zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 03/02/2016 - 06h05

Combate ao Aedes aegypti é tema de palestra na Embrapa Pantanal




Fotos: Divulgação










Por Embrapa / Redação Pantanal News

No último dia 29, sexta-feira, os empregados e funcionários terceirizados da Embrapa participaram de uma palestra sobre as formas de prevenir a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, febre amarela, chikungunya e o zika vírus. A ação faz parte da campanha do Governo Federal de combate ao mosquito e, em Corumbá (MS), contou com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde.

Embora a preocupação com os sintomas e as consequências das doenças seja importante neste momento, a palestrante e coordenadora do Centro de Controle de Vetores e Endemias (CCV) do município, Grace Bastos, ressalta a necessidade de impedir a multiplicação do Aedes para evitá-las. “Nós orientamos 10 minutos por semana de cuidado com a residência e com o próprio local de trabalho. É preciso verificar, principalmente, os lugares onde a pessoa fica mais tempo – como escritórios, quartos e banheiros, que são os lugares onde a fêmea do mosquito gosta de ficar”.

Como combater

Segundo Grace, o Aedes aegypti vive perto das pessoas, dentro de casas ou outras construções, e é encontrado com mais frequência próximo a áreas urbanas. “Por isso, a gente orienta que se use algum tipo de substância repelente com citronela nesses locais, aplicando-a sempre embaixo da cama, de sofás e mesas, atrás da cabeceira da cama, do vaso sanitário, da geladeira e das cortinas, dentro e atrás do guarda-roupa e na parte interna da casa do cachorro”, afirma. De acordo com a coordenadora do CCV, a fêmea do mosquito procura lugares escuros para se esconder.

Ao tomar medidas para eliminar os possíveis criadouros do mosquito, ela afirma que é preciso prestar atenção a qualquer superfície que possa acumular água – como vasilhas de ração e água, para quem tem animais em casa. “É preciso tirar ou trocar a água toda semana e passar uma bucha para limpar bem. Aquela sujeira que fica no fundo da vasilha, semelhante a um tipo de lodo, serve como alimento para as larvas do Aedes”, diz. “Outra coisa à qual o morador deve ficar atento: os ralos. Coloque sal grosso, cal ou mesmo água sanitária dentro deles para ajudar a impedir o desenvolvimento das larvas”.

Apoio aos técnicos

Nathália Rojas, responsável pelo setor de educação em saúde do CCV, também ministrou a palestra do dia 29. Ela trabalha com uma equipe para sensibilizar a população em relação à urgência de se combater o Aedes aegypti. “Um mosquito coloca cerca de mil ovos. E ele não vai ficar só na sua casa: vai para a casa do vizinho, para os locais próximos. A responsabilidade do morador não é de cuidar só do seu quintal. É preciso se preocupar com os outros também”, afirma.

Nathália ressalta a dificuldade que alguns técnicos têm ao visitar as residências em busca de focos do mosquito, considerando que muitos moradores impedem a entrada das equipes. “Os técnicos estão capacitados para identificar esses focos. As pessoas têm que aproveitar de toda forma essa visita para aprender a identificá-los também. A equipe não está ali só para dar uma olhadinha no quintal. Ela está preocupada com a saúde do morador, capacitada para informar e tirar todas as dúvidas. São, em média, 10 minutos de visita que a pessoa tem para aproveitar. Ela deve andar junto com o agente, fazer a inspeção e aproveitar a vinda daquele técnico como um meio de falar com os vizinhos e repassar essas informações”.

De acordo com a responsável pelo setor de educação e saúde da instituição, o Aedes aegypti deve ser vencido em conjunto. “Para impedir a proliferação do mosquito, são necessárias ações muito simples. Talvez por isso, algumas pessoas não tenham noção da responsabilidade que elas têm na comunidade onde vivem. É preciso que um ajude o outro na eliminação dos focos. Sozinho, ninguém consegue. Juntos, temos uma chance”.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
13/10/2017 - 09h09
Cinco coisas que tornam você um ímã de mosquitos
09/10/2017 - 10h23
Mato Grosso do Sul recebe nove profissionais brasileiros do Mais Médicos
02/10/2017 - 16h24
Caminhada em Campo Grande chama a atenção para a prevenção e diagnóstico precoce do câncer
19/09/2017 - 15h13
Setembro Amarelo: no mês de prevenção ao suicídio, Hospital Regional apresenta dados para alertar população
24/08/2017 - 15h35
STF decide, por maioria, proibir a comercialização do amianto
 
Últimas notícias do site
18/10/2017 - 16h10
Local de prova do Enem será divulgado na sexta a partir das 10h, diz Inep
18/10/2017 - 16h10
Central 0800 permite solicitação de serviços referentes à iluminação pública
18/10/2017 - 16h05
Corumbá: Estudantes devem fazer rematrícula para vaga na Rede Municipal de Ensino
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
18/10/2017 - 10h57
PMA prende foragido da justiça durante fiscalização
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.