zap
GOV EMPREGO 22-06
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 09/02/2015 - 05h55

Somos brasileiros




Por Bruno Peron

Meu texto Não há negros no Brasil talvez levante dúvidas em alguns leitores quanto a seus conceitos de que significa ser brasileiro. Meu argumento derruba preconceitos em vez de intensificá-los e faz uma proposta conciliatória. O texto atual visa a dissipar dúvidas e fazer mais alguns esclarecimentos de por que a racialização do Brasil seria o agouro de mais uma tragédia nacional.

O problema maior que aflige a educação no Brasil é que seus educadores são os primeiros que precisam reeducar-se antes de colonizar a mente de seus “alunos”. Por isso, o aumento de investimentos em educação somente espalha o vírus em vez de tratar o organismo enfermo com novas práticas e posturas.
 
Minha atenção, neste momento, volta-se à dificuldade de os nascidos e crescidos no Brasil reconhecer-nos simplesmente como brasileiros. Fazemos de tudo para dividir-nos em classes (A, B, C, etc. com pretextos socioeconômicos), raças (“brancos”, “negros”, etc.), e até investigar árvores genealógicas para tirar passaportes de cidadanias europeias, como aprendizes fiéis da Europa. De fato, no continente europeu, essas distinções têm validade, ao contrário do Brasil.
 
Os caminhos de interação entre tradição e modernidade são outros no Brasil. Construímos nossa própria modernidade. Meu argumento de que somos todos brasileiros, contudo, não anula as diversidades. Elas estão em outros aspectos socioculturais no país: nos regionalismos, nos sotaques, nas carreiras, nas civilidades, nos gostos e na cor da pele também (por que não?). No entanto, somente a cor da pele não é critério científico para determinar etnias e raças, sobretudo em se tratando de um país tão mestiço e colorido como o Brasil.
 
Neste ponto sobre diversidades, vale a pena contrastar Brasil com Estados Unidos. O segundo país é um transplante fiel dos ideais, das formas de vida e das pretensões expansionistas e universalizadoras da Europa, enquanto o Brasil teve conflitos internos e rebeliões históricas contra as práticas e os mandos europeus. Cito os episódios de escravos fugidios que formavam quilombos, a conspiração de Joaquim da Silva Xavier (“Tiradentes”) contra a colonização, e as lutas contra as invasões francesas e holandesas no litoral. O Brasil foi, no início do século XIX, sede do império português, mas as imigrações intensas expandiram as diversidades no país e nos reformulamos como brasileiros.
 
No entanto, por causa das ideias e das práticas educadoras que critiquei acima, o Brasil contém o pior e o melhor que a Europa já produziu. O pior porque faz o jogo militar de potências globais (envia tropas para “pacificar” países pequenos, tomou posição na segunda guerra entre potências de 1939 a 1945) e entende-se como um país dividido em classes. E também o melhor porque no Brasil se avançam discussões e leis sobre liberdades e direitos humanos.
 
Embora burocratas e políticos de Brasília escutem e aceitem primeiramente o que diz o United States Federal Reserve, o Palais de l'Élysée e o British Parliament, em vez de ouvir o povo brasileiro para tomar suas decisões, o Brasil não é um mero enxerto transoceânico da Europa. Aqui temos matrizes ameríndias, africanas, europeias, e também outras trazidas por imigrantes asiáticos, caribenhos, centro-americanos, sul-americanos, norte-americanos, e outros.
 
Tenho receio de que as diversidades no Brasil se esvaeçam em políticas de segregação (em bairros e “cotas”) como na França, na Inglaterra e nos Estados Unidos. A França defende-se tão agressivamente de imigrantes que suas instituições levam a um ponto extremo as liberdades de expressão através de racismo contra imigrantes e sátira de religiões. O efeito é feroz: assassinato de jornalistas inconsequentes da revista Charlie Hebdo e protestos ao redor do mundo (no Paquistão, manifestantes queimaram a bandeira francesa). Ainda assim, nenhum desentendimento cultural deveria gerar conflitos e mortes.
 
Ser brasileiro é um privilégio para os que pressentem o destino do Brasil.
 
Este mundo se transforma. Europa é passado; Brasil é futuro. Europa é guerra; Brasil é paz. Europa é tristeza; Brasil é felicidade. Europa é conflito; Brasil é harmonia. Resta-nos aos brasileiros reconhecer-nos como uma civilização nova e trocar as roupas europeias com as quais nos vestimos durante séculos.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
 
Últimas notícias do site
23/06/2017 - 16h02
TVE em Maracaju: governador Reinaldo e prefeito Maurílio Azambuja reativam sinal neste sábado
23/06/2017 - 14h16
Projeto de Moka quer acabar com distorção na disputa por vaga a pessoa com deficiência
23/06/2017 - 14h06
Fim de semana será de clima seco, com noites frias e tardes ensolaradas
23/06/2017 - 12h41
PMA autua pecuarista em degradar nascentes e dois córregos e áreas protegidas de matas ciliares
23/06/2017 - 10h35
Deputado Dr. Paulo Siufi solicita recolhimento de livro infantil que aborda incesto
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.