especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 05/05/2015 - 07h00

MS vive epidemia de dengue e doença pode ter feito a 5ª vítima no Estado

Doença é alarmante em 38 cidades do Estado e outras três mortes são investigadas




Marcos Ermínio/Arquivo

Autoridades em saúde orientam para que população tome alguns cuidados para evitar a proliferação do mosquito da dengue.
Por Michel Faustino do Campo Grande News / Redação Pantanal News

A crescente nos números da dengue em Mato Grosso do Sul preocupa. De janeiro até agora, 17.467 casos já foram notificados, o que estatisticamente coloca o Estado em situação de incidência epidêmica da doença. Além do aumento, quatro mortes já foram confirmadas e uma está sob suspeita. Outras três estão sendo investigadas.

Conforme boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (04) pelo Ministério da Saúde, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goias e Acre estão apresentando epidemia de dengue, quando há mais de 300 casos da doença por 100 mil habitantes. MS está com o dobro, com 675 para cada grupo de 100 mil.

A região Sudeste do país teve o maior número de casos notificados (414.716 casos; 66,2%) em relação ao total do país, seguida das regiões Nordeste (75.511 casos; 11,5%), Centro-Oeste (74.516 casos; 12,4%), Sul (37.399 casos; 5,8%) e Norte (23.989 casos; 4,1%).

Em Mato Grosso do Sul, o ano de 2015 já alcançou o terceiro maior número de casos suspeitos nos últimos cinco anos. Conforme levantamento feito pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), o recorde desse período é 2013, quando o número de notificações fechou em 102.026.

Em 2010 houve o segundo maior índice, com 82.597 casos. Em 2011 foram 15.506, em 2012 foram 16.506 e ano passado, 9.256.

Até agora, quatro mortes já foram confirmadas, sendo duas em Sonora, uma em Paranhos e outra em Corumbá.
Outras três mortes estão sendo investigadas por suspeitas de terem sido causadas pela doença (Anastácio, Aparecida do Taboado e Laguna Carapã) e um caso está sob suspeita em Três Lagoas.

O paciente, um homem de 27 anos, morreu ao dar entrada no hospital Nossa Senhora Auxiliadora no último sábado (02) com suspeita da doença.

Conforme o último boletim epidemiológico divulgado na semana passada, 38 cidades de Mato Grosso do Sul estão com alta incidência de dengue. No ranking de casos notificados, Campo Grande encabeça a lista (3.524), seguida por Três Lagoas (1.018), Naviraí (734), Dourados (574) e Paranaíba (399).

O que mais preocupa as autoridades em saúde é de que na Capital a maioria dos casos notificados é da dengue tipo 4, vírus em que a maior parte da população não está imune. Assim como na cidade de Ponta Porã, onde 102 casos da doença foram notificados.

Nos municípios de Aparecida do Taboado, Chapadão do Sul, Parnaíba e Selvíria foram diagnosticados casos do tipo 2 da doenças, no demais municípios a incidência ainda é do tipo 1.

Apesar da crescente e do parecer do Ministério da Saúde, o Governo alega que o Estado ainda não está vivendo uma epidemia, mas reconhece a necessidade de intensificar o trabalho junto aos municípios mais afetados para evitar situações como a vivida em 2013 onde o Estado enfrentou a maior “crise” da doença com cerca de 102 mil casos.

As autoridades em saúde orientam para que a população tome alguns cuidados para evitar a proliferação do mosquito causados da doença. É preciso fazer a limpeza periódica de terrenos e quintais e não deixar recipientes que acumulem água expostos.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
13/11/2017 - 11h30
Lei: deputado Dr. Paulo Siufi cria “Agosto Verde” para prevenir depressão e outros males
08/11/2017 - 16h10
Sesau investiga morte de macaco, animal hospedeiro da febre amarela
31/10/2017 - 14h46
Cirurgia de Ruiter teve início na tarde desta terça-feira
31/10/2017 - 09h07
Com quadro clínico estável, prefeito de Corumbá já está sendo operado
 
Últimas notícias do site
08/12/2017 - 15h54
Final de semana será de chuva e temperaturas altas em todo MS
07/12/2017 - 10h30
Comando do 6° Distrito Naval comemora o Dia do Marinheiro
05/12/2017 - 11h16
Prefeito discute corredor bioceânico e gás natural com Evo Morales
04/12/2017 - 15h51
Em Brasília, prefeito busca recursos para saúde e infraestrura
04/12/2017 - 07h44
Confira as vagas de emprego disponíveis na Casa do Trabalhador de Aquidauana
 

zap

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.