CARNAVAL CORUMBÁ 2018
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Agronegócios - 05/07/2016 - 14h45

Leite ostentação: preço sobe 40% e produto no saquinho vira opção

Preço do litro está perto de R$ 5,00 na Capital




Por Catarine Sturza do Midiamax / Redação Pantanal News

Quem foi ao supermercado nos últimos dias garantir o do café da manhã já sentiu no bolso o aumento do preço do leite. O produto está custando quase R$ 5,00 em Campo Grande, um aumento de cerca de 45% em um ano. A alternativa tem sido voltar a comprar o leite 'de saquinho', que sai por cerca de R$ 3,00.

"O leite está como o feijão, ostentação. Lá em casa já até tivemos que diminuir o consumo porque pagar quase cinco reais no litro, não dá", diz a estudante Joseane de Oliveira, 28. A cabeleireira Maria Eliza de Sousa, de 61 anos, também sentiu a alta. "Um absurdo o preço do leite essa semana. Estamos tomando mais chá lá em casa, que está mais barato e assim gastamos menos", afirma.

As consumidoras têm razão. O leite longa vida desnatado foi comercializado em junho por uma média de R$ 4,14 em Campo Grande, o que representou uma alavancada de 44,8% em comparação a mesmo mês de 2015, segundo o Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais) da Universidade Anhanguera Uniderp. O integral saiu por uma média de R$ 4,14, um aumento de 44,8% em relação ao ano anterior, de R$ 2,86.

Leite de saquinho é a opção (LA)

A saída para muitos consumidores têm sido o leite de saco. "O de saquinho é mais em conta. Quem tem criança em casa não tem alternativa, precisa comprar de qualquer jeito", diz a copeira Lucelia Santos Amorim, 35.

Em um supermercado na região do Tiradentes o leite de saco está sendo vendido a R$ 2,99, enquanto o de caixinha custa R$ 3,99. A procura pelo leite de saquinho tem sido grande, segundo funcionários.

"A gente busca alternativa. Está muito complicado ir no supermercado comprar hoje em dia. Está tudo muito caro", cita a dona de casa Eugênia Antônio, 50 anos.

E a explicação?

A estiagem e baixas temperaturas acarretam na entressafra do leite. A baixa produção no campo e os altos custos com a produção também são os culpados da alta no produto. 

“A produção de leite caiu nos últimos meses devido ao clima, e a entressafra, períodos de baixa produção. Essa diminuição da produção é a nível nacional. Por isso, temos uma tendência de maiores preços”, afirma a presidente do Silems (Sindicato das Indústrias de Laticínios de Mato Grosso do Sul), Milene Nantes.

No dia 1º de junho, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) anunciou que fará um levantamento para diminuir os tributos durante a seca, época mais difícil do ano para os produtores. “Pensando no período da seca que ocorre a escassez do leite, o governo estuda oferecer um diferencial do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), desta forma o produtor poderá investir na melhora da pastagem e do rebanho para suportar o aumento de produção na época da estiagem”, anunciou.

Ainda de acordo com o governador, a redução do recolhimento da alíquota para a saída do leite também será avaliada. “Vamos pensar nesta reivindicação com carinho, pois queremos fortalecer a indústria local. Precisamos encontrar um equilíbrio para atender toda a cadeia produtiva. Com a melhoria da qualidade genética do rebanho e das pastagens, além da diminuição do ICMS para potencializar as indústrias e oferecer um maior ganho ao produtor, o setor crescerá no Estado”, disse.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
16/01/2018 - 10h30
Ipê-roxo é primeira árvore do Cerrado a ter genoma sequenciado
16/01/2018 - 08h40
Rebanho de MS cresceu para 21.8 milhões de cabeças de gado em 2017, diz Iagro
15/01/2018 - 15h28
Inmet emite alerta de perigo potencial em algumas cidades de MS
15/01/2018 - 07h41
Confira as manchetes desta segunda-feira dos principais jornais do país
12/01/2018 - 08h35
Projeção de aumento no consumo de soja deixa produtores otimistas
 
Últimas notícias do site
18/01/2018 - 10h35
Carnaval de Corumbá: inscrições para concurso de fantasias seguem até 31 de janeiro
18/01/2018 - 09h13
Após Exército, Marinha também entra na luta contra o Aedes aegypti em Corumbá
18/01/2018 - 08h35
PMA prender caçador com armas e munições
18/01/2018 - 08h05
CCZ faz no domingo ação para adoção de gatos e cães resgatados na Capital
18/01/2018 - 07h52
PMA captura tamanduá-mirim em rua de bairro da Capital
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.