zap
ANIVERSÁRIO CORUMBÁ 2017
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 10/05/2016 - 08h00

I Circunavegação dos Mares de Dentro ‒ Jornada Patriótica 3ª Perna: S. Vitória do Palmar ‒ Veleiros Saldanha da Gama




Fotos: Divulgação










Por Hiram Reis e Silva (*)

 Hiram Reis e Silva, Bagé, RS, 09 de maio de 2016. 

Lagoa Mirim

(Jilnei Brasil Rodrigues)

 

O embalar das tuas águas

Murmurantes e tão calmas

São restos de lágrimas

De muitas restingas.

De arroios e sangas

para o Leste andantes [...] 

 

S. Vitória do Palmar – Ponta Canoa (28.03.2016)

 

Felicíssima Páscoa 

 

Coelhinho da Páscoa

Que trazes pra mim?

A queda da Dilma

E do Lula, enfim.

Coelhinho da Páscoa

Pra onde ele vai?

Direto pra cela do amigo Bumlai…

(Felipe Moura Brasil ‒ da Revista Veja, em São Paulo, SP, 28.03.2016) 

 

Na noite de ontem (27.03.2016), disse ao caro amigo Gustavo Rodrigues Gonzalez que precisávamos partir cedo na manhã seguinte, pois, a jornada até a Ponta Canoa era muito longa e que, se as condições meteorológicas previstas realmente se concretizassem, levaríamos em torno de dez horas para chegar ao nosso destino. Como o Sol nascia às 06h44 e se punha às 18h38 e não podíamos contar com a luz da Lua, que só surgiria às 22h00, era importante partir logo após a alvorada, pois precisávamos contar com certa margem de segurança para possíveis contratempos, montagem do acampamento, preparação do rancho e banho. Era necessário transportar as embarcações, de madrugada, até o Porto, montar o mastro do veleiro e aparelhar o Corais e o Argo. Ao mostrar-lhe, no GPS, que distância da residência dos seus pais até a Ponta Canoa era de 51,0 km “em linha reta”, o amigo ponderou que a casa ficava a 6,3 km do Porto de SVP “em linha reta”, e que, em consequência, nosso trajeto poderia ser um pouco inferior aos 51,0 km. A questão consistia, então, apenas em verificar a diferença entre as Latitudes do Porto e da morada dos progenitores do Gustavo – a Latitude do Porto foi determinada como sendo de 33°29’55”O e a Latitude da casa dos Gonzalez de 33°30’57”O. Como cada grau corresponde a 111,12 km, cada minuto (milha náutica) a 1.852 m e cada segundo a 30,87 m e considerando que as diferenças entre as Latitudes dos dois pontos (Porto e Residência dos Gonzalez) era igual a 01’02”, calculamos que a distância entre essas Latitudes era de 1.913,74 m (aproximadamente 2 km), encurtando, portanto nosso percurso para uns 49 km “em linha reta”. Ao contornarmos uma margem como a Costa Oriental da Mirim esta distância linear sofre um acréscimo de 5 a 10%, uma previsão de 51,45 a 53,90 km – uma longa marcha a empreender. 

 

O Gustavo chegou, pontualmente como combináramos, às 04h00 (28.03.2016), e, às 04h30, ele e o Renato (mais conhecido na cidade como Maçã) nos levaram até o Porto de Santa Vitória do Palmar onde encontramos o grande parceiro Carlos Moreira Cabreira. Os formidáveis companheiros nos ajudaram a aparelhar o veleiro e largamos, exatamente às 07h00, levando muita saudade no coração e guardando eternamente caras lembranças na garupa da memória. 

 

A costa entre SVP e a Ponta dos Afogados não apresenta muitos atrativos e é, sem sombra de dúvida, a mais pobre em belezas cênicas, flora e fauna de toda a Mirim. Fiz duas paradas para me hidratar, uma delas à 300 m da margem, e, outra, às 13h00, quando chegamos à Ponta Sul da Ilha dos Afogados. Abandonamos a ideia de o Norberto conhecer o belo Arroio dos Afogados em virtude dos enormes bancos de areia que lhe bloqueavam o acesso pelo Sul, e contornamos, então, a Ilha pela margem Oeste. 

 

Às 16h15, aportamos na baía da Ponta Canoa (33°03’44,8”S / 53°19’22,9”O). Montamos acampamento, debaixo de um chuvisco frio, contatei os familiares do alto de um cômoro de onde avistei rastros e dejetos recentes de capivaras. Percorrêramos 52,7 km com ventos fracos de SO. 

 

1° Perna Total =       349,1 km.

2° Perna Total =       322,2 km.

3° Perna Parcial =       52,7 km.

Total Parcial =          724,0 km. 

 

Ponta Canoa ‒ Ponta Santiago (29.03.2016) 

 

Lula e Dilma resolveram pintar dois Brasis que não existem em recentes entrevistas à imprensa internacional. [...] a imprensa gringa não comprou nem o “golpe de Dilma” nem o “país das maravilhas” de Lula. A “The Economist” pediu a renúncia da Presidente em sua capa.

(Vera Magalhães ‒ da Revista Veja, em São Paulo, SP, 29.03.2016) 

 

Aproamos para NE e partimos da Ponta Canoa mais tarde, às 07h00, precisávamos recuperar o sono perdido, pois a madrugada anterior, em SVP, tinha sido muito curta. A partir das 09h00, alterei o rumo da rota original, buscando a segurança da costa, girando a proa para Boreste forçado por ondas de popa de quase 2 m. Redobrei a atenção na aproximação da margem, as ondas quebravam perigosamente e tive de evitar que levantassem, por demais, a popa e cravassem a proa no leito da Lagoa. Embora os ventos de SE não ultrapassassem os 6 nós o seu alinhamento com nossa rota e os enormes bancos de areia ao longo dela faziam-nas crescer desproporcionalmente. 

 

Aportei para descansar às 10h20, e fui margeando a beira admirando a incrível avifauna local. Avistei o Norberto ao longe, desembarcado no meio da Lagoa, soube, mais tarde, que o veleiro fora inundado e ele parara no enorme Banco do Taquari para bombear a água do porão e convés. Fotografei e filmei, pela primeira vez, um grupo de quatro belos e serenos flamingos. 

 

Aportamos na Ponta Santiago, às 14h12, e montamos o acampamento. Como não havia previsão de ventos fortes não buscamos abrigo na baía “Caldeirinha” o que nos economizou alguns quilômetros de percurso. Estava limpando alguns peixes quando uma pequena garça boiadeira (Bubulcus ibis) pousou no caiaque e depois foi se aproximando, cautelosamente, para comer alguns bocados que lhe eram atirados. Fui, progressivamente, diminuindo a distância do arremesso dos petiscos até que o dócil animal veio, por fim, comer diretamente na minha mão. Tínhamos percorrido 41,6 km. 

 

1° Perna Total =       349,1 km.

2° Perna Total =       322,2 km.

3° Perna Parcial =       94,3 km.

Total Parcial =          765,6 km. 

 

Ponta Santiago ‒ Canal do Anselmo ou Curral Alto (30.03.2016) 

 

Jaques Wagner admitiu que o governo está fazendo leilão de cargos para impedir o impeachment, que ele voltou a chamar de “golpe”. [...] Trata-se de mais um crime de responsabilidade da Presidente Dilma. Aliás, ela os vem acumulando.

(Reinaldo Azevedo ‒ da Revista Veja, em São Paulo, SP, 30.03.2016) 

 

Às 07h00, partimos da Ponta Santiago aproados para uma árvore isolada na costa oposta, a uns 14 km de distância, que mal e mal se vislumbrava no horizonte. Às 09h00, aportamos para reverenciar a centenária e querida amiga. Considero esta figueira como a mais admirável e emblemática de toda a Lagoa Mirim. O monumento arbóreo permanece vivo e belo apesar de ter sido rudemente açoitado pelos ventos e pelas águas, o sólido tronco foi despedaçado por algum malévolo ciclone de outrora e as vagas “pesadas batendo no frouxo areal” foram-lhe solapando os torrões que a sustentavam e roendo suas formidáveis raízes tombando-a, mas minha cara e estoica Valquíria continuou lutando e apoiada nos seus rijos galhos sobrevive galhardamente – uma imagem inspiradora para um sexagenário argonauta. 

 

Galo de Rinha

(Jayme Caetano Braun)

 

[...] E ao te ver morrer peleando

No teu destino cruel.

Sem dar nem pedir quartel.

Rude gaúcho emplumado.

Meio triste, encabulado,

Mil vezes me perguntei

Por que é que não me boleei

Pra morrer no teu costado?

 

Porque na rinha da vida

Já me bastava um empate!

Pois cheguei no arremate

Batido, sem bico e torto.

E só me resta o conforto

Como a ti, galo de rinha

Que se alguém

dobrar-me a espinha

Há de ser depois de morto!

 

Esta austera e inabalável figueira trouxe-me à memória a imagem de meu “Norte Verdadeiro” ‒ meu saudoso pai Cassiano, carioca de nascimento e gaúcho de coração, me presenteando, no meu aniversário de sete anos, lá no Rosário do Sul, com a 1ª edição do livro “De Fogão em Fogão” de Jayme Caetano Braun – Coleção Três Chirus. Li encantado cada verso, cada estrofe, cada poema, procurando sorver os ensinamentos do Jayme que, através de sua gaudéria poesia, mostrava-me a beleza da vida campesina, a altivez dos gaúchos, nossa história e tradições e outras tantas maravilhas do Rio Grande do Sul. Desde então a poesia do maior “Payador” (patrono do Movimento Pajadoril) de todos os tempos acompanha-me no dia-a-dia lembrando minhas origens e minha afeição “eterna” por esta querência abençoada por Deus. 

 

Meu Verso

(Jayme Caetano Braun)

 

[...] E um dia quando souberes

Que este gaúcho morreu,

Nalgum livro serás eu

E nesse novo viver

Eu somente quero ser

A mais apagada imagem

Deste Rio Grande selvagem

Que até morto hei de querer!" 

 

Inspirado nos versos do “Payador”, eu pretendia colocar no logotipo do projeto “Desafiando o Rio Mar” a imagem do “Galo de Rinha”, minha poesia preferida. Pareceu-me, porém, que nos dias de hoje, a homenagem podia ser mal interpretado pelos adeptos do “politicamente correto”. O símbolo mostraria a garra do “guasca vestido de penas” e não pretendia, absolutamente, fazer apologia às bárbaras rinhas. Identifico-me, por demais, com a última estrofe do “Galo de Rinha” e acho que esta poesia do “Andarengo”, em especial, tem uma energia excepcional que eu gostaria de ter usado no meu projeto. 

 

Às 12h30, adentramos no Arroio Del Rey para fotografar o mastro do Itaqui. Às 14h00, aportamos para o pernoite no Canal do Anselmo ou Curral Alto. Pesquei alguns peixes para o almoço, atraindo-os com a espuma do sabão. Quando nos banhávamos estes ávidos animaizinhos beliscavam nossa pele em busca de alimento. À noite, cansado e sonolento, ao revisar e excluir as fotos ruins da minha máquina fotográfica optei, acidentalmente, pela deleção de “TODAS” elas. O meu caro amigo Sargento Cláudio Cesar Carvalho de Carvalho conseguiu recuperar parte delas. Perdi algumas fotos e filmes importantes como a dos flamingos voando e a garcinha boiadeira comendo na minha mão que tirara nestes três últimos dias já que em Santa Vitória do Palmar meu caro amigo Gustavo Rodrigues Gonzalez tinha, felizmente, salvo todas as fotos da 1° e 2° Pernas no computador da Srª Nádima, sua querida mãe. Percorrêramos 41,2 km com ventos suaves e céu nublado. 

 

1° Perna Total =       349,1 km.

2° Perna Total =       322,2 km.

3° Perna Parcial =     135,5 km.

Total Parcial =          806,8 km. 

Curral Alto – Arroio Aguirre, Capilla (31.03.2016) 

 

O dirigente de um dos principais partidos no Congresso Nacional avaliou que a Presidente Dilma Rousseff pode dar como certa a sua queda caso o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva continue mostrando desânimo e dúvidas sobre a possibilidade de derrotar o impeachment.

(Mônica Bergamo ‒ da Folha de S. Paulo, em São Paulo, SP, 31.03.2016) 

 

I Circunavegação dos Mares de Dentro - Jornada Patriótica 

 

Recebi centenas de e-mails e mensagens nas redes sociais indagando sobre a origem do nome de nossa Expedição ‒ Jornada Patriótica. Fiz um necessário suspense até a data de hoje ‒ data magna da Revolução Redentora de 31.03.1964 ‒ para revelar, finalmente, que o nome faz uma dupla homenagem, reverenciando, hoje, a atitude dos jovens e heroicos juízes, capitaneados pelo Dr. Sérgio Moro e aos heróis civis e militares de outrora que combateram os sicários terroristas, traidores da Pátria. A Operação “Lava a Jato”, desencadeada pela Polícia Federal, está prendendo hoje, curiosamente, os mesmos “inocentes” cidadãos que se diziam “injustamente perseguidos” pelo regime militar. 

 

Os jovens e destemidos juízes hodiernos estão dando mostras gabais aos vetustos membros do STF, de fala mansa, “discursos lindos e palavras vãs”, de que não se submetem a conchavos políticos e pressões de qualquer espécie. 

 

Nossos denodados combatentes das FFAA enfrentaram naquela época uma escória mercenária que, a soldo de potencias alienígenas, tentavam implantar no Brasil uma “República Sindicalista e não titubeavam em assaltar, sequestar, matar e mutilar vítimas inocentes – os mesmos celerados que hoje se autointitulam “defensores da democracia”. Facínoras que ao serem vencidos pelas armas das forças legais dominaram os meios de comunicação, aliciaram os formadores de opinião nas áreas da sociologia, história e filosofia adulterando criminosamente nosso passado. 

 

Reproduzimos, na íntegra, texto relativo ao Contragolpe de 31 de março assinado pelo General de Brigada Paulo Chagas e pelo General de Brigada Rocha Paiva; 

 

Há 52 anos! 

 

Um fato histórico não pode ser apagado da memória da Pátria, muito menos da memória dos que o protagonizaram e dos que herdaram, institucionalmente, a responsabilidade e os ensinamentos dele decorrentes. 

 

Vivemos, no momento atual, mais do que em qualquer outro, a necessidade de repensar o Brasil e de voltarmos os olhos para março de 1964 e fazer valer as lições aprendidas, apanágio da profissão que escolhemos pela vocação do amor à Pátria. 

 

As circunstâncias, hoje, são outras e só o são porque, no período que sucedeu a Revolução, as instituições que a promoveram não fugiram do dever de assumir o caos e de transformá-lo em ordem e progresso, conforme propõe o lema republicano, desde o advento do regime, em meio a sucessivas crises político-militares, que mantinham em suspensão os escombros da implosão súbita do Império. 

 

Vivenciamos outra vez o caos político e econômico, agravado por um descalabro moral e ético jamais visto na história. O povo brasileiro, deixado à mercê de sua vontade, mas, “deseducado e iludido, elegeu uma classe política absurdamente corrupta, irresponsável e despreparada”. E “de repente, diante do caos, cresce o desejo de mudar esse cenário e muitos pedem que retornemos ao passado e limpemos o chiqueiro”. 

 

Esta atitude é o testemunho incontestável do choque com a realidade e da desilusão que contamina todos os níveis da sociedade minimamente informada e que atesta, em regime de sofrimento e de falta de perspectivas, o quanto devemos aos heróis de 1964 que, abraçados aos interesses da Pátria, em meio às ameaças da Guerra Fria, espremidos entre dois poderosos blocos antagônicos, souberam interpretar a vontade nacional, identificar o perigo e tomar a iniciativa para neutralizá-lo. 

 

É nesse contesto que devemos rememorar e enaltecer o contragolpe de 31 de março de 1964. 

 

No início dos anos 60, o Brasil não tinha instituições maduras e fortes para sustentar a democracia, abalada por sucessivas crises político-militares. O progresso não proporcionava as necessidades básicas da maioria da população, o que facilitou a ocupação de espaços importantes pela esquerda radical infiltrada em sindicatos, no meio acadêmico, na mídia, nos órgãos de governo, na Igreja e até nas Forças Armadas. 

 

A situação político-social prenunciava um conflito com potencial para desaguar numa guerra civil de cunho revolucionário. Luiz Carlos Prestes, declarara que seu partido já tinha o governo e só lhe faltava o poder. 

 

Em 13.03.64, o Presidente João Goulart radicalizou o discurso, tentando, na lei ou na marra, intimidar as instituições, inclusive o Legislativo, visando aprovar medidas populistas e angariar o apoio ou a neutralidade da população face ao golpe em curso. 

 

A quebra da hierarquia e da disciplina nas FFAA reforçava a crença na vitória. Jango juntara-se ao golpe comunista e os setores do governo, sindicatos e partidos de esquerda articulavam-se para implantar aqui uma República Sindicalista, pela qual o país ingressaria no bloco comunista, seguindo os passos de Cuba.

O “31 de Março” foi o desfecho de um movimento civil-militar que mobilizou toda nação e impulsionou as FFAA, sem dar condição de reação a um governo que perdera a autoridade moral e o respeito da nação. A Folha de São Paulo, de 27 de março de 1964 publicou: “Até quando as forças responsáveis deste país, as que encarnam os ideais e os princípios da democracia, assistirão passivamente ao sistemático, obstinado e agora já claramente declarado empenho capitaneado pelo Presidente de República de destruir as instituições democráticas?”. 

 

Nos dias subsequentes, milhões de cidadãos comemoraram a vitória da democracia em todos os estados da Federação, como registrou a mídia em âmbito nacional. O insucesso da via pacífica levou, no entanto, a esquerda radical a deflagrar a luta armada. O Brasil, ao cortar o mal na raiz, escapou do destino infeliz que lhe desejavam os mesmos que hoje ocupam o poder pela via da mentira e da exploração das próprias vulnerabilidades da democracia. 

 

Em 21 anos de regime militar, foram cerca de 500 mortos em confrontos nas áreas urbanas e rurais, sendo 400 militantes da esquerda armada aos quais, seguindo o exemplo magnânimo de Caxias, pediremos o perdão e o consolo divino, amanhã, na missa em memória dos mortos na luta armada. Um alto custo para poucos, mas muito baixo se comparado ao da impunidade e da criminalidade que hoje nos intimida. 

 

É hipocrisia a condenação dos governos militares por excessos na reação à luta armada, feita por quem idolatra ditaduras e lideranças criminosas; concede asilo a terroristas estrangeiros condenados, mas devolve fugitivos da ditadura cubana; financia e confraterniza com ditos movimentos sociais, cujas ações resultam, impunemente, em invasões, destruições e mortes. 

 

De 1922 a 1964, houve cerca de duas dezenas de crises institucionais onde chefes militares, envolvidos na política partidária, arrastavam consigo parte da tropa em um Brasil ainda imaturo para a democracia. Havendo ou não honestidade de propósitos, ficavam prejudicados: o compromisso militar, que deve ser exclusivo com a nação; a dedicação, que deve ser integral à missão constitucional; e os princípios de hierarquia e disciplina, comprometendo a coesão nas FFAA e a própria unidade nacional. O regime de 1964 afastou as Forças e os militares da ativa da política partidária e criou condições para o fortalecimento das instituições. As crises políticas não tiveram mais o envolvimento militar e, hoje, são resolvidas nos foros apropriados. 

 

Os Generais Presidentes reconheciam a excepcionalidade do regime e manifestavam permanentemente o objetivo de retorno à normalidade democrática, o que se cumpriu com a revogação do AI-5, a anistia e a abertura política logo após a derrota da luta armada e a aceitação pelos ex-guerrilheiros das regras do jogo democrático. 

 

A redemocratização veio a partir de 1978, não por obra da esquerda revolucionária já desmantelada. É um engano considerá-la vitoriosa porque antigos militantes ocupam, hoje, posições importantes na sociedade. Eles não chegaram ao poder pela força das armas e sim como cidadãos com plenos direitos assegurados na anistia concedida pelo próprio regime em 1979. 

 

Abandonaram a luta armada, derrotados, e se submeteram às normas democráticas, reintegrando-se à sociedade na forma da lei, em pleno regime militar e como exigiam a Nação e o Estado. 

 

O Brasil tornou-se uma democracia, aspiração da sociedade, da oposição legal e dos governos militares, e não um país comunista escravizado por um partido único, objetivo permanente da esquerda revolucionária, hoje, outra vez, no poder, mas não no domínio das mentes e dos corações dos brasileiros que, em massa, retornaram às ruas, 52 anos depois do Comício da Central do Brasil, no último 13 de março, para dizer BASTA! 

 

Basta à corrupção e ao enriquecimento ilícito! Basta à incompetência, à desonestidade, à luta de classes. Basta à política de gênero, à desvalorização do mérito, ao desrespeito à vida. Basta ao desemprego, à recessão, à inflação, aos impostos escorchantes e ao descaso para conosco que somos os verdadeiros donos deste País! 

 

Os Marinheiros, Soldados e Aviadores, cidadãos fardados nunca apartados da sociedade a que servem e em nome da qual impunham suas armas, não estão alheios à conjuntura hostil ou descuidados do cumprimento do seu dever. Têm a motivá-los o exemplo histórico da Revolução Democrática de 1964 que não pode ser, nem nunca será, apagado da memória dos que amam com fé e orgulho este solo sagrado das Terras de Santa Cruz! 

 

BRASIL, ACIMA DE TUDO!!! 

 

Respondidas às indagações, continuemos a reportar nossa jornada nesse dia tão especial. Partimos, às 07h00, com um céu plúmbeo, pesado, que aos poucos foi desanuviando exatamente como aconteceu na década de 60. O Patrão Celestial, Senhor de todos os exércitos convenceu os deuses dos ventos e dos mares a proteger-nos neste dia abençoado e o que se viu foi uma Lagoa espelhada que refletia quase que perfeitamente a abóboda celeste. Eu tinha a nítida impressão de que meu caiaque ganhara asas e eu planava suavemente sobre as nuvens, sob o olhar atento do Capataz da Estância Divina. 

 

Vozes d’África

(Castro Alves)

 

Deus! ó Deus! onde estás que não respondes?

Em que mundo, em qu’estrela tu t’escondes

Embuçado nos céus? [...] 

 

Diversas culturas associam o Astro Rei ao olho do Supremo Arquiteto do Universo ‒ o olho onisciente. Para os gregos era o olho de Zeus, para os egípcios ‒ o olho de Hórus, para os indianos ‒ o olho de Varuna, para os povos de origem germânica ‒ o olho de Odin e para os muçulmanos ‒ o olho de Alá. O astrônomo Nicolau Copérnico afirmava poéticamente que “A Lua, era o olho da noite e o Sol, o olho do dia”. O poeta nacional da Inglaterra, o “Bardo do Avon” ‒ William Shakespeare ‒ menosprezando o Sol, que aparece embuçado, esmaecido, nas brumosas tardes inglesas, diz que “aquele ponto acinzentado não é o olho do dia...”. O escritor maçom Ir:. João Ivo Girardi, no seu “Vade-Mécum Maçônico”, menciona que o “Olho que Tudo vê”: “Na Loja Maçônica representa a onisciência do Grande Arquiteto do Universo. O Olho que jamais dorme. O Olho simboliza, no plano físico, o Sol visível, de onde emana a Vida e a Luz; no plano intermediário ou astral, o Verbo, o Logos, o Princípio Criador; no plano espiritual ou divino, o Grande Arquiteto do Universo.” 

 

O Supremo Arquiteto escondia-se por trás das nuvens e acompanhava-nos diligentemente, vez por outra, porém, mirava-nos brevemente com seu fulgente olhar. Depois de cientificar-se de que os deuses estavam cumprindo fielmente suas ordens e sentindo que nossos corpos estavam suficientemente aquecidos, ocultava-se novamente. 

 

Chegamos ao Taim às 13h20 e como não conseguimos adentrar no Canal (32°31’08,4”S / 52°34’52,2”O), em decorrência dos bancos de areia, seguimos direto para o Arroio Aguirre, lindeiro à Vila do Taim (Capilla). O Geminiano, um prestativo pescador, deu carona ao Norberto até a cidade para que ele efetuasse algumas compras. Percorremos 49,6 km. Trocando o número 4 de posição obtemos 964, curiosas artimanhas da Numerologia Cabalística do Grande Arquiteto do Universo em homenagem à histórica data (31.03.1964). 

 

1° Perna Total =       349,1 km.

2° Perna Total =       322,2 km.

3° Perna Parcial =     185,1 km.

Total Parcial =          856,4 km. 

 

Arroio Aguirre, Capilla – Ilha Grande (01.04.2016) 

 

O humilhante fim da era Lula. A soberba, a arrogância, a certeza de que nada poderia dar errado fizeram com que Lula colocasse no poder Dilma Rousseff, a mais incapacitada Presidente da história.
(Hugo Cilo ‒ da Istoé Dinheiro, em São Paulo, SP, 1°.04.2016)
 

 

Às 06h25, partimos do Arroio Aguirre (Capilla). Ganhei, no caminho alguns peixes do Sr. Edgar e esposa que pescavam nas proximidades da Capilla e, amavelmente, recusaram-se a receber pagamento pelos mesmos. Uma brisa fresca e céu limpo nos acompanharam até às 10h00 quando fiz uma parada de 20 minutos nas proximidades da Ponta do Salso num banco de areia a 500 m da praia, onde o Norberto, literalmente, enredou-se numa rede. 

 

A partir dessa parada o vento de proa (NE) começou a aumentar chegando aos 6 nós quando adentramos na Boca Sul do Canal S Gonçalo às 14h00. Paramos em Santa Isabel para realizar algumas compras e seguimos para região da Ilha Grande onde aportamos as 16h35. Percorremos 64,7 km. 

 

1° Perna Total =       349,1 km.

2° Perna Total =       322,2 km.

3° Perna Parcial =     249,8 km.

Total Parcial =          921,1 km. 

 

Ilha Grande – Veleiros Saldanha da Gama - VSG (02 a 03.04.2016) 

 

A Presidente Dilma Rousseff (PT) perdeu as condições de governar o país.
(Editorial ‒ da Folha de S. Paulo, em São Paulo, SP, 02.04.2016)
 

 

“Jamais renunciarei”, disse a Presidente Dilma Rousseff, em sua página oficial no Facebook, neste domingo.

(Paula Soprana e Marcelo Moura ‒ da Revista Época, em São Paulo, SP, 03.04.2016) 

 

Acordamos às 05h00, o Norberto precisava chegar à Eclusa até as 11h00, senão ele teria de aguardar o próximo horário, às 15h00, para realizar a transposição. Partimos do “Portinho”, região de Ilha Grande, às 05h41, exatamente uma hora antes do Sol nascer. 

 

O Canal São Gonçalo estava a uns 20 cm acima da cota em que o encontráramos quando adentramos na Mirim. A viagem foi tranquila e por volta das 10h30 transpus uma das comportas da Eclusa sem qualquer dificuldade. 

 

Aportei no VSG, às 13h10, onde fui recebido festivamente pelo Comodoro Dr. João Carlos Hosni que gentilmente permitiu que acampássemos na área do Clube, tendo em vista que as instalações das churrasqueiras estavam reservadas a um evento social. Busquei, novamente, apoio de nossos prestativos Bombeiros tendo em vista as condições de mau tempo previstas. A Brigada Militar do Rio Grande do Sul tem-nos apoiado infalivelmente desde minha primeira investida pelos Mares de Dentro. 

 

Hino do Soldado do Fogo

(Letra: Ten Sérgio Luiz de Mattos

Música: Cap Antônio Pinto Júnior)

 

Aurifulvo clarão gigantesco

Labaredas flamejam no ar

Num incêndio horroroso e dantesco,

A cidade parece queimar

Mas não temem da morte os Bombeiros

Quando ecoa d’alarme o sinal

Ordenando voarem ligeiros

A vencer o vulcão infernal. 

 

Mais uma vez, valemo-nos do nosso caro amigo e “Soldado do Fogo” Coronel PM Sérgio Pastl que entrou em contato com o Comandante do 3° Comando Regional de Bombeiros (CRB) ‒ 2° Subgrupamento de Combate a Incêndio (SGCI) – Sr. Capitão PM Pablo Laco Madruga que autorizou que pernoitássemos no seu aquartelamento. Nosso caro amigo, o 1° Sargento PM Vagner Antonio Weber Gonzáles, levou-nos prontamente ao quartel dos bombeiros onde usamos os varais para estender nosso material de acampamento e roupas molhadas. O alojamento dos oficiais era bastante confortável e podíamos desfrutar de um agradável banho quente.  Compartilhe



Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
04/09/2017 - 09h11
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte III)
04/09/2017 - 09h06
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte II)
04/09/2017 - 09h01
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte I)
28/07/2017 - 16h47
Chapéu Bandeirante
24/07/2017 - 09h01
Atentado à Vida de Plácido de Castro
 
Últimas notícias do site
26/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
26/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
26/09/2017 - 06h21
Terça-feira tem previsão de chuvas isoladas e máxima de 37ºC
25/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
25/09/2017 - 16h38
Preço do botijão de gás terá reajuste de 6,9% a partir de amanhã
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.