CARNAVAL CORUMBÁ 2018
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Ciência e Tecnologia - 23/10/2015 - 07h10

Pesquisas inovadoras são apresentadas para público na Semana de Ciência e Tecnologia




Fotos: Alice Feldens Carromeu







Por Bruno Chaves do Notícias MS/ Redação Pantanal News

Campo Grande (MS) – Entre as atrações que podem ser vistas durante a Semana de Ciência e Tecnologia, evento que está acontecendo em Campo Grande, estão as exposições de projetos de pesquisas realizados por diversas instituições de Mato Grosso do Sul.

A ExpoLumine é uma delas, onde é contado um pouco sobre a história da luz ao longo do tempo – desde a descoberta do fogo, ao uso de tochas, lampiões e até as lâmpadas mais modernas. A exposição faz parte do projeto Minerva, coordenado pelo professor Ivo Leite, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e do qual fazem parte inúmeros estudantes.

O visitante que chega à ExpoLumine passa por quatro etapas: após assistir a um vídeo explicativo sobre o que será visto, é levado por um guia a uma sala repleta de imagens que contam um pouco sobre a linha do tempo da luz, de forma cronológica. A segunda etapa mostra imagens fascinantes da natureza, como as de animais e plantas que são capazes de produzir sua própria luz. Em seguida, vem a parte prática, com instrumentos e experiências que mostram fenômenos químicos e físicos da luz.

David di Martini, aluno de eletrotécnica do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), mostra alguns dos fenômenos, como o holograma formado pela passagem da luz por diversos espelhos, ou ainda o miniglobo de plasma, que contém uma esfera com campo magnético que libera energia toda vez que entra em contato com algo, no caso, os dedos do corpo humano.

Já ao final da ExpoLumine o tema central é o consumo de energia elétrica dentro de casa, elencando os  aparelhos que consomem mais ou menos energia, bem como as práticas de uso para economizar o consumo. “Aqui, fazemos uma verdadeira aula de conscientização aos visitantes para minimizar o consumo de energia elétrica em suas residências, como por exemplo, manter o hábito de fechar o chuveiro enquanto toma banho, ou não ficar abrindo a geladeira o tempo todo, pois a cada nova abertura da porta, ela gasta muito mais energia para manter-se refrigerada”, afirma o pesquisador Rubens Marcelo da Silva.

Silva também mostra a experiência com diferentes tipos de lâmpadas acesas, explicando suas diferenças. “É preferível utilizar lâmpadas fluorescentes ou de Led no lugar das incandescentes, pois são bem mais econômicas. No caso, as lâmpadas de Led são as que menos consomem energia e possuem uma vida útil muito maior que as demais”, conclui.

Outra exposição que tem atraído a curiosidade de muitos jovens tem sido a MicroMundo 3D, onde há painéis expondo imagens tridimensionais de partes microscópicas de espécies e da flora e fauna do cerrado, produzidas por um microscópio eletrônico de varredura.

Para melhor visualização, os alunos utilizam óculos 3D e podem apreciar detalhes de imagens, como pólen em plantas, vermes, espuma, tecidos, fibras ou animais microscópicos. “É a primeira vez que uso um óculos assim, é muito legal e diferente, parece que entramos dentro das fotos”, diz o aluno Diego dos Santos, de 08 anos.

Estandes institucionais

Já na parte externa do evento está a exposição dos estandes de instituições parceiras, como é o caso da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect), Federação das Indústrias de MS (Fiems), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto Federal de MS (IFMS), Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/MS), Secretaria Municipal de Educação (Semed), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Serviço Social do Comércio (Sesc), Energisa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa/Pantanal), e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

Um aparelho que simula a prática das máquinas dentro das indústrias é possível ser visto no estande da Fiems. A chamada bancada de eletropneumática mostra o que acontece internamente caso seja acionado o botão de ciclos rápidos, ciclos contínuos, ou de emergência.

“Em nosso ambiente também está disponível um computador onde os participantes podem se inscrever gratuitamente em diversos cursos de educação a distância (EAD), como desenho arquitetônico, educação ambiental, segurança no trabalho, finanças pessoais, empreendedorismo, entre outros”, explica a estudante Jully de Barros Coronel.

Já a radiação solar é o tema de dois experimentos do projeto Construindo Saberes de Engenharia, apresentados no estande da UCDB. A acadêmica de engenharia civil, Iris Braga Justo, fala sobre o aquecedor solar de água voltado para pequenas residências e populações de baixa renda, por ser de fácil acesso e baixo custo. “É um sistema de termossifão, onde a água sai gelada do reservatório e passa pela placa solar, que é feita com garrafas pet, caixas de leite pintadas de preto e tubos de PVC, e sai quente ao final do processo”, esclarece.

O outro experimento é o chamado “Sodis” (em inglês, solar water disinfection), ou seja, um método de desinfecção solar da água, e quem explica é a acadêmica de Engenharia Sanitária e Ambiental, Beatriz Machado. “Os resíduos sólidos das residências podem causar sérios impactos ambientais e doenças. Com este instrumento nós recolhemos a água ou esgoto e realizamos uma exposição solar em diferentes horários ao longo do dia, e depois analisamos o resultado para descobrir se houve uma correta e satisfatória desinfecção das impurezas”. A acadêmica afirma ainda que se, caso a amostra estiver dentro dos padrões, pode ser utilizada como reuso para outras situações.

A estudante Grazielle Rondom, de 16 anos, que cursa o primeiro ano do ensino médio estava entre os visitantes do estande e se mostrou entusiasmada com a explanação dos experimentos. “Achei muito criativos os dois projetos e já penso até em tentar um curso de engenharia quando for para a faculdade”, confessa.

As exposições e os estandes estarão abertos à visitação até as 17h30 da sexta-feira (23), no prédio do Memorial da Cultura, situado na avenida Fernando Corrêa da Costa, 559. Para ver a programação completa do evento, clique aqui.

 

 

 

Alice Feldens Carromeu, Mídia Ciência da Fundect.

 

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/11/2017 - 09h39
Projetos do IFMS conquistam principais prêmios de feira científica estadual
08/11/2017 - 15h17
Estudantes do IFMS vencem competição nacional de foguetes
25/10/2017 - 07h46
Reinaldo participa da abertura da Semana de Tecnologia nesta quarta-feira
21/08/2017 - 11h51
IFMS prorroga inscrições em Feiras de Ciência para setembro
22/06/2017 - 10h05
IFMS promove evento de tecnologia aberto à comunidade em Aquidauna
 
Últimas notícias do site
16/01/2018 - 15h43
Secretaria disponibiliza 80 mil doses de vacina contra febre amarela em MS
16/01/2018 - 14h30
Obra de qualidade é uma das marcas do Governo, diz Rose depois de visitar Corumbá
16/01/2018 - 10h30
Ipê-roxo é primeira árvore do Cerrado a ter genoma sequenciado
16/01/2018 - 08h40
Rebanho de MS cresceu para 21.8 milhões de cabeças de gado em 2017, diz Iagro
16/01/2018 - 08h34
Prefeitura de Corumbá implanta ponto eletrônico
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.