zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Política - 21/06/2016 - 06h20

Reinaldo diz que acordo traz alívio e pode acabar com déficit em 2016




Arquivo/Fernando Antunes

Governador foi à Brasília (DF) para se reunir com Meirelles e Temer nesta segunda-feira.
Por Nyelder Rodrigues do Campo Grande News / Redação Pantanal News

O acordo fechado nesta segunda-feira (20) entre governadores e o Governo Federal sobre a renegociação da dívida dos estados com a União agradou o chefe do Executivo sul-mato-grossense, Reinaldo Azambuja (PSDB), já que trará alívio financeiro para as contas públicas e pode fazer com que o 2016 seja fechado sem déficit em Mato Grosso do Sul.

"Mato Grosso do Sul paga R$ 108 milhões por mês, então nós teríamos quase R$ 660 milhões até o fim do ano. Isso praticamente possibilita você terminar o ano de 2016 sem déficit, equilibrando receitas e despesas", comenta o governador, em texto da assessoria de comunicação do Governo do Estado.

 

Ainda de acordo com Reinaldo, o acordo dá fôlego para todos os 26 estados e o Distrito Federal, que terão condições de manterem as contas em dia - um dos casos que mais chamam a atenção do país atual é do Rio de Janeiro que, prestes a sediar os Jogos Olímpicos, decretou situação de calamidade.

"Será um alívio para as economias de todos os Estados e também para Mato Grosso do Sul, embora nossa condição seja bem mais favorável do que outras unidades da federação. São recursos fundamentais para investimentos e até mesmo para o custeio das contas públicas", frisa o governador.

Durante o encontro com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e depois com o presidente em exercício Michel Temer (PMDB), também participou o secretário da Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda), Márcio Monteiro.

Atualmente, o pagamento da dívida com a União consome 15% da receita líquida do Estado, valor que segundo o Governo do Estado poderia ser usado para construir mais de 20 mil casas populares ou 6 novos hospitais com capacidade individual de 200 leitos.

 
Presidente interino Michel Temer reúne-se com governadores no Palácio do Planalto (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)Presidente interino Michel Temer reúne-se com governadores no Palácio do Planalto (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Acordo - No acordo de hoje, todos os estados ganharam carência de pagamento do débito de seis meses. O pagamento escalonado começa em janeiro de 2017, com repasse de 5,5% do valor da dívida, percentual que vai subindo até que os estados atinjam novamente o pagamento da parcela cheia, em julho de 2018.

Desse modo, Mato Grosso do Sul que pagava uma dívida de aproximadamente R$ 108 milhões mensais, inicia pagando em janeiro de 2017 pouco mais de R$ 5 milhões até voltar ao valor integral depois de 18 meses.

A renegociação das dívidas também alonga em 20 anos os pagamentos dos débitos com a União. Os descontos dados nesses primeiros 24 meses serão cobrados ao final desse período de carência.

As dívidas com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) serão alongadas em mais 10 anos, com 4 anos de carência. Neste caso, ficaram de fora as dívidas contraídas pelo Estados relativas à Copa do Mundo, realizada em 2014.

Contrapartidas foram exigidas para que fosse realizado o acordo. Uma delas é o ajuste nas contas públicas estaduais, que terão que implantar tetos. Além disso, os treze estados, incluindo Mato Grosso do Sul, que detém liminares no STF (Supremo Tribunal Federal) que suspendem o pagamento, deverão retirar as ações e pagar esse resíduo em 24 meses.

Apesar da carência maior, o impacto fiscal para o Governo Federal da proposta que foi aceita é semelhante a de propostas feitas anteriormente, aproximadamente R$ 28 bilhões.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
18/10/2017 - 06h17
Deputado Dr. Paulo Siufi homenageia personalidades com Título de Cidadão Sul-mato-grossense
17/10/2017 - 16h02
Aprovado projeto que incentiva entidades filantrópicas
17/10/2017 - 15h58
Membro atuante da CPI, Dr. Paulo Siufi apoia reivindicação de trabalhadores da JBS
17/10/2017 - 08h20
Cinco propostas devem ser analisadas na Ordem do Dia desta terça-feira
16/10/2017 - 10h04
Projeto prevê transporte gratuito para hemofílicos de MS
 
Últimas notícias do site
18/10/2017 - 16h10
Local de prova do Enem será divulgado na sexta a partir das 10h, diz Inep
18/10/2017 - 16h10
Central 0800 permite solicitação de serviços referentes à iluminação pública
18/10/2017 - 16h05
Corumbá: Estudantes devem fazer rematrícula para vaga na Rede Municipal de Ensino
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
18/10/2017 - 10h57
PMA prende foragido da justiça durante fiscalização
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.