especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 21/11/2015 - 06h08

Pacientes dão 'injeção de ânimo' a jovens voluntários em Dourados, MS

Bem-me-quer é realizado em Dourados e tem 90 jovens voluntários. Intenção de projeto é quebrar rotina de pacientes e profissionais da saúde.




Fotos: Aline Paterlini/Arquivo Pessoal

Voluntário brinca com criança.



Voluntários dançando com crianças.



Da direita para esquerda: Aline, idoso que "adotou" alunas, Camila, e outro idoso.
Por G1 MS / Redação Pantanal News

Jovens com muita saúde decidiram se juntar para dar um pouco de alegria a pessoas que estão privadas de liberdade, seja porque estão internadas ou no asilo. Mas o que era para ser um simples trabalho voluntário acabou se transformando em "injeção de ânimo" para o grupo de 90 voluntários do projeto Bem-me-quer, em Dourados, cidade a 214 quilômetros de Campo Grande.

Coordenadoras gerais e alunas de medicina, Aline Paterlini, de 20 anos, e Camila do Carmo Siqueira, de 19 anos, contaram ao G1que as visitas que os voluntários realizam promovem contato com a comunidade e constrói um olhar diferenciado na profissão que escolheram seguir. “No projeto tem alunos de medicina e de outros cursos também, porque nós percebemos que a humanização é importante para todos”, disse Camila.

Elas ainda explicaram que o projeto é composto de acadêmicos de três universidades da cidade, além disso, há diversas coordenações. “É segmentado, tem coordenadores gerais, financeiros, de eventos. Os financeiros, por exemplo, arrecadam dinheiro para maquiagem, já que usamos nas visitas”, informou Camila.

 

Se entregar a uma causa e dar atenção aos que precisam se tornou realidade para as futuras médicas em 2013, ano que iniciaram o curso. “O projeto foi apresentado para a gente através dos veteranos. Ali vi uma ótima oportunidade, a de lidar com pessoas diferentes”, afirmou Aline. 

A ação em prol do bem-estar de pacientes é mais que um projeto. Para as amigas também se tornou uma espécie de “família”. “Vim de fora e, quando entrei no projeto, começou a criar uma estrutura aqui. Ele me deu a oportunidade de fazer bem para outras pessoas, de me entregar a alguma causa”, contou Aline ao G1. Já para Camila, o projeto deu a oportunidade de fazer a diferença na vida de alguém. “Pude sair desse mundinho de 'estou fazendo medicina', tirar essa arrogância e conhecer novas pessoas, de abordá-las. O projeto é algo natural para mim”, completou Camila.

Adotadas
Em projetos sociais há sempre um momento, conversa ou pessoa que marca a vida de voluntários. Para as meninas não é diferente. Elas contaram que juntas passaram por uma situação e até foram “adotadas”.

“Tem um senhor que sempre gosta da gente. Em um dia até tiramos foto com ele, e ele pediu a foto, queria guardar. No dia que fui levar para ele, conversamos e ele chorava, disse que quando íamos lá ele ficava muito feliz. E ele é sempre o mais alegre do lar do idoso, sempre interage, mas naquele dia ele contou que tinha problemas, mas com a gente ele esquecia disso. Essa situação foi bem intensa, saímos de lá com os olhos cheios de lágrimas. E para completar ele disse que éramos como filhas dele em Dourados, porque ele podia dar carinho para a gente”, enfatizou Camila.

Bem-me-Quer
O Bem-me-Quer foi criado em 2007, como projeto de extensão do Centro Acadêmico de Medicina - Camilo Ermelindo da Silva (CACES), sob coordenação de alunos e orientado pelo professor Emerson Henklain Ferruzzi.

A intenção do projeto é quebrar a rotina dos pacientes e profissionais de saúde da rede pública com bom humor, conforto e humanização.

 

Voluntários reunidos (Foto: Aline Paterlini/Arquivo Pessoal)Voluntários reunidos (Foto: Aline Paterlini/Arquivo Pessoal)

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
18/01/2018 - 09h13
Após Exército, Marinha também entra na luta contra o Aedes aegypti em Corumbá
16/01/2018 - 15h43
Secretaria disponibiliza 80 mil doses de vacina contra febre amarela em MS
03/01/2018 - 15h03
MS teve no ano passado menor registro de dengue em 8 anos
02/01/2018 - 15h31
Planos de saúde já estão obrigados a cobrir 18 novos procedimentos
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
 
Últimas notícias do site
19/01/2018 - 15h00
Agenda Cultural: fim de semana está repleto de opções com samba, rock, pop e funk
19/01/2018 - 13h00
Inmet alerta para chuvas intensas e ventos de até 100 km por hora em MS
19/01/2018 - 08h32
Fazendeiro é autuado em R$ 159 mil por desmatamento ilegal
19/01/2018 - 07h35
Carnaval de Corumbá terá Axé Blond, Revelação e baterias da Mangueira e Gaviões da Fiel
19/01/2018 - 07h10
Carnaval de Corumbá: atrações tem até hoje para realizar cadastro
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.