especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Economia - 02/04/2015 - 13h25

Cesta básica do mês de março registra alta de 2,86% em Campo Grande




Chico Ribeiro

Por Raquel Pereira do Notícias MS/ Redação Pantanal News

Campo Grande (MS) – Divulgado mensalmente pelo Governo do Estado através da Coordenadoria de Pesquisa, Planos, Projetos e Monitoramento da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade), o índice de oscilações dos custos da cesta básica alimentar da Capital teve alta de 2,86% no mês de março. De R$ 336,87 em fevereiro o valor passou para R$ 346,52.

A cesta básica alimentar consiste no conjunto de quinze produtos em quantidades consideradas suficientes para suprir as necessidades de uma pessoa no período de um mês, objetivando mostrar o poder de compra do assalariado.  Dos 15 produtos pesquisados, 11 tiveram elevação nos preços destacando-se: o feijão com elevação de 17,36%; tomate 8,90%; óleo 6,47%; alface 5,48%; laranja 4,55%; margarina 2,68%; pães 2,20%; açúcar 1,90%; arroz 1,70%; banana 1,13% e macarrão 0,90%.  Somente a batata e a carne registram quedas respectivas de 1,40% e 0,31%. O sal e o leite não sofreram alterações.

A pesquisa é realizada semanalmente em 26 estabelecimentos varejistas de Campo Grande, distribuídos em seis regiões que contemplam supermercados, açougue, hortífruti e panificadora de cada região.

O custo e a renda

Confrontado o custo da cesta básica alimentar com a renda mensal é possível inferir que o trabalhador que recebeu um salário mínimo de R$ 788   comprometeu 43,97% do seu salário na aquisição da cesta, e, no mês anterior  comprometeu a sua renda em 42,75%. Ou seja, o saldo do salário mínimo que resta para o trabalhador suprir demandas como água, energia, saúde, serviços pessoais, vestuário, lazer e outros é de R$ 441,48. Em termos de horas trabalhadas, isto significa que para adquirir a cesta, o assalariado precisou trabalhar 96 horas e 45 minutos.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
08/01/2018 - 06h50
Receita abre consulta a lotes residuais do Imposto de Renda de 2008 a 2017
04/01/2018 - 08h18
Salário dos 75 mil servidores de MS está disponível para saque
03/01/2018 - 09h26
Salário dos servidores de MS estará na conta amanhã, confirma secretário
02/01/2018 - 08h44
Preços da gasolina e do diesel terão a primeira variação de 2018
29/12/2017 - 15h40
Salário mínimo será de R$ 954 a partir de primeiro de janeiro
 
Últimas notícias do site
23/02/2018 - 10h30
Informe Energisa
23/02/2018 - 10h25
Corumbá: Prefeito faz balanço dos 100 dias de gestão e apresenta ações para 2018
23/02/2018 - 07h20
Prefeito Marcelo Iunes e Clube de Desbravadores Formigas de Corumbá ajudam ribeirinhos de Aquidauana e Anastácio com campanha de arrecadação de donativos
22/02/2018 - 14h02
Marinha divulga edital do concurso para Fuzileiro Naval
22/02/2018 - 10h15
De cão a periquito: animais salvos da cheia dão cara de lar a abrigo
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.