zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 12/12/2015 - 06h45

Naviraí, MS, decreta emergência após 323 casos confirmados de dengue

Prefeito cria comitê gestor para prevenir novos registros do vírus. Nos últimos 30 dias, foram notificados mais de 70 focos.




Por G1 MS / Redação Pantanal News

A prefeitura de Naviraí, município distante 350 km de Campo Grande, decretou emergência para prevenir epidemia de doenças causadas pelo Aedis aegypti. Na cidade de cerca de 55 mil habitantes, foram notificados, em 2015, 1.210 casos da doença e confirmados 323. Nos últimos 30 dias foram encontrados 70 focos de proliferação do mosquito.

Segundo o coordenador de endemias do município, José Pereira da Silva, para prevenir mais casos, também foi criado uma força tarefa. Este grupo deve reforçar a equipe de agentes para ajudar nas vistorias de imóveis e reduzir os focos de proliferação.

O decreto de situação de emergência para "prevenção à epidemia de dengue, Zyca vírus e chicungunya", foi publicado no Diário Oficial dos Municípios desta sexta-feira (11) e tem validade por 180 dias.

Com o decreto, a Gerência de Saúde do município terá que planejar e coordenar medidas de prevenção, estar em contato com gestores estaduais e federais, encaminhar ao prefeito constantes relatórios sobre as ações e divulgar à população informações sobre a situação.

A prefeitura também pede que os demais órgãos do município participem do enfrentamento às doenças causadas pelo Aedes aegypti.

Campo Grande

A capital sul-mato-grossense está em situação de epidemia de dengue. Várias ações estão sendo realizadas de prevenção à proliferação do mosquito causador.

Até o Exército Brasileiro ajuda. Militares recolhem pneus e encaminham para empresa que faz reciclagem. O órgão do Ministério da Defesa também montou tendas para atendimentos médicos em duas unidades de saúde. São profissionais da prefeitura que fazem os atendimentos.

A situação epidemia de dengue foi anunciada pelo secretário-adjunto de saúde do município, médico Vitor Rocha, na quarta-feira (2). A última epidemia da doença tinha sido em janeiro de 2013. Segundo a Sesau, de 27 de janeiro a 8 de dezembro foram 7.614 notificações, sendo 3.819 casos confirmados. Destes, cinco foram considerados graves.

Na capital sul-mato-grossense, oito bairros estão em alerta por causa da alta incidência da doença: Nova Campo Grande, Monte Castelo, Coronel Antonino, Vila Margarida, Jardim dos Estados, Tijuca, Aero Rancho e Jardim Batistão.

Outras doenças
Com relação à chikungunya, de 27 de janeiro a 8 de dezembro ocorreram 74 notificações, com dois casos confirmados, considerados importados de outros locais e tratado na capital. Quanto ao zika vírus, o levantamento feito pela Sesau até a terça-feira (08) aponta 75 casos investigados com suspeita da doença e nenhum caso confirmado.

Cuidados
Além das ações do poder público, a população também pode e deve colaborar para evitar a proliferação do mosquito. Não deixar água acumulada é o principal cuidado, já que é onde a fêmea bota os ovos. Cada vez, um mosquito deposita cerca de 40 ovos.

Transmissor
O aedes aegypti é o transmissor da dengue e de diversas outras doenças. Nesse período de temperaturas altas, a reprodução do mosquito é acelerada. “As temperaturas não mais altas, esse tempo tende a diminuir, então a quantidade de insetos que são lançados no ambiente é muito maior”, explicou Alessandra Gutierrez de Oliveira, doutora em Biologia Parasitária.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
13/10/2017 - 09h09
Cinco coisas que tornam você um ímã de mosquitos
09/10/2017 - 10h23
Mato Grosso do Sul recebe nove profissionais brasileiros do Mais Médicos
02/10/2017 - 16h24
Caminhada em Campo Grande chama a atenção para a prevenção e diagnóstico precoce do câncer
19/09/2017 - 15h13
Setembro Amarelo: no mês de prevenção ao suicídio, Hospital Regional apresenta dados para alertar população
24/08/2017 - 15h35
STF decide, por maioria, proibir a comercialização do amianto
 
Últimas notícias do site
18/10/2017 - 16h10
Local de prova do Enem será divulgado na sexta a partir das 10h, diz Inep
18/10/2017 - 16h10
Central 0800 permite solicitação de serviços referentes à iluminação pública
18/10/2017 - 16h05
Corumbá: Estudantes devem fazer rematrícula para vaga na Rede Municipal de Ensino
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
18/10/2017 - 10h57
PMA prende foragido da justiça durante fiscalização
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.