zap

   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Religião - 29/07/2016 - 10h21

Papa Francisco visita campo de extermínio de Auschwitz

Ele conhecerá celas subterrâneas onde presos morriam de fome e sede. Mais de 1 milhão foram mortos no complexo nazista na 2ª Guerra.




Por G1 SP / Redação Pantanal News

Papa Francisco atravessa o portão do campo de concentração nazista de Auschwitz, onde está inscrito ‘Arbeit macht frei’ (O trabalho liberta) (Foto: Kacper Pempel / Reuters)Papa Francisco atravessa o portão do campo de concentração nazista de Auschwitz, onde está inscrito ‘Arbeit macht frei’ (O trabalho liberta) (Foto: Kacper Pempel / Reuters)

O Papa Francisco visitou nesta sexta-feira (29) o campo de concentração nazista de Auschwitz, no sul da Polônia. Ele atravessou a entrada sob a inscrição em ferro forjado "Arbeit macht frei" (O trabalho liberta) para começar seu percurso silencioso pelo lugar onde foram exterminadas mais de um milhão de pessoas. Veja fotos na galeria.

Logo após sua chegada, às 9h19 hora local (4h17 em Brasília), ele foi levado em um pequeno carro elétrico ao bloco 11 para visitar as celas subterrâneas onde ficavam os prisioneiros para que morressem de fome e sede.

O pontífice rezou no pátio onde eram chamados os condenados à morte e onde o sacerdote polonês Maximiliano Kolbe se ofereceu para morrer em troca de um pai de família.

O Papa também visitou cela onde Kolbe - beatificado por Paulo VI em 1971 e canonizado por João Paulo II em 1982 - onde terá um momento de recolhimento. Nesta sexta, celebra-se o 75º aniversário do gesto do sacerdote polonês.

Ele não fez declarações, mas deixou uma mensagem no livro de visitas: “Senhor, tem piedade de seu povo, senhor, perdão por tanta crueldade”, segundo o periódico francês Le Figaro.

Papa Francisco reza diante da parede da morte, usada na execução de presos (Foto: David W Cerny / Reuters)Papa Francisco reza diante da parede da morte, usada na execução de presos (Foto: David W Cerny / Reuters)

Em frente ao muro da morte, onde os presos eram executados, Francisco acendeu uma lâmpada a óleo para homenagear as vítimas e que ficará como um presente de Francisco ao complexo.

Além de sobreviventes de Auschwitz, o Papa também cumprimentou cristãos poloneses que arriscaram suas vidas durante a guerra para ajudar a esconder e proteger judeus.

O papa passou diante das lápides de mármore com inscrições nos 23 idiomas dos prisioneiros e colocou uma vela acesa.

O Papa Francisco reza em uma cela do campo de extermínio nazista de Auschwitz, com a frase 'Arbeit Macht Frei' ('O trabalho liberta', em alemão), em Oswiecim, na Polônia, como parte da programação da Jornada Mundial da Juventude (Foto: Reuters/Osservatore Romano)O Papa Francisco reza em uma cela do campo de extermínio nazista de Auschwitz, com a frase 'Arbeit Macht Frei' ('O trabalho liberta', em alemão), em Oswiecim, na Polônia, como parte da programação da Jornada Mundial da Juventude (Foto: Reuters/Osservatore Romano)

 

O Papa Francisco caminha em direção à entrada do campo de extermínio nazista de Auschwitz, com a frase 'Arbeit Macht Frei' ('O trabalho liberta', em alemão), em Oswiecim, na Polônia, como parte da programação da Jornada Mundial da Juventude (Foto: Filippo Monteforte/AFP)O Papa Francisco caminha em direção à entrada do campo de extermínio nazista de Auschwitz, com a frase 'Arbeit Macht Frei' ('O trabalho liberta', em alemão), em Oswiecim, na Polônia, como parte da programação da Jornada Mundial da Juventude (Foto: Filippo Monteforte/AFP)

 

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
07/08/2017 - 08h56
Catedral de Nossa Senhora da Candelária é tombada pelo Conselho de Cultura
03/08/2017 - 11h45
Igreja da novena mais famosa da cidade completa 76 anos com festa
14/06/2017 - 12h30
Celebração de Corpus Christi deve reunir 20 mil fiéis amanhã na Capital
13/06/2017 - 14h35
Em MS, oração e fila para bolo com alianças no dia do santo casamenteiro
06/06/2017 - 13h23
Presidente da Assembleia recebe a bandeira do Divino no gabinete
 
Últimas notícias do site
20/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
20/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
20/09/2017 - 08h14
Moinho Cultural entra em campanha internacional para manter projeto social
20/09/2017 - 07h51
Governo divulga gabarito preliminar das provas para escrivão e investigador
20/09/2017 - 07h50
PMA interdita pousada, identifica e autua turista e dono da pousada onde foi gravado vídeo com manipulação de sucuri
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.