TRANSPARENCIA GOV DEZ
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 02/10/2015 - 06h50

Campanha de combate a tuberculose reafirma que doença tem cura

Em Mato Grosso do Sul, a saúde pública registrou em 2014, 851 novos casos de tuberculose.




Divulgação

Por Diana Gaúna do Notícias MS/ Redação Pantanal News

Campo Grande (MS) – Com o lema “testar, tratar e vencer”, a Campanha de Combate a Tuberculose do Ministério da Saúde lançada nesta quinta-feira (1) incentiva que as pessoas com sintomas da doença a procurar atendimento médico. Por meio dela, as autoridade reafirmam que, com o tratamento correto, a doença tem cura. Em Mato Grosso do Sul, a saúde pública registrou em 2014, 851 novos casos de tuberculose.

Neste ano de 2015, o jogador Thiago Silva, que foi diagnosticado com a doença e se curou pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é o protagonista da campanha. Conforme as autoridades nacionais de Saúde, a falta de informação ainda é o maior obstáculo ao disgnóstico e tratamento.

A tuberculose é causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode ocorrer em outras parte do corpo como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro). Na maioria das pessoas infectadas, os sinais e sintomas frequentes são tosse seca contínua, no início da doença, que evolui para tosse com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformando-se, na maioria das vezes em uma tosse com pus ou sangue; cansaço excessivo; febre baixa geralmente a tarde; sudorese noturna; falta de apetite; palidez; emagrecimento acentuado; rouquidão; fraqueza e prostração.

O Gerente Técnico do Programa de Controle de Tuberculose e Hanseníase, Luís Carlos de Oliveira Junior, explica que hoje, mesmo com o envolvimento das três esferas (Ministério da Saúde, Governos dos Estados e Prefeituras) cada município é responsável pelo seu paciente. “Não precisamos isolar mais o paciente dentro de um hospital. O tratamento hoje é realizado na atenção básica, que é quem fica responsável por fazer a buscativa e o tratamento dessas pessoas”, explicou.

Dentro desse programa, o Governo do Estado tem papel importante. “O Governo do Estado participa ajudando nas campanhas, monitorando os casos, avalia banco de dados e indicadores, faz treinamento com agentes de saúde nos municípios para ajudar na buscativa e controlar a cadeia de transmissão. Também, naqueles casos mais complicados, quando o paciente não responde a medicação básica, referencia essas pessoas para tratar na atenção secundária que são hospitais e Centro de Tratamento de Doenças Infectoparasitárias (Cedip)”, informou.

A estratégia adotada pelo Ministério da Saúde, de descentralização do tratamento para a atenção básica, resultou na diminuição do número de casos e mortes e de abandono do tratamento. Parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social ampliou o acesso do serviço de saúde às populações vulneráveis à doença – populações indígenas, população privada de liberdade, moradores de rua, além das pessoas vivendo com o HIV.

Dados

De acordo com Luís Carlos, o levantamento de casos é feito anualmente, por isso estão disponíveis somente os dados de 2014. Naquele ano, Mato Grosso do Sul registrou 851 novos casos, o que caracteriza uma taxa de incidência de 32,49 casos a cada 100 mil habitantes. O número de óbitos foi de 10 mortes. A taxa de abandono é de 6,92% de pessoas que desistiram do tratamento.

Contudo, o gerente técnico alerta os municípios para que se esforcem para alimentar o sistema em tempo hábil. “Temos certeza de cura de 60% desses pacientes. Mas o número pode ser maior, uma vez que 35,9% do sistema não foi alimentado a tempo pelos técnicos. Então é muito importante que todos se esforcem. Desse total, muito provavelmente a maior parte vai para a cura e somente uma pequena porcentagem corresponde ao abandono e morte”, disse.

Doença

Em 2015, começa um anova etapa de combate a tuberculose. O Mistério da Saúde assume o compromisso de reduzir em 95% os óbitos e em 90% o coeficiente de incidência da doença até 2035.

A transmissão é feita pessoa para pessoa,por meio de gotículas de saliva que são expelidas ao falar, espirrar ou tossir. Somente 5% a 10% dos infectados pelo bacilo de Koch adquirem a doença. O risco de transmissão é maior entre pessoas que vivem em ambientes fechados, mal ventilados e sem iluminação solar. A tuberculose não se transmite por objetos compartilhados.

O tratamento deve ser feito por um período mínimo de seis meses, sem interrupção e diariamente. No esquema básico são utilizados quatro medicamentos: rifampicina, pirazinamida, isoniazida e etambutol. Todos os pacientes que seguem o tratamento param de transmitir a doença depois dos primeiros 15 dias e em seis meses são curados.

Como forma de prevenir formar mais graves da doença, o Ministério imuniza crianças no primeiro ano de vida e no máximo até quatro anos, com a vacina BCG.

Diagnóstico: Gene Xpert

Além da campanha de combate, o Ministério trabalha com a melhoria do diagnóstico da doença. Em 2014 forma distribuídos 175 equipamentos de teste rápido a 94 municípios, onde se concentram 55% dos novos casos registrados no Brasil.

Denominado “Gene Xpert”, o teste detecta a presença do bacilo causador da doença em duas horas e identifica se há resistência ao antibiótico rifampicina, usado no tratamento básico. O exame laboratorial tradicional pode levar de um a dois meses. Em um ano, foram realizados mais de 145 mil testes.

“Em Mato Grosso do Sul, o Gene Expert começou a ser usado neste ano de 2015 para diagnóstico de populações vulneráveis nas cidades de Corumbá, Amambai e Campo Grande. É um aparelho do tamanho de um computador, com o qual se faz quatro exames a cada duas hroas. O aparelho já mostra inclusive se o paciente tem resistência ao medicamento. Com ele é possível otimizar o tempo e com isso iniciar o tratamento com antecedência”, finalizou Luís Carlos.

Clique aqui e veja o vídeo oficial da campanha.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
13/11/2017 - 11h30
Lei: deputado Dr. Paulo Siufi cria “Agosto Verde” para prevenir depressão e outros males
08/11/2017 - 16h10
Sesau investiga morte de macaco, animal hospedeiro da febre amarela
31/10/2017 - 14h46
Cirurgia de Ruiter teve início na tarde desta terça-feira
31/10/2017 - 09h07
Com quadro clínico estável, prefeito de Corumbá já está sendo operado
 
Últimas notícias do site
13/12/2017 - 08h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
13/12/2017 - 07h58
Azambuja se reúne com empresa e dá posse ao novo secretário de Saúde
13/12/2017 - 06h54
'Dog itinerante': Este cachorrinho já visitou mais cidades que muita gente
13/12/2017 - 06h38
Dia amanhece com sol entre nuvens, mas previsão é de temperatura alta
12/12/2017 - 14h30
Produção de grãos em MS cresce 40%, alta acima da média nacional
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.