zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Saúde - 26/03/2015 - 06h34

Para desespero de pacientes, em abril medicamentos vão subir até 7%




Caroline Maldonado

Ideia do governo é fazer com que mais medicamentos tenham o menor reajuste de preço
Por Caroline Maldonado do Campo Grande News / Redação Pantanal News

O Ministério da Saúde divulga na terça-feira (31) o reajuste do preço máximo dos medicamentos e as farmácias estimam alta entre 5% e 7%, embora o ministro Arthur Chioro tenha adiantado que o índice será menor em relação ao do ano passado, que foi de 6%, pois o governo usará nova regra para calcular e estabelecer o percentual a fim de manter o aumento abaixo da inflação.

 

A ideia do governo é fazer com que mais medicamentos tenham menor alta de preço. Do total, apenas 21,57% terão o maior reajuste, enquanto 51,73% terão menor índice de alteração, segundo o ministério.

O proprietário da drogaria Farma e Farma, Sidney Paulo Miyashiro, acredita que o reajuste deve ficar no mesmo patamar do aplicado no ano passado e, dificilmente, os custos vão ser reduzidos para o consumidor. “Acho que pode ter um aumento igual ao anterior ou maior, de até 7%, pelo fato da alta do dólar”, comentou o farmacêutico, ao lembrar a cotação da moeda norte-americana, que disparou nas últimas semanas e chega a R$ 3,16, influenciando na compra de produtos importados.

Se o preço máximo não subir muito, os farmacêuticos garantem que adotarão a medida e não vão reduzir descontos. O subgerente da Drogaria Ultra Popular, Anderson Pereira Sales, destaca que, sendo baixo ou alto o reajuste, não fará muita diferença para as farmácias de rede. “Caso não aumente muito o preço máximo, a opção é buscar laboratórios que forneçam uma linha de produtos mais em conta. Para as farmácias de rede é mais fácil, não deve ter grandes impactos. Se cair muito o preço máximo vai ser mais difícil para as drogarias pequenas”, comenta ele, que estima reajuste de, no máximo 5%, com base no que informaram os fornecedores.

Mesmo com as estimativas pessimistas, Marilene Medeiros, 51 anos, tem esperança na medida do governo para reduzir os custos da família com medicamentos, que chega a R$ 1,5 mil por mês. Ela é do lar e o esposo, de 61 anos, tem DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica). Os medicamentos comprometem 20% da renda do casal. “Um único remédio custa R$ 270 e com o desconto sai pela metade. Ainda assim, fica caro. Então, tenho esperanças que reduza o preço e as farmácias mantenham, porque eu gasto uma fortuna com medicamentos”.

No ramo farmacêutico há 32 anos, Walmir Felix, lembra que quando os preços determinados pelo governo oscilavam, as farmácias diminuíam os descontos para não ter prejuízo, mas agora isso não acontece. “Antigamente tinha isso, porque as farmácias eram pequenas, mas agora são grandes redes, que não trabalham com estoque e sim com produtos de giro”, explica.

Os descontos para remédios de uso contínuo ficam em torno de 21,1% e alguns chegam a 60%, nas farmácias. Esse é o grupo de remédios usado no tratamento de doenças crônicas e ou degenerativas, para o qual o reajuste deve ser dos menores. 

Novo cálculo – Segundo o Ministério da Saúde, os três níveis de reajuste de preço são definidos conforme a concorrência dos grupos de mercados, classificados como não concentrados, moderadamente concentrados e altamente concentrados.

Será ampliado o grupo autorizado a fazer o menor reajuste de preço, porque o novo cálculo adotará modelo internacional para a medição do poder de mercado individual de empresas ou grupos econômicos, o IHH (Índice Herfindahl-Hirschman). Com a nova medida, também será considerado o mercado como um todo, não somente o varejista e pela primeira vez serão incluídas as vendas hospitalares e compras públicas.

O percentual de reajuste será divulgado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos na terça-feira (31), após a publicação oficial do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), como prevê a regra. O índice aponta a inflação no país.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
13/10/2017 - 09h09
Cinco coisas que tornam você um ímã de mosquitos
09/10/2017 - 10h23
Mato Grosso do Sul recebe nove profissionais brasileiros do Mais Médicos
02/10/2017 - 16h24
Caminhada em Campo Grande chama a atenção para a prevenção e diagnóstico precoce do câncer
19/09/2017 - 15h13
Setembro Amarelo: no mês de prevenção ao suicídio, Hospital Regional apresenta dados para alertar população
24/08/2017 - 15h35
STF decide, por maioria, proibir a comercialização do amianto
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.