zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Agronegócios - 15/02/2016 - 14h17

Mulheres congelam embriões por medo de microcefalia no ES

Futuras mães temem relação do Vírus da Zika com a doença. Médico disse que deve haver orientação do conselho sobre como proceder.




Por G1 com informações da Carla Sá, de A Gazeta / Redação Pantanal News

A preocupação sobre a relação do Vírus da Zika com a microcefalia está levando mulheres que desejam engravidar a congelar seus embriões e a atrasar o processo de fertilização. Muitas moradoras do Espírito Santo que já faziam tratamento nas clínicas especializadas decidiram esperar para implantar o óvulo fecundado no útero e, assim, engravidar.

“A maioria está optando por esta situação. Orientamos a esperar de quatro a seis meses, até que passe o verão e o período de chuvas, quando se espera que a epidemia esteja mais baixa”, explicou o médico especializado em reprodução humana Jules White.

Ele disse ainda que, nesse tempo, a expectativa é que se tenha uma definição melhor do Conselho Federal de Medicina sobre como proceder na orientação às mulheres que desejam engravidar.

“Quando apareceram os casos aqui fiquei com medo e disse ao médico que faria o tratamento até a coleta dos óvulos e que queria que os embriões fossem congelados”, disse uma paciente que prefere não se identificar.

A mesma situação tem acontecido com as pacientes do médico Carlyson Moschen, mas, em sua clínica, elas são a minoria. “Há mulheres que já estavam em tratamento e preferiram não transferir o embrião e deixar guardado”, comentou.

Ele destaca que as que optaram por implantar o óvulo fecundado recebem uma orientação para prevenção contra o zika. “Tem que conversar, saber se onde mora é uma zona de foco de casos de Vírus Zika, ou mesmo no local em que a pessoa trabalha”, explicou.

Nesses casos, quando a futura mãe assume a possibilidade e faz a fertilização, é preciso tomar precauções básicas, como usar repelente e colocar tela nas janelas. Como o horário que o mosquito mais trafega é no início da manhã e no final da tarde, é quando a mulher tem que estar mais protegida.

Situação delicada
A situação, entretanto, é bastante delicada, já que muitas mulheres que buscam a fertilização prepararam toda a vida para engravidar em determinado momento e há as que já se aproximam dos 40 anos, quando diminuem as chances de a reprodução assistida vingar.

Moschen ressalta que existem muitas incógnitas sobre essa questão e que, apesar das evidências, ainda não está comprovada a relação do zika vírus com a microcefalia nos recém-nascidos.

“Se dizemos que a recomendação é não engravidar, há várias perguntas. Quando terão segurança para recomendar a gravidez? Haverá mais casos daqui a alguns meses ou vão diminuir? Quando teremos um controle do mosquito? Por isso conversamos bastante sobre a situação para tomar uma decisão conjunta sobre quando engravidar” explicou.

“Não se pode restringir o direito da reprodução”
Em um momento em que as dúvidas tomam conta das entidades de saúde e, consequentemente, das mulheres que querem ser mães, entra em voga a discussão sobre a recomendação de engravidar ou não. “Não se pode restringir o direito da reprodução”, defendeu o infectologista Crispim Cerutti Junior.

Ele alerta que é complicado postergar a gravidez baseando-se nos riscos, já que não há certeza sobre eles. “É muito difícil dimensionar, há muitas perguntas sem respostas. Não existe clareza sobre qual é a porcentagem de mulheres grávidas afetadas. E, aparentemente, o risco é no primeiro trimestre, mas isso não é claro”, destacou o médico.

A verdade, destaca o especialista em fertilização Carlyson Moschen, é que não se sabe quando o surto irá diminuir. “Não sabemos quando esse quadro vai melhorar”, ressaltou.

Além disso, esperar que uma solução como a vacina contra o zika vírus aconteça é muito incerto, apesar de o Brasil e os Estados Unidos terem firmado parceria para apresentar a medicação em até três anos e o Instituto Butantan afirmar que estudará se sua vacina contra a dengue pode ser pentavalente, protegendo contra os quatro tipos de dengue e também a zika, com resultados para daqui a um ano.

“Para liberar uma medicação para uso é um longo processo, que dura de quatro a cinco anos. Tem que testar e verificar se não causa danos em várias etapas”, alerta Cerutti.

“Vou esperar até passar o verão”, paciente de fertilização, de 39 anos
“Quando iniciei o tratamento no ano passado não tinha essa história de zika e microcefalia ainda. Logo depois, começou no nordeste e continuei o processo, sem imaginar que chegaria ao Espírito Santo. Quando apareceram os casos aqui fiquei com medo e disse ao médico que faria o tratamento até a coleta dos óvulos e que queria que os embriões fossem congelados. Vou esperar passar o verão, que é a época mais crítica. Devo fazer a fertilização em abril ou maio, quando começa a esfriar e os mosquitos se proliferam menos. Tenho conhecidas que também estão fazendo o tratamento e tomaram a mesma decisão.”

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
19/10/2017 - 10h41
Área semeada de soja em MS ultrapassa 814 mil hectares
19/10/2017 - 09h00
Hortaliças seguem mais baratas e frutas têm aumento de preço em setembro
17/10/2017 - 10h25
Conab assina oito novos contratos com agricultores familiares em MS
17/10/2017 - 10h24
Compostos extraídos da gravioleira têm potencial ação inseticida e antitumoral
11/10/2017 - 07h58
Produção de mudas, coleta de sementes e legislação ambiental são tema de curso em Aquidauana
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.