especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Política - 29/06/2015 - 10h25

Deputados federais de MS se dividem sobre redução da maioridade penal




Divulgação

Câmara vota projeto nesta semana, deputados de MS se dividem sobre o tema
Por Leonardo Rocha do Campo Grande News / Redação Pantanal News

O projeto que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos deve ser votado nesta semana na Câmara dos Deputados. Dos oitos deputados federais de Mato Grosso do Sul, três são favoráveis à proposta, mas com algumas ressalvas, se tratando de crimes hediondos. Quatro não concordam com a mudança e uma parlamentar ainda não definiu posição, vai esperar reunião com o partido.

 

Os deputados Luiz Henrique Mandetta (DEM), Carlos Marun (PMDB) e Elizeu Dionísio (SD) são favoráveis, mas cada um aponta um motivo específico e a condição dos crimes serem hediondos ou de natureza violenta. Já Zeca do PT, Vander Loubet (PT) e Dagoberto Nogueira (PDT) e Geraldo Resende (PMDB) são contra esta mudança, pois não resolve o problema.

Já a deputada Tereza Cristina (PSB) ainda não definiu posição, mas vai ter uma reunião amanhã (30) com seu partido, para decidir como vai votar em plenário. “Tenho uma dúvida cruel, será que simplesmente reduzir para 16 anos resolve? Existem crimes que acredito que pode ser até de 12,14 e 15 anos. Para os (crimes) hediondos sou a favor, mas vou esperar este encontro partidário”.

Ela ainda revelou que pretende apresentar uma emenda onde especifica que em crimes hediondos, o adolescente não pode ser colocado como primário, e já teria sua maioridade emancipada. “Vou discutir com minhas lideranças, para formalizar bem esta questão”.

Favoráveis – Para Elizeu Dionísio esta mudança não vai mudar a situação por completo, porém se trata de uma ação imediata que pode inibir o crime nesta faixa etária. “Vou votar a favor mesmo achando que o mais adequado é o investimento em educação, cultural, inclusão pelo esporte”.

Já Mandetta ressalta que no projeto original, para público geral, votaria contra, mas se for feito um acordo para crimes hediondos, então tem resposta afirmativa. “Além disto, defendo aumento de pena máxima em alguns casos de 3 para 8 anos, em outros casos”.

Carlos Marun também é favorável, mas espera que o texto do projeto seja alterado, não para crimes hediondos, mas sim para "violentos". "Tem que reduzir para crimes de origem violenta, pois alguns hediondos, como tráfico de drogas se trata de algo diferente".

Contra – O deputado Geraldo Resende justifica que a melhor solução seria aumentar de três para oito de internação para crimes hediondos, sem precisar reduzir a maioridade penal. “Diminuir pura e simplesmente pode fazer com que os transformemos em criminosos ainda mais cruéis e a sociedade pagar um alto preço com esta medida”.

Os dois deputados do PT também se colocam contra. Zeca ressalta que além de não resolver a questão, ainda coloca estes jovens na “escola do crime”. “Se trata de um equívoco e uma estupidez da sociedade que defende esta mudança, será um tiro no próprio pé”. Vander Loubet também não concorda em função dos mesmos motivos apresentados pelo partido.

Para Dagoberto Nogueira deve se mudar o estatuto da criança e adolescente, mas que seu partido é contra reduzir a maioridade, pois iria implicar em uma série de questões civis, em que a população não está conseguindo avaliar as consequências. Todos os deputados ouvidos pelo Campo Grande News ressaltaram que o projeto deve ser aprovado na Câmara dos Deputados.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
23/01/2018 - 09h40
Perguntas e respostas sobre o julgamento do recurso de Lula no TRF-4
16/01/2018 - 14h30
Obra de qualidade é uma das marcas do Governo, diz Rose depois de visitar Corumbá
22/12/2017 - 11h05
Acabou a dúvida: Puccinelli se anuncia como candidato ao governo do Estado
13/12/2017 - 07h58
Azambuja se reúne com empresa e dá posse ao novo secretário de Saúde
12/12/2017 - 08h16
Governador participa de reunião do Codesul em Porto Alegre
 
Últimas notícias do site
16/02/2018 - 06h53
AGENDONA: Fim de semana de enterro dos ossos, música, teatro, oficinas e mais
16/02/2018 - 06h13
Inmet prevê sol entre nuvens e chuva para sexta-feira em todo o MS
15/02/2018 - 16h16
A Falta de Educação
15/02/2018 - 16h10
Grupo busca voluntários para retirar toneladas de lixo do Rio Aquidauana
15/02/2018 - 06h10
Inmet aponta que mau tempo continua e MS terá dia com chuvas à tarde
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.