zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Agronegócios - 26/07/2016 - 15h41

Embrapa orienta produtores a evitarem cultivo da cana-de-açúcar no inverno




Divulgação

Formação de geada sobre a soqueira da cana com 60 dias após o 2º corte.
Por Fernanda Yafusso do Campo Grande News / Redação Pantanal News

Pesquisadores da Embrapa Agropecuária Oeste afirmam, em um estudo realizado, que o plantio da cana-de-açúcar no inverno deve ser evitado na região sul de Mato Grosso do Sul. O motivo é que os meses de junho, julho e agosto configuram um período de alto risco climático.

Portanto, a recomendação é seguir o zoneamento de risco climático para a cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul, que vai de outubro a abril.

 

Para esse trabalho, foram avaliadas seis datas de plantio, dos dias 21 dos meses de março, abril, maio, junho, julho e agosto. Os dados foram comparados com informações meteorológicas da Embrapa Agropecuária Oeste, coletados em Dourados, de 1980 a 2014.

Os pesquisadores estudaram o desenvolvimento do plantio da cana-de-açúcar no inverno, levando em consideração água disponível no solo no plantio, deficiência hídrica, temperaturas do solo e do ar favoráveis e risco de geada.

O resultado da pesquisa foi divulgado no Comunicado Técnico 209, e desenvolvido em parceria pelos pesquisadores Carlos Ricardo Fietz, Cesar José da Silva, Éder Comunello e Danilton Luiz Flumignan.

Entre as estratégias que podem refletir em maior produtividade, competitividade e sustentabilidade do setor, estão o planejamento de longo prazo, a adequação da infraestrutura própria ou terceirização de parte dos plantios e serviços e a maximização dos recursos disponíveis. De acordo com os pesquisadores essas formas aceleram a expansão das áreas agrícolas nas unidades de produção em plantios nas épocas mais adequadas.

Por que não cana inverno? - De acordo com o pesquisadores, o plantio da cana inverno no sul de Mato Grosso do Sul pode promover redução significativa da produtividade dos canaviais, porque aproximadamente metade dos dias de junho, julho e agosto necessários para a brotação e emergência da cana e, praticamente, 50% do subperíodo de crescimento máximo da cana, vão ocorrer com deficiência hídrica da cultura.

Nos plantios de cana-de-açúcar em julho e agosto, os valores médios de água disponível no solo são menores do que quando realizados em março, abril e maio. Esses menores níveis de umidade no plantio podem ser atribuídos a julho e agosto serem os meses do ano com os menores índices pluviométricos, característica do inverno com pouca chuva, que define o clima da região sul de Mato Grosso do Sul.

 
O clima com temperaturas mais altas ajuda os canaviais. (Foto Unica)O clima com temperaturas mais altas ajuda os canaviais. (Foto Unica)

Além disso, parte considerável do subperíodo de crescimento máximo da planta ocorre em condições de temperatura do ar desfavoráveis durantes os meses de julho e agosto. Destaca-se ainda o alto risco de geadas no subperíodo de crescimento máximo dos canaviais plantados no mês de agosto.

Em maio, plantios de cana-de-açúcar são bastante restritivos devido a temperatura do solo que é inferior a 22º C em mais da metade dos dias do subperíodo de brotação e emergência (o limite mínimo ideal de temperatura do solo para o bom desenvolvimento da planta é 22º C).

Geada - Em 2015 os produtores rurais de Mato Grosso do Sul comemoraram o inverno tênue porque não havia previsão de geadas para o Estado. O fenômeno característico dos meses mais frios do ano causou prejuízo que chegou a R$ 1 bilhão, em quatro anos, segundo dados da Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul).

De acordo com o presidente da Biosul, Roberto Hollanda, há quatro anos as plantações de cana sofrem com as geadas. "Podemos dizer que o setor no Estado perdeu aproximadamente R$ 1 bilhão e em 2013 foi a época que mais sofreu perdas", explica.

Conforme Hollanda, as geadas prejudicam de duas formas a cana-de-açúcar. "Primeiro perde-se em peso e em segundo em qualidade de matéria-prima, pois a cana luta para sobreviver e perde energia que é a sacarose", afirma.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
19/10/2017 - 10h41
Área semeada de soja em MS ultrapassa 814 mil hectares
19/10/2017 - 09h00
Hortaliças seguem mais baratas e frutas têm aumento de preço em setembro
17/10/2017 - 10h25
Conab assina oito novos contratos com agricultores familiares em MS
17/10/2017 - 10h24
Compostos extraídos da gravioleira têm potencial ação inseticida e antitumoral
11/10/2017 - 07h58
Produção de mudas, coleta de sementes e legislação ambiental são tema de curso em Aquidauana
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.