zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Aldeias do Pantanal - 16/11/2015 - 08h24

Exército encerra operação e deixa área de conflito entre índios e fazendeiros

Em nota, comando da 4ª Brigada diz que missão foi cumprida em operação determinada pela presidente Dilma a pedido do governo de Mato Grosso do Sul após confronto que terminou com índio morto




Por Helio de Freitas, de Dourados do Campo Grande News / Redação Pantanal News

Militares do Exército Brasileiro deixam nesta segunda a região de Antonio João após 75 dias de operação (Foto: Eliel Oliveira)Militares do Exército Brasileiro deixam nesta segunda a região de Antonio João após 75 dias de operação (Foto: Eliel Oliveira)

O Exército encerrou à meia noite deste domingo (15) a Operação Dourados, iniciada no dia 1º de setembro deste ano para garantir a paz entre índios e produtores rurais do município de Antonio João, a 279 km de Campo Grande, na fronteira do Brasil com o Paraguai.

 

Em nota, o comando da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada em Dourados, que coordenou a operação em Antonio João e também nos municípios de Ponta Porã, Aral Moreira e Bela Vista, diz que a missão “foi cumprida”. Os militares começaram a deixar a região nas primeiras horas desta segunda.

Determinada pela presidente Dilma Rousseff a pedido do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), a operação tinha sido iniciada no 1º de setembro deste ano, três dias após o confronto entre fazendeiros e índios que lutam pela demarcação do território de Ñanderu Marangatu, que terminou com a morte do guarani-kaiowá Semião Fernandes Vilhalva, 24, alvejado com um tiro na cabeça, na fazenda Fronteira.

A operação tinha sido prorrogada por duas vezes - a primeira em outubro, por 30 dias, e a segunda agora no início de novembro, mas por apenas mais 15 dias.

1.200 homens mobilizados – De acordo com o Exército, nos 75 dias da operação, “para garantir a lei e a ordem”, pelo menos 1.200 homens foram mobilizados nos quatro municípios. Nas áreas ocupadas pelos índios, os militares permaneceram na porteira de duas fazendas e nas rodovias que ligam as cidades da região e passam pelas propriedades.
Uma dos locais vigiados pelos militares era a sede da fazenda Fronteira, de propriedade do ex-prefeito Dácio Queiroz Silva, que mora no local. Uma equipe do Exército permanecia em frente à casa, a menos de 500 metros do local onde Semião morreu e onde fica um dos acampamentos dos índios.

“Foram 75 dias de operações ininterruptas sendo empregados cerca de 1.200 militares do Exército, além da importantíssima participação dos órgãos de segurança pública, estaduais e federais, cabendo destacar o Departamento de Operações de Fronteiras e a Força Nacional de Segurança, órgãos que atuaram ininterruptamente conosco, na área de operações”, diz trecho da nota da 4ª Brigada.

“Imparcialidade” – O comando afirma que durante esse período, o Exército pautou sua atuação “pela total imparcialidade e segundo a lógica de que, a despeito do contencioso existente, todos nós somos brasileiros”. Não há registro de incidentes durante a permanência dos militares na área de conflito.

“Seguimos, assim, a cartilha escrita pelo nosso patrono, o Duque de Caxias, que, em meio às revoltas internas do século XIX que ameaçavam dividir o Brasil em diversos Estados independentes, tal qual ocorreu no restante da América do Sul, liderou a Nação para que a mesma permanecesse unida e integrada tal qual ela é hoje”, afirma nota do comando do Exército em Dourados.

A nota é concluída afirmando que o Brasil como Nação é bem maior do que os “contenciosos sociais existentes”, mas defende medidas para “superá-los com urgência”.

Com autorização da Justiça – Os índios que lutam pela terra Ñanderu Marangatu voltaram a ocupar as fazendas em agosto deste ano, uma década depois de serem despejados por ordem do STF (Supremo Tribunal Federal).

Desde o confronto que terminou com a morte de Semião, a região vive em clima de tensão. No dia 21 de outubro, os índios deveriam ter sido despejados da área. A Polícia Federal e a tropa de choque da Polícia Militar já estavam mobilizadas para a desocupação, mas a vice-presidente do STF, ministra Carmen Lúcia, suspendeu o mandado de reintegração e garantiu a permanência dos índios nas áreas até o julgamento da ação.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
05/05/2017 - 16h18
Campanha de vacinação dos povos indígenas 2017 começa nesta sábado
23/03/2017 - 10h58
Mato Grosso do Sul: Indígenas recebem cestas de alimentos da Conab
09/02/2017 - 10h14
Presidente nacional da Funai visita Dourados e áreas de conflito em MS
23/01/2017 - 07h27
Mitologia dos índios Guaranis vai representar o Brasil no Festival de Berlim
03/01/2017 - 10h01
Indígenas de Mato Grosso do Sul recebem cestas de alimentos
 
Últimas notícias do site
17/10/2017 - 16h42
PMA autua fazendeira por degradação em margem de rio
17/10/2017 - 16h02
Aprovado projeto que incentiva entidades filantrópicas
17/10/2017 - 15h58
Membro atuante da CPI, Dr. Paulo Siufi apoia reivindicação de trabalhadores da JBS
17/10/2017 - 14h39
Bombeiros fazem sobrevoo para avaliar combate a fogo que já destruiu 20 mil ha
17/10/2017 - 14h00
Fazendeiro é autuado em R$ 18 mil por desmatamento e exploração ilegal de madeira
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.