zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 22/07/2015 - 08h40

Missão Pantaneira















Por Hiram Reis e Silva (*)

A 11 (11.06.1867) chegamos ao Porto do Canuto à margem esquerda do Aquidauana. Tal o último trecho de nossa penosa retirada. Ali findou o doloroso itinerário que, como expiação de nossas temeridades, nos fizera curtir tantas misérias quantas pode o homem suportar sem sucumbir. No Canuto nos despojamos dos miseráveis andrajos que nos cobriam, libertando-nos, afinal, da mais horrível sevandija (insetos parasitas ou vermes imundos) e dos parasitos do campo, que, perfurando a pele, nela produzem dolorosas úlceras. Oferecia-nos o magnífico ensejo para as nossas todas estas paragens podem ser chamadas: a terra das águas belas. (TAUNAY) 

O período de 1987 a 1889 que passei em Aquidauana, MS, foi muito gratificante, tanto no campo profissional como no privado, e eu estava ansioso por abraçar meus amigos de longa data tanto da caserna como da sociedade civil. Tinha programado a Descida desde o Porto Canuto, Aquidauana, MS, até o Rio Paraguai em setembro ou outubro período menos sujeito às chuvas e mais propício para reportar as belas paisagens pantaneiras. A ideia era ir acampando nas margens dos Rios, mas o VMN, meu parceiro de canoagem na década de oitenta, sugeriu o mês de julho com apoio de uma chalana patrocinada por empresários locais. O patrocínio aventado, infelizmente, não se concretizou forçando-me a solicitar, mais uma vez, o apoio de meus fiéis amigos investidores do Projeto Desafiando o Rio-mar. Tive, em virtude da alteração da data, de adiar uma série de palestras e participação em eventos já programados para julho no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 

Fiquei hospedado, antes de iniciar a Pantaneira Jornada, nas instalações do 9° Batalhão de Engenharia de Combate, comandado pelo Coronel de Engenharia José Diderot Fonseca Junior e, depois de concluí-la, na residência de minha querida amiga Noise Resstel Correa Santos e de seus filhos Mauro e Marco Túlio.

 

30.06.2015 ‒ Partida do Porto do Soldado ‒ Aquidauana, MS

 

Partimos por volta das 06h00, acompanhados da jovem e promissora canoísta Luiza Cavallieri, navegando por águas rápidas e tranquilas. Encontramos muitos pescadores encarapitados nas barrancas tentando fisgar os poucos peixes que se atreviam a singrar as águas barrentas e frias do Rio Aquidauana. Mantive um ritmo bastante lento procurando manter contato visual com a dupla e adaptando progressivamente meu corpo ao esforço repetitivo, tendo em vista que não remava desde a conclusão da Circunavegação da Laguna dos Patos em 29.05.2015. Usei o mesmo remo de fibra de carbono que o Dr. Marc André Meyers usara na Descida do Rio Roosevelt em outubro de 2014. Custei a me adaptar ao diâmetro do cabo do remo e à maneira de cravar as pás nas águas do Aquidauana e nos dois primeiros dias senti saudades do meu velho remo de alumínio com pás de plástico que me acompanha há três décadas. A empunhadura diferenciada resultou em algumas incômodas calosidades que foram facilmente contornadas com esparadrapo. 

Paramos, por volta das 16h00, em um pesqueiro da Fazenda Baía, preocupados com a chalana não aparecera ainda. Brincamos com um lobinho muito manso (Pseudalopex gymnocercus –  também conhecido como guaraxaim ou sorro). Aluguei um pequeno apartamento, o VMN preparou o jantar e depois de algum tempo apareceu o Sr. Celso Ortega, piloto da chalana, mais conhecido como o “Velho do Rio”. Ele e o Sr. Aroldo Costa, um experiente pescador de 78 anos ‒ o “Limpa Rio” – demoraram porque tiveram de trocar, no caminho, a hélice avariada da chalana.

 

01.07.2015

 

O segundo dia de viagem foi igualmente tranquilo, continuei acompanhando a Luiza que pilotava com maestria invulgar seu 4.5 e aportamos às 10h30 na Fazenda São José onde está instalada a Pousada Aguapé. Aqui nos despediríamos da nossa querida amiga canoísta que regressaria a Aquidauana. Visitando as belas instalações da Pousada Aguapé avistamos um boi que tinha sido recentemente abatido. O VMN pretendia aguardar o churrasco que sairia após as 12h00, um atraso que fatalmente impediria de atingirmos a meta diária de 70 km e nos forçaria a remar durante muito tempo enfrentando a forte canícula pantaneira e os fortes ventos vespertinos. Partimos antes da chegada da chalana que depois nos ultrapassou para procurar um local adequado para aportar e dar tempo para que o Comandante Celso Ortega preparasse o jantar. Os grandes pacus pescados pelo veterano “Limpa Rio” foram degustados com muito prazer no final desta jornada. No jantar eu só comia peixe dispensando qualquer outro tipo de acompanhamento e, durante as remadas, ingeria água e banana, um verdadeiro manjar para um velho marujo pouco acostumado a mordomias.

 

02.07.2015

 

Ama as águas! Não te afastes delas! Aprende o que te ensinam! Ah, sim! Ele queria aprender delas, queria escutar a sua mensagem. Quem entendesse a água e seus arcanos – assim lhe parecia – compreenderia muita coisa ainda, muitos mistérios, todos os mistérios. (HESSE)

 

Acordamos cedo e fiquei aguardando a penumbra lentamente se dissipar. Parti bem antes de o Sol nascer. Gosto de navegar solitariamente usufruindo das belezas naturais que me cercam e enfrentar todo tipo de obstáculos acompanhado de longe pelo Grande Arquiteto do Universo. Saindo antes do amanhecer tenho a rara oportunidade de me entranhar nos sutis meandros aquáticos, de imergir literalmente no momento mágico que é o despertar de um novo dia. A uniformidade da flora vai ganhando novos contrastes, novas cores, novas luzes, numa invulgar explosão que apresenta progressivamente a pujança extrema da biodiversidade tropical. A fauna preguiçosa acorda e entoa uma ode maravilhosa sob a batuta do astro rei, tons diversificados, emitidos pelas mais diversas gargantas, irmanadas numa sinfonia única acompanhada de longe pelo som melancólico dos bugios. Meu coração e minha mente seguiam a par e passo cada palavra, cada estrofes da “Litania das Horas Mortas” do Príncipe dos Poetas Piauienses e autor da letra do Hino do Piauí Alberto Francisco da Costa e Silva. 

Litania das Horas Mortas

 

(Alberto Francisco da Costa e Silva)

 

Por estas horas de silêncio e solidão,

Eu gosto de ficar só com o meu coração.

 

É nestas horas de prazer quase divino

Que eu me sinto feliz com o meu próprio destino.

 

Por estas horas é que a cisma (o devaneio) me conduz

Por estradas de treva e caminhos de luz.

 

É nestas horas, quando em êxtase medito,

Que sinto em mim a nostalgia do infinito.

 

Por estas horas, quando a sombra estende os véus,

A fé me leva além dos mais remotos céus.

 

É nestas horas de tristeza e de saudade

Que desperta em meu ser a ânsia da Eternidade.

 

Por estas horas, minhas naus ousam partir

Para Istambul, para Golconda, para Ofir...

 

É nestas horas, Noite amiga, em teu regaço,

Que eu me difundo pelo Tempo e pelo Espaço.

 

Por estas horas eu somente aspiro ao Bem,

Que em vida se tornou minha Jerusalém.

 

É nestas horas, quando o espírito descansa,

Que me depões na fronte o teu beijo, Esperança!

 

Por estas horas é que eu sinto florescer,

Como os astros no céu, o jardim do meu ser,

 

É nestas horas de quietude que deponho,

Ó Noite! Em teu altar, minha lâmpada – o Sonho.

 

Por estas horas é que eu gosto de sonhar,

Para ter ilusões brancas como o luar.

 

É nestas horas de mistério e beatitude

Que a Glória me fascina e a Poesia me ilude.

 

Por estas horas de tranquila e doce paz,

Quanta serenidade o espírito me traz!

 

É nestas horas, quando a treva se constela (dispõe os astros em constelação),

Que ouço o teu canto nas estrelas, Filomela!

 

Por estas horas, a minh'alma anseia por

Teu encanto, Ventura! e teu engano, Amor!

 

É nestas horas de tristeza e esquecimento

Que eu gosto de ficar só com o meu pensamento.

 

Por estas horas eu me julgo Parsifal (Cavaleiro que assume a condição de Rei do Graal)

Para ir pela renúncia à conquista do Graal.

 

É nestas horas que, como um eco profundo,

Repercute no meu o coração do mundo.

 

Por estas horas transitórias e imortais

Se desvanecem minhas dúvidas fatais.

 

É nestas horas de harmonia indefinida

Que eu tento decifrar o teu enigma, Vida!

 

Por estas horas, meu instinto morre, com

A intenção de ser justo, o anseio de ser bom.

 

É nestas horas de fantástico transporte

Que eu busco interrogar a tua esfinge, Morte!

 

Por estas horas, eu me enlevo assim, porque

Vela no lodo humano a luz que tudo vê...

 

Por tuas horas silenciosas, benfazejas,

Deusa da Solidão, Noite! bendita sejas! 

Nestas horas adentro solenemente nos umbrais de um templo sagrado e avisto, extasiado, a “Terceira Margem do Rio”. Somente os canoeiros iniciados nos mistérios das águas são capazes de aprender humildemente com elas, com os ventos, entendendo suas sutis mensagens observando as nuvens, a flora e os seres que nela habitam. Aprendi com eles a conhecer minhas potencialidades e meus limites, a fazer companhia a mim mesmo e a me satisfazer com isso, a refletir sobre minhas ações ou omissões, a declamar poesias educando a respiração enquanto pico a voga pelos ermos sem fim. 

Depois da magnífica alvorada apareceram preguiçosos jacarés-tingas (Caiman crocodilus) banhando-se ao Sol, irritadas, barulhentas e abusadas ariranhas (Pteronura brasiliensis) e fleumáticos cabeças-secas (Mycteria americana) empoleirados nos monumentos arbóreos. Paramos nas proximidades de uma fazenda onde recarregamos a bateria de nossos equipamentos.

03.07.2015 

Mantive minha monástica e prussiana rotina partindo antes do alvorecer e parei por duas vezes, por uns 15 minutos, antes de passar pelo Porto Ciriaco (km 28), aguardando meu parceiro e como ele não aparecesse prossegui lentamente documentando a paisagem. Pouco antes de passar pelo Porto Ciriaco, por volta 09h30, onde eu pretendia fazer a terceira parada, a chalana passou por mim e o “Velho do Rio” me informou, conforme combinara com o VMN, que pararia para o almoço, às 11h00. Decidi abortar a próxima parada, afinal eu alcançaria a chalana em menos de duas horas. Desembarquei na chalana por volta das 11h15 tomei um banho refrescante, ingeri alguns bocados do peixe frito do dia anterior e fiquei aguardando por uns vinte minutos meu parceiro que chegou visivelmente alterado.

 

O sábio teme o céu sereno; em compensação, quando vem a tempestade ele caminha sobre as ondas e desafia o vento. (Confúcio) 

Eu já havia presenciado reações semelhantes, em oportunidades muito mais desafiadoras, quando nossos jovens guerreiros eram testados ao limite e não numa situação tão banal, tão trivial como a de agora. Em situações extremas o esgotamento físico e o temor de enfrentar o desconhecido podem provocar erros de avaliação e decisões intempestivas que contrariam a lógica e o bom senso. Aguardei o companheiro desabafar, e sem entender o porquê de sua reação parti, depois de tê-lo convidado a continuar a jornada. 

Estava alcançando a meta diária de 70 km quando a voadeira pilotada pelo “Limpa Rio” passou por mim levando o canoísta desertor e toda a sua tralha. Mais tarde a chalana pilotada pelo Comandante Celso Ortega aproximou-se e ancorou na margem esquerda. Fomos contemplados, então, por uma chuva fina e fria além de rajadas de ventos que ultrapassavam os 30 kmh ‒ seria um desagravo de São Pedro à conduta irracional de nosso parceiro? Passamos a noite preocupados com nosso veterano pescador na expectativa de que ele arranjasse um local abrigado para pernoitar e não decidisse enfrentar o Rio à noite. O “Limpa Rio” não enxerga muito bem e isso poderia comprometer a sua segurança caso arriscasse uma navegação noturna, além disso, a voadeira era o único recurso que nos permitia desencadear uma operação de resgate em caso de emergência ou pane no motor da chalana.

 

04.07.2015 

Choveu a noite toda, acordamos cedo, vesti uma camiseta de manga comprida, coloquei a saia do caiaque e parti enfrentando a chuva fina e gelada. Combinei com o Sr. Celso que o aguardaria nas proximidades da Foz do Rio Touro Morto. Mantive uma média 11,51 kmh sem parar com o objetivo de manter o corpo aquecido. Depois de remar por duas horas cruzei com o “Limpa Rio” que vinha em busca da chalana – fiquei feliz em saber que o amigo estava bem e remei ainda com mais vigor. Passei por uma bela região de buritizais que não pude documentar em virtude da chuva, as margens aqui tinham sido substituídas por enormes regiões de várzeas. 

Ancorei o caiaque em luxuosa instalação de pesca, conhecida como o Castelo Pedrossian, antigamente um pesqueiro do ex-Governador do Estado. Eu tinha remado 51,8 kmh em apenas 04h30. A chalana chegou 30 minutos depois e eu continuei, em seguida, minha jornada. Fotografei um belo Tuiuiu (Jaburu ‒ Jabiru mycteria) e uma enorme Garça moura (Socó Grande ‒ Ardea cocoi) que pescavam displicentemente nas águas escuras da Foz do Touro Morto, e mais adiante passei pela Foz do Miranda onde existe um Posto da Polícia Florestal. Tinha remado 73,5 km quando o Celso veio me avisar que a correia do motor da chalana estava com problema e que eu deveria aguardar naquele local a vinda deles. 

05.07.2015 ‒ Chegada no Passo do Lontra ‒ Corumbá, MS 

O despertador do Celso não funcionou e embarquei no meu caiaque com o Sol quase raiando. O atraso foi providencial, o frio era intenso e precisei colocar duas camisetas para manter o corpo aquecido. Volta e meia cruzavam por mim voadeiras com pescadores trajando japonas impermeáveis, cachecol e tocas ninja, certamente não eram gaúchos como eu para quem aquela leve friagem era muito bem vinda. A beleza natural da flora, fauna, as espelhadas águas do Rio refletindo a vegetação ciliar me encantavam. Foi o melhor dia para fotos, as diáfanas nuvens davam um toque de leveza no plúmbeo firmamento de ontem. A fotografia mais interessante foi de um casal de bugios que abraçados protegiam com seus corpos o filhote do vento gelado. 

Cruzei pelo Morro do Azeite, localizado no Município de Corumbá (57°00’01,3” O / 19°04’11,6” S), à margem esquerda do Rio Miranda. O Morro, formado por rochas calcárias, abrigou, no passado, instalações que produziam óleo de peixe que era utilizado nas lamparinas. 

Aportei às 14h20 no “Lontra Pantanal Hotel” onde fui cordialmente recebido por seus gestores. Tive de compensar o Comandante Celso com dinheiro suficiente para compensar o combustível gasto nos 130 km utilizados na operação de deserção do VMN, mais uma despesa adicional que não estava programada. Contatei o Coronel Jurandir, o Capitão Roney, os Tenentes Sidney e Israel e o Sargento Cruz solicitando que providenciassem uma operação de resgate desde o Passo do Lontra até  Aquidauana, já que não poderia contar com o apoio de meu ex-parceiro de canoagem. O Capitão Roney e o Tenente Sidney logo chegaram e, em seguida, voltamos para Aquidauana. No caminho fizemos uma parada para conhecer a D. Maria e seus jacarés amestrados. Foi, apesar da deserção, uma jornada encantadora e o fundamental foi saber que meus amigos de longa data do meu querido 9° B E Cmb não falharam em um só momento e suas gentilezas continuaram depois de regressarmos a Aquidauana.

 

Missão Pantaneira 

Podemos assim resumir a Missão que partiu do Porto do Soldado (Aquidauana, MS) ao Passo do Lontra (Corumbá, MS): foram 419 km de águas muito tranquilas e margens acolhedoras nos Rios Aquidauana e Miranda, MS. Minha jornada mais fácil e mais curta até hoje desde que iniciei as navegações pelos amazônicos caudais e pelos Mares de Dentro gaúchos. Ideal para iniciantes na arte da canoagem, amantes da natureza e idosos em geral.  

Link do Filmete da Expedição 

http://www.youtube.com/watch?v=aKj8vZzK1xY 

 

Fontes:  

 

HESSE, Herman. Sidarta – Brasil – Rio de Janeiro – Editora Record, 1992.

TAUNAY, Alfredo de Escragnolle. A Retirada da Laguna: Episódio da Guerra do Paraguai – Brasil – Rio de Janeiro – Tipografia Americana, 1874.

 


(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM - RS);

Sócio Correspondente da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER)

Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS);

Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

E-mail: hiramrsilva@gmail.com;

Blog: desafiandooriomar.blogspot.com.br

 
Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. 
 

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
 
Últimas notícias do site
29/05/2017 - 09h37
Fim de semana marcado pela prisão de condutores embriagados
29/05/2017 - 07h55
PMA prende dois por pesca predatória e por porte ilegal de pistola e munições
29/05/2017 - 07h30
Conab mostra uso de geotecnologia de safras em simpósio de sensoriamento remoto
29/05/2017 - 07h09
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
29/05/2017 - 06h46
Sisu abre hoje inscrições para o segundo semestre
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.