zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 30/06/2015 - 06h32

Famílias separadas de hansenianos participam de encontro na AL




Wagner Guimarães/ALMS

O plenarinho ficou lotado de famílias com histórias de separação devido ao tratamento da hanseníase
Por Portal ALMS / Redação Pantanal News

A Assembleia Legislativa promoveu na tarde desta segunda-feira (29) o 1º Encontro dos filhos das vítimas da hanseníase que foram separados compulsoriamente dos pais pelo Estado. Emocionados, eles compartilharam histórias de vida e se uniram na espera em conseguir um pedido de desculpas do Estado e da União com o reconhecimento de que isolar os portadores de hanseníase foi um processo traumático e com sequelas para muitas famílias. 

Segundo o Morhan (Movimento de Reintegração de Pessoas Atingidas pela Hanseníase), as consequências psicológicas foram inevitáveis e devem ser recompensadas por meio de uma indenização aos filhos das vítimas que foram levados para educandários ou entregues a outras famílias. Muitos desapareceram. No Brasil, o grupo estima que mais de 40 mil famílias foram atingidas.

O coordenador nacional do Morhan, Artur Custódio Moreira de Souza, esteve presente no evento e explicou que desde 2005, quando a ONU (Organização das Nações Unidas) esteve no Brasil e reconheceu a política pública equivocada, o grupo reivindica as indenizações. “Não acredito que consigamos de imediato, mas é preciso esse recurso para tratamento psicológico, por exemplo, como uma forma de reconhecer o erro. O Brasil será o primeiro País que fará isso aos filhos e o primeiro com um banco genético para encontrar os filhos desaparecidos. O Japão já indenizou mães hansenianas que foram obrigadas a abortarem”, explicou Artur. 

A dor da separação - A técnica de enfermagem Sueli de Fátima Silva não acredita que a indenização finaliza a dor, mas oportuniza aos que nunca encontraram suas famílias a se reunir ou pagar a continuidade do tratamento aos pais que ficaram com sequelas da doença. Emocionada, ela contou sua história. 

“Morávamos em Naviraí e minha mãe foi diagnosticada com hanseníase. Ela veio para Campo Grande se tratar e foi impedida de sair do Hospital São Julião. Eu e minha irmã fomos abandonadas pelo nosso pai, que nos deixou com uma tia menor de idade que nos maltratava muito. Ficamos um ano com ela e aí minha mãe conseguiu com que fôssemos enviadas para o Educandário Getúlio Vargas. Quando ela se curou conseguimos retomar a vida, mas conheci muitos que não tiveram a mesma sorte”, contou Sueli, que viveu dos 3 aos 6 anos de idade separada da mãe. 

Por outro lado, Sistolidio Fernandes Martins, hoje aposentado aos 64 anos, foi um dos pais obrigados a se separar da família ao descobrir a doença em 1983. “Eu sentia muitas dores nas juntas e as mãos secas. Fui ao médico e ele me mandou vir para Campo Grande ter a certeza do diagnóstico. Daqui já não pude voltar para o Paraguai. Fiquei isolado até 1987 e só pude sair uma semana nesses quatro anos. Meus três filhos tinham 6, 5 e 4 anos na época e não puderam contar comigo. A mãe se virou trabalhando na roça. Quando saí fui buscar eles para morarem aqui em volta do hospital São Julião. Tudo isso foi muito doloroso”, disse Sistolidio, sem conseguir segurar o choro. 

Para o deputado estadual Amarildo Cruz (PT), proponente da reunião, a luta é legítima e os deputados de cada estado devem pressionar o governo a colocar um projeto de indenização em votação ao Congresso. “Após esse encontro vamos promover uma audiência pública para o Mato Grosso do Sul para ajudar a pressionar para que a indenização se torne real. É lógico que deve ser discutido o valor, que hoje está estimado em R$ 50 mil por filho lesado e também como o governo federal vai pagar isso, mas é o mínimo que poderia ser feito para minimizar todo esse equívoco”, resumiu o parlamentar. 

A deputada Mara Caseiro (PTdoB), presidente da Comissão de Saúde da Assembleia, também participou da reunião, que lotou o plenarinho. Uma comissão será formada para fortalecer o Morhan no âmbito estadual.

Entenda a doença - De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a hanseníase, também conhecida como lepra, é uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae. Foi descoberta em 1873 e pode ser transmitida por secreções do nariz ou saliva do paciente. Não há transmissão pelo contato com a pele do paciente.

A hanseníase acomete primeiro a pele e os nervos periféricos e pode atingir também os olhos e os tecidos do interior do nariz. O primeiro e principal sintoma é o aparecimento de manchas de cor parda e com limites imprecisos. O tratamento é gratuito e fornecido pelo SUS (Sistema Único de Saúde) com a administração de antibióticos por seis meses, nas formas mais brandas (paucibacilar), ou por um ano ou mais já nas formas mais graves (multibacilar). A prevenção se dá pela higiene constante e mantendo a imunidade alta com boa alimentação e atividade física regular. 

Em Campo Grande, um grupo de estudantes de Enfermagem da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) oferece orientações por meio do projeto de extensão Ladipe (Liga Acadêmica de Doenças Infecto-Parasitárias em Enfermagem). “A princípio estudamos doenças infecciosas causadas por parasitas, como a hanseníase e ajudamos pessoas portadoras a entenderem mais sobre elas. Com o Morhan, vamos começar em breve a oferecer capacitação aos profissionais da Atenção Básica de Saúde para detectar a doença mais rápido e auxiliar na prevenção”, explicou a acadêmica do 4º ano de Enfermagem da UFMS, Francyelle de Mello Pereira, que marcou presença no evento com outros participantes do grupo. 

Saiba mais sobre o Ladipe acessando 
www.facebook.com/ladipeufms e sobre o Morhan neste site

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
13/10/2017 - 09h09
Cinco coisas que tornam você um ímã de mosquitos
09/10/2017 - 10h23
Mato Grosso do Sul recebe nove profissionais brasileiros do Mais Médicos
02/10/2017 - 16h24
Caminhada em Campo Grande chama a atenção para a prevenção e diagnóstico precoce do câncer
19/09/2017 - 15h13
Setembro Amarelo: no mês de prevenção ao suicídio, Hospital Regional apresenta dados para alertar população
24/08/2017 - 15h35
STF decide, por maioria, proibir a comercialização do amianto
 
Últimas notícias do site
18/10/2017 - 16h10
Local de prova do Enem será divulgado na sexta a partir das 10h, diz Inep
18/10/2017 - 16h10
Central 0800 permite solicitação de serviços referentes à iluminação pública
18/10/2017 - 16h05
Corumbá: Estudantes devem fazer rematrícula para vaga na Rede Municipal de Ensino
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
18/10/2017 - 10h57
PMA prende foragido da justiça durante fiscalização
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.