especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Religião - 25/01/2016 - 10h10

Há 48 anos, picolezeiro reza 3 vezes ao dia para "menina santa" morta no Amambaí




Por Paula Maciulevicius do Campo Grande News / Redação Pantanal News

O picolezeiro até para a buzina ao se aproximar da capela feita à Santa Carminha. (Foto: Marcos Ermínio)O picolezeiro até para a buzina ao se aproximar da capela feita à Santa Carminha. (Foto: Marcos Ermínio)

Se seu Francisco passar por ali três vezes, serão as mesmas três vezes em que o boné sai da cabeça e as mãos fazem o sinal da cruz. O picolezeiro até para a buzina ao se aproximar da capela feita à Santa Carminha. A história da menina, ele sabe de cor, dos contos narrados a ele anos atrás, pelos próprios fundadores da cidade de Campo Grande.

 

Carminha era criança ainda quando foi violentada e morta. O corpo foi encontrado em estado de decomposição onde hoje a placa indica "Santa Carminha", na Rua Joaquim Nabuco, próximo à antiga rodoviária, no bairro Amambaí. "Mataram ela em 1919, nesse tempo não tinha nada aqui. Era tudo mato, acabava lá perto da Joaquim Murtinho", conta o picolezeiro Francisco Pedro Mendonça, de 65 anos. 

O que lhe contaram foi que depois de encontrado o corpo, quem "mandava" na cidade, à época o coronel Sebastião Lima mandou que dessem um jeito no autor, morto onde hoje é a Praça Ari Coelho.

 
Antigamente era só a cruz com o nome e o espaço fechado com arame. (Foto: Marcos Ermínio)Antigamente era só a cruz com o nome e o espaço fechado com arame. (Foto: Marcos Ermínio)

"Só sei que eu conheço essa capela tem 48 anos. Ela morreu numa situação bem triste, o que fez com que ela fizesse milagres. Todos os dias que eu passo, eu paro aqui. Se eu passar trê vezes, nas três eu vou rezar", conta.

Antigamente era só a cruz com o nome e o espaço fechado com arame. Seu Francisco lembra que a construção da capela se deu em 1974. "Um senhor fez uma promessa, se ele alcançasse a situação, fazia uma capelinha e fez. Enterrada ela está aqui mesmo, porque o corpo já estava podre", explica.

Para a menina chamada de Santa, o picolezeiro já pediu de tudo e também conta ter sido muito atendido. "Problema de saúde, problema financeiro. Primeiro é Deus, depois é ela, Santa Carminha".

 
Se seu Francisco passar por ali 3 vezes, serão as mesmas três vezes em que ele vai rezar. (Foto: Marcos Ermínio)Se seu Francisco passar por ali 3 vezes, serão as mesmas três vezes em que ele vai rezar. (Foto: Marcos Ermínio)

Nos registros de histórias de Edson Contar, nos anos 50 que a história da menina teve o auge. "Foi uma lenda na cidade, aquela época muito pequena, então tudo o que acontecia, todo mundo ficava sabendo", conta. O status de santa atribuído à ela foi passado de boca em boca. "Um que ia lá, rezava, tinha atendido alguma coisa, achava que era por conta dela e passava para outro", narra o historiador.

Nas décadas passadas, o local recebia, além de flores e velas, muitos brinquedos. A história escrita mesmo não se tem. Parte dela foi relatada numa matéria escrita por Américo Calheiros e que depois virou capítulo do livro "Memórias de Jornal".

"Ela é popularmente conhecida como santa, foi morta por um homem e aqui a população começou a acender velas e fazer pedidos. Por verdade ou coincidência, alguns pedidos foram atendidos, criando essa áurea em volta dela".

Para seu Francisco, pouco importa o que diz o escrito, a verdade é que se três vezes ele passar ali, das três vai rezar à Santa Carminha.

Nas décadas passadas, o local recebia, além de flores e velas, muitos brinquedos. (Foto: Marcos Ermínio)Nas décadas passadas, o local recebia, além de flores e velas, muitos brinquedos. (Foto: Marcos Ermínio)

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
11/01/2018 - 07h12
Com bençãos e noites temáticas, começa hoje a Festa de São Sebastião
03/01/2018 - 08h03
Padre é famoso por chorar em todo casamento, ao lembrar da esposa que partiu
27/12/2017 - 09h22
Com lei da padroeira, “todos os olhos de MS estarão na igreja”, diz padre
26/12/2017 - 12h25
Governador vai sancionar amanhã santa como padroeira do Estado
20/11/2017 - 08h50
Terreiros saem pelas ruas com oferendas para lembrar Oxum e pedir respeito
 
Últimas notícias do site
18/01/2018 - 10h35
Carnaval de Corumbá: inscrições para concurso de fantasias seguem até 31 de janeiro
18/01/2018 - 09h13
Após Exército, Marinha também entra na luta contra o Aedes aegypti em Corumbá
18/01/2018 - 08h35
PMA prender caçador com armas e munições
18/01/2018 - 08h05
CCZ faz no domingo ação para adoção de gatos e cães resgatados na Capital
18/01/2018 - 07h52
PMA captura tamanduá-mirim em rua de bairro da Capital
 

zap

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.