zap
ANIVERSÁRIO CORUMBÁ 2017
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 13/06/2016 - 06h10

Colônia do Santíssimo Sacramento (Parte II)




Fotos: Divulgação




Por Hiram Reis e Silva (*)

Hiram Reis e Silva, Porto Alegre, RS, 09 de junho de 2016. 

Voltemos ao relato de Capistrano de Abreu, depois desta oportuna e necessária reprodução do texto de Esteves Pereira à respeito da controversa autoria da descoberta da Foz do Rio da Prata.

Esta interpretação não foi a que deram os contemporâneos. Os navegantes diziam ter achado um Estreito ao Sul, e foram cridos. Johannes Schöner (Imagem 05), que conheceu a carta ou gazeta da Madeira e a excerptou (reproduziu) em um livro publicado em 1515, concluiu que se alcançara o Estreito Meridional. Em seu globo do mesmo ano figurou-o entre 40° e 50°S, separando a região da América de outra mais ao Sul chamada “Brasiliae regio”. Há todos os motivos de crer que Fernão de Magalhães levava este ou congênere documento a bordo; devia também levar uma descrição minuciosa da viagem, pois Cristóvão de Haro, interessado na Armada de 1513/1514, era-o por igual na de 1519. 

O achado de um estreito, em qualquer tempo importante, ainda mais sobressaía naquele momento. Vasco Nunes de Balboa descobrira o Mar do Sul, o Oceano Pacífico, mostrando assim que as terras até então percorridas a Este não eram simples anteparo das Índias, à maneira da Indonésia relativamente à Austrália, e sim um continente, possivelmente diverso da Ásia, pelo menos no Mar do Sul, onde os planos oceânicos se rasgavam ilimitados, mas dela próximo, ao Norte, dela talvez contínuo, pois tinha foros de certeza inatacável a crença de que no globo terrestre se avantajava de muito o espaço ocupado pelas terras à superfície dos mares.

A ninguém podia interessar tanto a descoberta da Armada de D. Nuno Manuel como à Coroa de Espanha. Por isso, desde novembro de 1514, começou-se a preparar uma esquadra para, sob as ordens de João Dias de Solís, vir explorar as regiões desconhecidas, “à las espaldas (costas) de la tierra donde agora está Pedro Aray [Pedr’Arias, perseguidor de Vasco Nunes de Balboa] mi Capitán-General é Gobernador de Castilla del Oro, é de allí adelante ir descubriendo por las dichas espaldas de Castilla del Oro mil é setecientas leguas, é mas, si pudieres”.

Haverá qualquer ligação entre a viagem de Solís e a dos dois navios portugueses de 1514? Tudo leva a supô-lo. Um navio destes chegou à Madeira em 12.10.1514, como está provado por Haebler; as primeiras ordens relativas à expedição de Solís datam de 24 de novembro do mesmo ano, intervalo suficiente para o navio português chegar à pátria e difundir-se descoberta tão importante. A viagem de Solís foi resolvida de improviso, pois só depois de assentada tratou-se de arranjar navios e mantimentos, fixando-se a partida para setembro do ano seguinte. A sua preparação foi misteriosa, tanto que a Coroa, a cuja custa ia, espalhou que as despesas correriam por conta de certas pessoas, que, aliás, não haveriam de saber coisa alguma da viagem. Foi muito recomendado todo o segredo. Ainda mais: espalhou-se que ia para um destino mui diverso do real ‒ “Juan Dias de Solís va con mi licencia y a su costa é de algunos parcioneros, que para ello contribuyen con el más adelante de lo que el é Vicente Yañez Pinzón descubrieron en el primer viaje”: a viagem de Pinzón e Solís, hoje sabemos, foi entre Cuba e o Iucatã, roçou quase o Câncer, ao passo que Solís era mandado muito além do Capricórnio.

Para que tantas capas e cautelas?

O motivo aparece à primeira reflexão: era preciso, antes de tudo, saber se o estreito ficava na linha dos limites pactuados em Tordesilhas, simples formalidade até então, na parte relativa à América, documento fundamental nas referências às terras opulentas da Ásia, para onde só agora o caminho anunciado, e nunca encontrado por Cristóvão Colombo, parecia abrir-se.

João Dias de Solís partiu para sua expedição a 08.10.1515, e com feliz viagem chegou ao Rio, que algum tempo levou seu nome, antes de trocá-lo definitivamente pelo de Prata, com certeza dado pelos portugueses, seus primeiros descobridores. Logo ao chegar foi morto pelos índios e seus companheiros voltaram, carregando pau-brasil no Cabo de Santo Agostinho. Em 1520 Magalhães fez a mesma viagem e passou além até descobrir o estreito desejado.

Quase rente com esta, foi outra expedição ao Rio da Prata, comandada por Cristóvão Jaques, segundo se pôde concluir de estudo consciencioso do único e deficiente documento que a narra. Descreve-a assim Juan de Çuniga, em carta dirigida de Évora a 28.07.1524 à “Sacra Cesarea Catholica Magestade” do Imperador Carlos V, depois de ter interrogado o descobridor:

Dice que agora tres años, el Rey Don Manuel le dio licencia que fuese á descubrir por aquella costa, prometiéndole grandes mercedes si hallase cobre y otras cosas que él deseaba y dice que se fue derecho al Brasil con dos carabelas, y que siguió la costa del dicho Brasil por el Sudueste setecientas leguas de donde ellos toman el Brasil, y que halló á las CCC (300) leguas, poco más ó menos, nueve hombres de los que fueron con un Juan de Solís a descubrir, y habló con ellos, y están casados allí, e quisieran que él se los “truxera”, porque él non osó por ser castellano, y porque el sabia que al Rey le había pesado de lo que iba a descubrir el dicho Juan de Solís, porque les prometió que si Dios allí le tornase que los traería.

 

Dice que en la tierra que aquellos están no hay cosa de provecho, y que siguió su costa otras CCCL (350) leguas, que son las DCC (700) dichas, y que halló un Río de agua dulce, maravilloso, de anchura de catorce leguas, y que subió por el Río doce leguas y vio muy hermosos campos a todas partes, y que surgió allí y tomo lengua (dialeto) de la tierra, y que le dijeron que aquel Río no sabían de donde venia sino que era de muy lejos, y que más arriba hallaría otra gente que eran sus enemigos, que tenían de aquellas cosas que el les mostraba, que eran oro y plata y cobre, y que tomo cuatro hombres de aquellos y se fueron con él, y subió por el Río en los bateles armados veinte y tres leguas, y que siempre lo halló todo mejor y la fondura igual.

 

Dice que allí vinieron a él ciertos viejos y estuvo con ellos en grandes pláticas (negociações) que se asegurasen. (“roto”) los otros, y que les rescató algunas cosas y le dieron pedazos de plata y de cobre y algunas venas de oro entre piedras, y que le dijeron que toda aquella montaña tenia mucho de aquello, y que duraba a lo que ellos señalaban CCC (300) léguas; y que le dijeron que la plata no la tenían en tanto como al cobre, habiendo mucho cobre, porque no relucía tanto, y que lo que señalaban del oro era lejos, que el agua lo debe traer por un Río que viene á dar al través de aquel grande y para en las piedras; trujo de todo esto sus muestras.

 

Dice que vio ovejas monteras y muchos ciervos, y de aves todas las que acá vemos en el campo y infinitos avestruces, las perdices muy grandes; dice que es tanto el pescado del Río, que en echando la cuerda o red salía llena, y que comió y pesco muchos sollos mayores y mejores que los de acá, y salmonetes y otros pescados en abundancia, y que salieron a vueltas dos lampreas; que estuvo allí dos ó tres días informándose de todo con el amistad que tomo con aquellos primeros, y que después se juntaron muchos con arcos y buenas flechas y que se embravecieron de saber que traía aquellos que dije, y que le dijeron que se fuese, que el venia por hacerlos algún engaño, y que tiro dos ó tres escopetas, y todos se pusieron por el suelo; y que otro día vio venir gran numero de canoas, y no osó esperar, porque no tenia consigo sino XV (15) hombres, y que así se volvió a sus carabelas.

 

Suspeitava o embaixador espanhol que, nestas descobertas, entrava coisa pertencente a seu Rei. “Se assim fosse, respondeu-lhe o descobridor, folgara de voltar ali com a maneira que Sua Majestade for servido e será cousa muita proveitosa”.

A este tempo começavam a aparecer as desvantagens da Linha de Tordesilhas. Em setembro de 1522 chegou à Espanha, sob o comando de Juan Sebastian del Cano a nau Vitória, da expedição de Fernão de Magalhães, ultimando a primeira circunavegação do planeta até então realizada. Em sua derrota (rota) fora dar ao Maluco (arquipélago das Molucas), às ilhas da especiaria, no fundo o verdadeiro móvel das empresas marítimas de portugueses e espanhóis, já descobertas pelos primeiros. A quem pertenciam? Dentro de que linha estavam? Para decidi-lo juntaram-se em Vitória e Badajós representantes de ambos os reinos peninsulares, que nada acordaram. A decisão se deu anos mais tarde pela capitulação de Saragoça (Aragão, Espanha), definindo-se, porém, só a demarcação Oriental, deixando intacta a questão americana.

O governo espanhol considerou suas as terras redescobertas por João Dias de Solís. Sebastião Gaboto e Diogo Garcia, Piloto português, companheiro de Solís, mandados para destinos muito diversos, lá estiveram; o primeiro fundou também fortalezas efêmeras. Por sua parte El-Rei de Portugal para aqueles lados mandou uma Armada comandada por Martim Affonso de Sousa, em 1530. Escrevendo a este em 1532, revela o plano de dividir em Capitanias de cinquenta léguas de costa todo o território espraiado entre Pernambuco e Rio da Prata.

Na concessão da Capitania de Pero Lopes de Sousa marcou-se, porém, 28°20’ como limite Meridional. Ao mesmo tempo em diversas ordens vindas da Espanha, recomendava-se a fundação de fortalezas em S. Francisco, quase 26°; mais tarde Pero de la Gasca, Presidente do Peru, nomeando Diego Centeno Governador do Rio da Prata, estendeu sua jurisdição até 23°33’, limite de S. Paulo com o Rio de Janeiro. Daí não adveio, por então, nem um inconveniente, porque nem o quinhão mais Meridional da Capitania de Pero Lopes foi logo povoado, nem os espanhóis se fixaram permanentemente no litoral Atlântico.

Em 1580 reuniram-se sobre a mesma cabeça as Coroas de Portugal e Espanha, o que na América só devia trazer vantagens. Desde então os dois povos, alheios a quaisquer rivalidades coloniais, puderam dedicar-se às tarefas que lhes pareceram de mais urgente e proveitosa solução. Para os portugueses o inimigo era o francês, e o grande problema geográfico a solver era a posse do Amazonas; para os espanhóis do Prata, o Atlântico era apenas as costas: a frente voltava-se para o Peru, donde vinham desde Porto Bello e Callau e para onde iam pelo Tucumã os gêneros do seu comércio. Em 1640, Portugal desligou-se (Período da Restauração) da Espanha, mas na América a situação pouco se alterou. Em 1663 o Padre Simão de Vasconcellos discorre com todo o desenfado (sossego de espírito) sobre a repartição entre colônias portuguesas e espanholas. 

Padre Simão escreve:

Esta repartição se deve averiguar pelo que corta a Linha Imaginária, ou mental de que falamos, que vai lançada de Norte a Sul, do último ponto da linha transversal de trezentos e setenta léguas da ilha de Santo Antão para o Poente. Mas como nesta linha transversal os compassos de uns andaram mais, e menos liberais os de outros, ou de propósito, ou levados das diversas arrumações das cartas geográficas, veio a ocasionar-se nesta matéria variedade: porque uns correm aquela linha transversal de maneira que a mental de Norte a Sul vem a cortar da América para o Reino de Portugal vinte e quatro graus de comprimento somente, outros trinta e cinco, outros quarenta e cinco, outros cinquenta e cinco [deixando outras opiniões de menos conta] e todas estas variedades nascem das causas apontadas. A primeira opinião de vinte e quatro graus é escassa, nem tem fundamento algum, convence-se com a experiência, posse e vista de cartas geográficas. A última que dá cinquenta e cinco graus é de compasso mais liberal (a longitude real seria de 48º35’ ‒ Meridiano de Greenwich), não parece tão ajustada aos princípios referidos. As duas entremeias de trinta e cinco e quarenta e cinco graus me parecem ambas verdadeiras, bem entendidas: porque a que dá trinta e cinco graus fala pelo que o Brasil está de posse por costa, e a que dá quarenta e cinco fala pelo que lhe convém, em virtude da linha que corre o sertão; e são ambas verdadeiras...  

Uma e outra parte declaro.

Está de posse o Brasil da terra que corre por costa desde o Grão (Grande) Rio das Amazonas até o da Prata; por que no das Amazonas começam suas povoações que correm até passante a Cananéa (Cananéia) e senhoreiam dali em diante todos os mais Portos com suas embarcações e comércio, e no Rio da Prata está posto seu marco na ilha de Lobos, como é notório. Nem deste Rio da Prata para o Norte junto à costa possuem cousa alguma Castelhanos, como se deixa ver pela experiência e mapas: segura fala logo a opinião que dá trinta e cinco graus pelo que estamos de posse por costa.

Pelo que convém em virtude da linha que corre o sertão falam ao certo os que dão quarenta e cinco graus. Esta verdade poderá experimentar todo o cosmógrafo curioso: por que si com exata diligência arrumar as terras do mundo e depois com compasso fiel medir a linha que dissemos, desde a ilha de Santo Antão trezentas e setenta léguas ao Poente, achará que a linha de Norte a Sul, que do último ponto desta divide as terras da América, vai cortando direita junto ao Rio das Amazonas pelo Riacho que chamam de Vicente Pinzón, e correndo pelo sertão deste Brasil até sair no porto ou Baía de São Matias, quarenta e cinco graus pouco mais ou menos da Equinocial, distante da boca do Grão Rio da Prata para o Sul cento e setenta léguas; no qual lugar é constante fama se meteu marco da Coroa de Portugal.

Breve devia passar a época destas divagações serenas. A população brasileira se ia estendendo pelo litoral para o Sul; no interior fundara-se Curitiba; em suas cercanias descobriram-se minas de ouro. Compreendeu-se a necessidade de senhorear todos aqueles sertões, de marchar para o Rio da Prata, considerado por todos os autores portugueses o limite Austral do Brasil.

A costa, pitoresca, elevada, opulenta de ilhas e portos até Santa Catarina, abaixa-se além, apresenta-se nua, estéril e inóspita. Por isso não foi o Rio Grande do Sul o primeiro a reclamar a atenção do governo da metrópole, que preferiu dar um grande salto e estabelecer-se logo em águas platinas.

Em 1674, foram doadas duas capitanias ao Visconde de Asseca (Martim Correia de Sá e Benevides Velasco ‒ primeiro Visconde de Asseca) e João Correia de Sá, seu irmão, nas terras antigamente pertencentes a Gil de Góes, filho de Pero Góes, o companheiro de Martim Afonso na viagem de 1530 a 1533, e Capitão da Costa no governo de Tomé de Sousa. Atendendo às reclamações de Salvador Corrêa de Sá, El-Rei D. Pedro II, ainda hipocritamente intitulado Príncipe Regente, concedeu-lhes mais trinta léguas até a boca do Rio da Prata. Dado o primeiro passo, logo se seguiu outro feito de muito maior gravidade: a fundação de uma colônia, fronteira a Buenos Aires. (ABREU)

Reclamações de Salvador Corrêa de Sá: Tendo respeito ao que me representou Salvador Corrêa de Sá, como tutor do seu neto o Visconde de Asseca, e procurador de seu filho João Corrêa de Sá, em razão das setenta e cinco léguas que pede se lhes acrescente às trinta das Capitanias de que lhe tenho feito mercê, que foi de Gil de Góes no Estado do Brasil, entre Cabo Frio e Espírito Santo repartida por ambos, vinte léguas ao Visconde e dez a João Corrêa de Sá, representando-no também que mandando ele tomar posse e fundar as vilas nas ditas Capitanias, se não achavam as ditas trintas léguas, com que se não podia em terra tão limitada fundar duas Capitanias, e, que todas as que se tinham dado no Estado do Brasil e Maranhão as menores eram de cincoenta (cinquenta) léguas de costa e visto o que fica referido e ao que sobre isto respondeu o Procurador da Coroa ser utilidade do aumento daquele Estado povoar-se cada vez mais. Hei por bem fazer mercê ao dito Visconde de Asseca de trinta léguas de terra que mais pede nas terras que estão sem donatário até a boca do Rio da Prata para que as logre. Lisboa, 14.03.1658. (ABNRJ)

D. Manuel Lobo

La antigua Colonia del Sacramento, fundada, en 1680, por Portugal, fue un enclave comercial y militar, protagonista de una controversia histórica entre España e Portugal. Sujeto de guerras y Tratados durante un siglo, conserva un trazado urbano único en la región y testimonios arquitectónicos valiosos de los distintos periodos de este rico pasado con un sencillo perfil popular.
(Placa próxima à “Puerta de la Ciudadela”)

A Coroa Portuguesa determinou ao Governador da Capitania do Rio de Janeiro e Capitão-Mor D. Manuel Lobo, que ocupasse a margem Setentrional do Rio da Prata com alguma Colônia na Ilha de São Gabriel ou em outro sítio próximo que achasse mais adequado. Lobo aportou na Bacia do Prata e, em 22.01.1680, deu início à construção de uma Fortaleza frontal a Buenos Aires, pomo da discórdia de futuras intrigas e conflitos.

[...] acompanhado por quatro companhias compostas de 200 homens, de alguma artilharia para defensa dos invasores dos Minuanos [gentio bárbaro, inconstante, rebelde, e indômito], e de várias famílias que levou para povoar a terra, aportou na enseada do Rio sobredito no 1° de janeiro de 1680; e depois de tomar as medidas precisas para assentar o determinado estabelecimento, observando o terreno, cuidou logo em levantar um reparo na margem Setentrional do mesmo Rio com aqueles materiais mais prontos à indústria, como a faxina, construída de molhos de varas atadas e seguras com terra calcada. (ARAÚJO)

D. Jozé de Garro

Jozé de Garro, Governador de Buenos Aires, informado do fato participou à sua Corte, e, recebendo ordem de expulsar os portugueses, tomou de assalto a Colônia, na madrugada de 06 ou 07.08.1680 (dependendo dos autores), patrocinando um evento que ficou conhecido na história sul-americana como “Noite Trágica”.

Sete meses, e cinco dias haviam passado no trabalho de tão débil fortificação, e sem haver algum receio de menor acometimento hostil, no quarto d’alva (quarto de hora que contempla a alvorada, que vai das 04h00 às 08h00) de 06 de Agosto invadiu-a D. Jozé Garro, Governador da Cidade de Buenos Aires, auxiliado pelo Governador e Soldados de Lima [...] tropa índica, e outra porção igual de guarnição militar.

À vista de forças tão desproporcionadas, era de supor mui fácil a entrada posse da Praça e não obstante, só depois de três horas de porfiada resistência, que fizeram os portugueses animosos, cujo valor imitaram as mulheres varonilmente, foram os castelhanos senhores do terreno. Encarniçados então pelo estorvo não presumido e, querendo vingar a atividade de seus contrários, embeberam os inimigos a espada nos infelizes portugueses [...] (ARAÚJO)

Do Tratado Provisional de Lisboa ao Tratado de Utrecht

Graças à intervenção das Cortes de Roma, Paris e Londres foi assinado o Tratado Provisional, de 07.05.1681, que devolveu a posse da Colônia a Portugal, autorizando que os portugueses realizassem pequenos reparos na fortificação e construíssem alojamentos para a tropa. No dia 23.01.1683, uma nova esquadra portuguesa comandada por Duarte Teixeira assumiu a Fortaleza de São Gabriel, com a ordem de fortificar e povoar em grande escala todo aquele território onde permaneceram até 1705, quando passou novamente ao domínio espanhol, até os idos de 1715, quando foi novamente devolvida aos portugueses pelo segundo Tratado de Utrecht, de 06.02.1715.

Miguel Fernando de Salcedo y Sierra-Alta y de Rado y Bedia

 

Relata-nos Varnhagen, o Visconde de Porto Seguro:

[...] pois havendo o Governador de Buenos Aires D. Miguel de Salcedo entabulado com o daquela Praça (Governador) António Pedro de Vasconcellos, desde março de 1734, correspondência, insistindo aquele em que ambos passassem à demarcação do território pelo Tratado de Utrecht pertencente de direito à Colônia, e chegando-lhe em 1735 a notícia de uma pequena desinteligência entre as duas Cortes [...]

reuniu forças, e depois de talar (arrasar) os campos vizinhos, pôs cerco à Praça, assestando contra ela baterias, cujo fogo rompeu em 28 de novembro. Aberta que foi uma larga brecha bastante tratável (acessível), intimou Salcedo a Vasconcellos que capitulasse. Ponderou este habilmente que para assegurar a sua resposta necessitava saber se a guerra se lhe fazia por ordem da Corte católica. Evadiu-se Salcedo a dar semelhante esclarecimento, e a tréplica de Vasconcellos foi de que não havia:

nos defensores receio de que o furor das tropas inimigas fosse bastante: para desalojá-las.

Salcedo hesitou em dar o assalto, seguindo entretanto com as hostilidades, até que começando a chegar, no dia 06.01.1736, à Praça grandes socorros, de todas as armas, do Rio, Bahia e Pernambuco, pedidos pelo Governador, por Mar e até por terra, levantou Salcedo precipitadamente campo e se retirou a Buenos Aires. [...]

Os socorros de terra e Mar para a Praça prosseguiram, a ponto que no ano seguinte, aos 22 de maio, a nossa esquadrilha, perseguindo a contrária, obrigou duas corvetas a varar em terra com grande perda, não longe de Martim Garcia. Só no princípio de setembro, deste ano de 1737, chegou à Colônia o armistício (assinado em Paris em 16.03.1737) em virtude do qual convieram as duas Coroas que se soltassem os presos feitos até 31 de março; que neste dia nomeassem as duas Cortes seus Embaixadores; que ao mesmo tempo se expedissem ordens para a América afim de cessarem as hostilidades; ficando aí tudo como estivesse à chegada das ordens, até o ajuste definitivo. (VARNHAGEN)

A guerra produziu devastações consideráveis relata-nos Silvestre Ferreira da Silva na obra “Relação do Sítio, que o Governador de Buenos Aires D. Miguel de Salcedo poz no ano de 1735 à Praça da Nova Colônia do Sacramento...”:

Temos dito, quanto é digno de saber-se da guerra da Colônia do Sacramento do Rio da Prata, que suposto sofre imperfeita empresa para aquele Governador de Buenos Aires; resta dizermos, que o não foi para o furor das suas Tropas, e Corsários, os quais com tempestuosa fúria, no espaço deste calamitoso sítio, devastarão, e surpreenderão dentro do Rio da Prata uma corveta, uma galera, e uma canoa carregadas. Na campanha, e suas estâncias dezoito mil quatrocentas quarenta e três cavalgaduras de toda a espécie; duas mil trezentas trinta e duas cabeças de gado ovelhum; oitenta e sete mil e duzentas de gado vacum crioulo de toda a idade; cento e quatro carros com outros muitos instrumentos e madeira de abegoaria e quarenta e seis pretos escravos grandes lavradores, com dois mil quatrocentos e cinquenta e cinco alqueires de trigo, legumes e outras sementes que estes tinham semeado nas espaçosas terras dos contornos da Praça; duzentas quarenta e oito propriedades de casas nobres e humildes; capelas, olarias, moinhos e fornos de cal: viçosos pomares e proveitosas quintas, cultivadas muitas delas com grandes vinhas, contando-se em algumas mais de noventa mil pés de bacelos (videiras): as aves mansas e animais domésticos que os moradores daquela Praça pastoreavam nos seus limites eram inumeráveis. (FERREIRA DA SILVA)

Madeira de Abegoaria: usada na construção e instalações onde se alojam os animais e equipamentos agrícolas. (Hiram Reis)

Este foi o maior detrimento (prejuízo), que padeceram os moradores daquela Colônia: efeitos da guerra já em outro tempo definidos pelo ciente (sábio) Capitão Braz Garcia Mascarenhas, no contexto do Cântico 4, número 2, onde diz: 

Viriato Trágico - Canto IV - 2

(Braz Garcia Mascarenhas) 

 

 A ciência militar, real ciência,

Que por todos os séculos floresce,

Aprende-se com difícil experiência,

 E com descuido fácil presto esquece.

Consiste na destreza e na obediência,

Estriba no valor que honra apetece,

 Ajuda-se das ciências que arruína,

Sustenta-se da paga e da rapina.

 (FERREIRA DA SILVA)

 

Fontes:

ABNRJ – Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Consulta do Conselho Ultramarino acerca da concessão de 100 léguas de terras que pedira Salvador Corrêa de Sá no Distrito da Ilha de Santa Catharina – Vol. XXXIX – Lisboa, 14.03.1658

ABREU, João Capistrano Honório de. Ensaios e Estudos (Crítica e História) – Brasil – Rio de Janeiro – Edição da Sociedade Capistrano de Abreu – Livraria Briguiet, 1938.

ARAUJO, José de Sousa Azevedo Pizarro e. Memórias Históricas do Rio de Janeiro e das Províncias Anexas à Jurisdição do Vice-Rei do Estado do Brasil, Tomos 3 e 4 – Brasil – Rio de Janeiro – Imprensa Régia, 1820.

FERREIRA DA SILVA, Silvestre. Relação do Sítio, que o Governador de Buenos Aires D. Miguel de Salcedo poz no ano de 1735 à Praça da Nova Colônia do Sacramento... – Portugal – Lisboa – Impresso na Congregação Carmelita da S. Igreja de Lisboa, 1748.

VARNHAGEN, Francisco Adolfo de (Visconde de Porto Seguro). História Geral do Brasil, Isto é do Descobrimento, Colonização, Legislação, Desenvolvimento e da Declaração da Independência e do Império, Escrita em Presença de Muitos Documentos Inéditos Recolhidos nos Arquivos do Brasil, de Portugal, da Espanha e da Holanda (Tomo II) – Brasil – São Paulo – Editora Itatiaia/EDUSP, 1981. 

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM - RS);

Sócio Correspondente da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER)

Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS);

Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

E-mail: hiramrsilva@gmail.com;

Blog: desafiandooriomar.blogspot.com.br

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. 

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
04/09/2017 - 09h11
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte III)
04/09/2017 - 09h06
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte II)
04/09/2017 - 09h01
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte I)
28/07/2017 - 16h47
Chapéu Bandeirante
24/07/2017 - 09h01
Atentado à Vida de Plácido de Castro
 
Últimas notícias do site
26/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
26/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
26/09/2017 - 06h21
Terça-feira tem previsão de chuvas isoladas e máxima de 37ºC
25/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
25/09/2017 - 16h38
Preço do botijão de gás terá reajuste de 6,9% a partir de amanhã
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.