zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Geral - 20/02/2016 - 08h23

Planta que atrai libélulas é 'arma' contra inseto, mas divide especialistas

Crotalária tem sido entregue até a autoridades que visitam MS, mas é preciso ter alguns cuidados




Allan Nantes

Saquinhos com sementes da planta trazem orientação sobre o plantio.
Por Flávia Lima do Campo Grande News / Redação Pantanal News

A epidemia de dengue e o avanço do zika vírus, doenças causadas pelo Aedes aegypti, que também transmite a chikungunya, tem levado os governos e a população a buscarem medidas alternativas de combate ao mosquito que possam fortalecer as ações já adotadas nos municípios. Entre elas, vem ganhando força o plantio de uma leguminosa conhecida como Crotalária Juncea.

 

O motivo é que ela atrai a libélula, um predador natural do Aedes. Devido a essa qualidade, nos últimos meses tem sido comum a distribuição de sementes da planta, que na verdade, é uma flor de coloração amarela, por órgãos públicos, empresas e até escolas.

Saquinhos com as sementes foram entregues até durante as visitas dos ministros do Esporte, George Hilton, que esteve na Capital semana passada para participar de ações de combate à dengue, e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, que participou na sexta-feira (19) de atividades do setor deeducação contra o Aedes na cidade. Além disso, virou verdadeira febre na cidade, tanto que em uma das empresas da Capital que comercializa o produto o quilo está sendo vendido a R$ 30,00 e chegou a ficar duas semanas em falta.

"Não sei dizer quantos quilos vendemos por dia, mas duplicou a venda depois da epidemia", diz uma funcionária, que preferiu não se identificar.

A planta tem várias espécies e, segundo o professor da Uniderp (Universidade Para o Desenvolvimento da Região e do Pantanal), Marcos Barbosa Ferreira, doutor em Ciências com especialização em Toxicologia, ela é utilizada na agricultura do Estado há muitos anos, na chamada adubação verde, que consiste na correção e fertilização do solo. 

"Ela pode ser empregada em qualquer tipo de lavoura. É comum o produtor plantar a Crotalária antes de uma cultura para fertilizar o terreno, já que ela fixa o nitrogênio na terra", explica o professor.

Eficácia da Crotalária no combate à dengue ainda é alvo de estudos, mas sementes vem sendo distribuídas na Capital em vários eventos. (Foto:Divulgação)Eficácia da Crotalária no combate à dengue ainda é alvo de estudos, mas sementes vem sendo distribuídas na Capital em vários eventos. (Foto:Divulgação)

Por causa da sua capacidade de adaptação a qualquer região, a planta pode ser facilmente encontrada em qualquer jardim. Após o plantio, a Crotalária Juncea cresce após 100 dias em média e é considerada um repelente natural do Aedes porque em sua fase adulta, atrai a libélula, inseto que se alimenta das larvas do mosquito transmissor da dengue.

O inseto também deposita seus ovos na água parada, assim como o Aedes e quando os ovos da libélula eclodem, as larvas se alimentam das larvas do Aedes. Além disso, há estudos que indicam que a própria libélula quando adulta se alimenta do mosquito Aedes.

Dois lados - No entanto, a "epidemia" de distribuição de sementes divide a opinião de especialistas. Para o coordenador estadual de Controle de Vetores, Mauro Lúcio Rosa, o plantio da flor não pode ser feito de forma indiscriminada.

"É preciso tomar cuidado para não causar um desequilíbrio no meio-ambiente, pois, se atrairmos uma grande população de libélulas, corremos o risco de ter que conviver com uma praga", adverte.

Mauro Lúcio apoia a utilização de armas naturais de combate, como a já popular citronela, mas ressalta que a eficiência desses métodos ainda é discutida pela comunidade científica e, por isso, o combate mecânico e os cuidados para garantir a limpeza das residência e eliminação dos focos deve ser permanentes.

"O carro-chefe da eliminação de focos se chama controle mecânico. Tudo pode ser ferramenta, mas jamais devemos dispensar o manejo ambiental e os cuidados dentro de casa", afirma.

O coordenador também explica que a libélula nem sempre vai eliminar o Aedes, até porque ela vai se alimentar apenas dentro de sua necessidade.

Mas, para quem quiser aposta no método alternativo, Mauro aconselha o plantio em calçadas e jardins, já que ela tem o porte médio e não compromete a estrutura de concreto.

Tóxica – O professor Marcos Barbosa concorda com os locais sugeridos por Mauro, principalmente porque, de acordo com ele, a Crotalária é tóxica e pode causar graves infecções no fígado. O maior risco está na ingestão das sementes que, se forem absorvidas pelo organismo em grande quantidade, pode provocar morte súbita.

Já a ingestão a longo prazo, pode ocasionar cirrose e até câncer. "A planta toda é tóxica. Quem tem crianças em casa deve ficar atento porque até a folha pode fazer mal", alerta.

Por isso, ele diz que é fundamental orientar a população durante a distribuição das sementes em ações de combate à dengue ou mutirões.

"A Crotalária é uma planta ornamental e é tão nociva quanto o Confrei e a Mamona, mas também não podemos colocar medo nas pessoas. Basta tomar cuidado, principalmente com as crianças", destaca.

Na opinião do professor, o alerta deve ser feito apenas quanto a sua toxidade e não ao seu plantio, mesmo que ele ocorra sem controle. Segundo Marcos Barbosa, a Capital sofre com a falta de libélulas, por isso não vê problemas em atrair essa população.

"Levaria muitos anos para sentirmos alguma interferência no meio ambiente. No passado, Campo Grande já teve muito esse inseto e hoje virou raridade. É bom até para repovoar a população que existia", enfatiza.

Quanto a eficácia da planta no combate ao Aedes, o professor explica que atrair a libélula é apenas parte de um processo, já que o ciclo de vida do Aedes é mais curto do quer o da libélula. "O bom é que ela pode depositar os ovos em locais de difícil acesso, assim como o Aedes faz, eliminando as larvas do mosquito", diz.

O ponto comum entre os dois profissionais é a necessidade da população não deixar de fazer sua parte. "As pessoas não podem deixar de lado a conscientização e parar de limpar seus terrenos", conclui.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/10/2017 - 11h24
Se clima ajudar, Capital terá chuva de meteoros neste fim de semana
20/10/2017 - 06h30
Com sabores regionais e até inseto comestível, festival gastronômico começa hoje
20/10/2017 - 06h23
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
19/10/2017 - 15h13
Em 2016, caiu o percentual de pessoas que trabalhavam em empreendimentos de grande porte
19/10/2017 - 06h03
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.