, mas previsão é de temperatura alta
 

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.