especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Aldeias do Pantanal - 29/04/2015 - 07h00

MS é pioneiro na publicação de diretrizes para a educação escolar indígena




Por Emilia Sbrocco Dorsa do Notícias MS/ Redação Pantanal News

 A Secretaria de Estado de Educação (SED) publicou na edição desta terça-feira (28) do Diário Oficial do Estado o resultado de uma ação iniciada em 2011, com o envio da proposta de formação cooperada entre os sistemas de ensino.

O projeto tem financiamento do governo federal por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, do Ministério da Educação, e execução orçamentária de Mato Grosso do Sul por meio da SED, sobre responsabilidade técnica, administrativa e pedagógica do Centro Estadual de Formação de Professores Indígenas de Mato Grosso do Sul (CEFPI) e participação dos 29 municípios em que há comunidades com escolas indígenas das redes estadual e municipais de ensino.

Para a secretária de Estado de Educação, Maria Cecilia Amendola da Motta, “Mato Grosso do Sul deu um passo importante para criar um documento normativo para escolas indígenas, específico para os sistemas de ensino deste Estado, com o objetivo de tornar a educação escolar indígena projeto orgânico, articulado e sequenciado da educação básica em suas diferentes etapas e modalidades, garantindo as especificidades dos processos educativos indígenas em nosso Estado”, disse.

A ação teve como metodologia encontros alternados durante o ano de 2012 e, com embasamento nas políticas públicas específicas para a educação escolar indígena, envolveu aproximadamente 1000 profissionais da área. A coordenação dos grupos de trabalho ficou sob a responsabilidade de consultores indígenas e não indígenas membros das universidades do Estado que trabalham com a temática indígena em suas pesquisas: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Os encontros deste grupo de trabalho resultaram na publicação das resoluções n. 2960 e 2961 que definiram as diretrizes para a educação escolar indígena dos territórios etnoeducacionais Povos do Pantanal e Cone Sul, respectivamente; com peculiaridades das oito etnias indígenas do Estado de Mato Grosso do Sul.

Indígenas e não indígenas (professores, coordenadores, diretores, gestores municipais, caciques e lideranças indígenas) envolvidos direta e indiretamente com a educação escolar indígena em Mato Grosso do Sul tiveram participação decisiva para o andamento da proposta. “As diretrizes foram elaboradas com a participação de diferentes atores de diferentes etnias, entre eles professores, coordenadores pedagógicos, gestores e técnicos pedagógicos com competência e assim garantir a legitimidade do processo”, ressaltou a professora Maria Cecilia.

“Sem dúvida, essa tão ansiada publicação marca a questão da diferença, num espaço onde poucos indígenas e não indígenas podem se quer opinar. E, nesse momento, essas diretrizes legitimam as nossas discussões enquanto cidadãos de direito, que desejamos produzir sentidos e significados interculturais. Esse documento produzido com autonomia e protagonismo, não é apenas um papel, mas as vozes de ancestrais, antepassados e anciãos que se ecoa, nos anais da história de indígenas e não indígenas desse Estado”, explicou Antonio Carlos Seeler da Silva, do Movimento de Professores Indígenas do TEE Povos do Pantanal.

Ele afirma que, com a publicação, Mato Grosso do Sul legitima o direito a diferença, em uma relação harmônica e respeitosa com os povos indígenas e sua educação escolar.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
26/10/2017 - 07h05
MS: Cestas de alimentos beneficiam 2.855 mil famílias indígenas
05/05/2017 - 16h18
Campanha de vacinação dos povos indígenas 2017 começa nesta sábado
23/03/2017 - 10h58
Mato Grosso do Sul: Indígenas recebem cestas de alimentos da Conab
09/02/2017 - 10h14
Presidente nacional da Funai visita Dourados e áreas de conflito em MS
23/01/2017 - 07h27
Mitologia dos índios Guaranis vai representar o Brasil no Festival de Berlim
 
Últimas notícias do site
19/01/2018 - 15h00
Agenda Cultural: fim de semana está repleto de opções com samba, rock, pop e funk
19/01/2018 - 13h00
Inmet alerta para chuvas intensas e ventos de até 100 km por hora em MS
19/01/2018 - 08h32
Fazendeiro é autuado em R$ 159 mil por desmatamento ilegal
19/01/2018 - 07h35
Carnaval de Corumbá terá Axé Blond, Revelação e baterias da Mangueira e Gaviões da Fiel
19/01/2018 - 07h10
Carnaval de Corumbá: atrações tem até hoje para realizar cadastro
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.